FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Em alta, os desembolsos de crédito rural já se aproximam de R$ 110 bilhões

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 03/12/2020

2 MIN DE LEITURA

0
0

O bom momento do setor agrícola voltou a sustentar a procura por crédito rural em novembro. Nos cinco primeiros meses desta safra 2020/21, os desembolsos foram 19% maiores que no mesmo período do ciclo passado, para R$ 108,8 bilhões. O número de contratos teve uma leve alta de 3% e ultrapassou a marca de 1 milhão.

A demanda continuou alta em quase todas as frentes. Apenas o crédito para comercialização caiu 7%, para R$ 9,4 bilhões, em parte pela alta liquidez das vendas das colheitas, principalmente de grãos. O desembolso para custeio cresceu 13%, para R$ 60,2 bilhões, e para investimentos saltou 46%, para R$ 32,4 bilhões.

Com o produtor determinado a investir, o caixa esvaziou cedo. O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BDNES), depois de suspender financiamentos, reabriu os pedidos do Moderfrota com R$ 740 milhões e da linha do Pronaf para aquisição de máquinas em meados novembro. Os recursos duraram pouco tempo e os programas foram fechados novamente antes da virada do mês. A instituição também bloqueou empréstimos do Moderinfra, para financiamento de equipamentos de irrigação e cultivos protegidos.

João Luiz Guadagnin, consultor em crédito e desenvolvimento rural, diz que o volume de recursos da subvenção ficou aquém das necessidades apontadas ao governo. Parte do dinheiro equalizado para a agricultura familiar acabou em outubro, fato inédito em mais de 20 anos de Pronaf. “Houve o cancelamento de muitos contratos já assinados e de pedidos de compra de máquinas e equipamentos”, afirma.

A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, tenta um aporte extra de R$ 4 bilhões para reforçar as linhas do Plano Safra que já deram sinais de esgotamento. Os recursos são para equalizar os juros dos programas de investimentos, já que a Pasta não cogita remanejamento de valores com a forte procura em todas as frentes.

O aperto fiscal do governo, porém, é um entrave para a equipe econômica conseguir atender essa demanda. O Ministério da Economia destinou R$ 11,5 bilhões para equalização de juros no ciclo 2020/21, 75% dos quais (R$ 8,63 bilhões) para apoiar os investimentos, que são operações de mais longo prazo, mais caras e que consomem mais recursos federais. Grande parte do valor foi desembolsado e o restante está comprometido com operações que aguardam finalização.

Na visão do subsecretário de Política Agrícola e Meio Ambiente do Ministério da Economia, Rogério Boueri, o fluxo de saída do crédito rural reflete as condições favoráveis ao agronegócio, que “deslanchou” na pandemia. Ele destacou a forte procura por investimentos sustentáveis. “O Programa ABC já foi todo e existe a expectativa de os bancos criarem linhas por fora, com recursos próprios e condições iguais para atender a demanda pelos recursos diferenciados para práticas sustentáveis”, disse ao Valor. Dos R$ 2,5 bilhões destinados à linha na safra 2020/21, R$ 1,8 bilhão já foram emprestados e os pedidos estão suspensos no BNDES.

As contratações com Letras de Crédito do Agronegócio (LCA) reagiram, mas ainda estão 5% abaixo do patamar de 2019, com R$ 12,4 bilhões. As fontes controladas são responsáveis por 74% dos desembolsos e os recursos livres somam 26%.

As informações são do Valor Econômico.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint