FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Colômbia: 30.000 toneladas de lácteos importadas nos três primeiros meses de 2020

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 25/05/2020

2 MIN DE LEITURA

0
0

No total, durante os primeiros 91 dias de 2020, 30403 toneladas de lácteos foram importados, por um valor aproximado de US$ 86,2 milhões. Isto representa quase a metade do volume importado em 2019: 61.643 por US $ 156,8 milhões.

Embora o ano passado tenha ficado em primeiro lugar no volume de produtos lácteos importados pela Colômbia, 2020 deverá ultrapassá-lo se o ritmo de compras continuar ao longo do ano.

No final de janeiro, este ano já dava sinais de que as importações continuariam a crescer. Somente nos primeiros 31 dias, o setor registrou o maior número de compras em um mês: 21.108 toneladas por US$ 59.096.000.

Por outro lado, em fevereiro chegaram 3300 toneladas, a US$ 9.928.000, e em março de 5997 toneladas por US$ 17.155.000. As compras “exageradas” em janeiro devem-se à medida de contingente tarifário estabelecida nos acordos de livre comércio (TLCs) com os Estados Unidos e a União Europeia, como um mecanismo para proteger a produção nacional de leite.

No início de cada ano, é determinada uma quantidade de insumos que podem ser importados sem o pagamento de tarifas e, uma vez esgotada essa cota, os impostos correspondentes são cobrados nas compras efetuadas.

No caso do leite em pó, o contingente pautal do TLC com os EUA foi de 11.790 toneladas, enquanto o da União Europeia atingiu 6.800 toneladas. A cota dos EUA foi consumida em 15 dias, outro recorde, já que a indústria nacional aproveita essas primeiras toneladas sem tarifa para adquirir o máximo possível, como fizeram no início de 2020.

Origem dos produtos

Por esse motivo, 66% das importações no primeiro trimestre são provenientes dos Estados Unidos. Conforme registrado pela DANE, US$ 57.889.000  foram alocados para adquirir 19.702 toneladas de laticínios, dos quais 13.980 toneladas são de leite em pó desnatado e 3.173 toneladas integral.

Em seguida, vieram Espanha, com 2.716 toneladas por US$ 6.485.000 (8%), Bolívia com 1.734 toneladas por US$ 5.948.000 (7%), França com 1.030 toneladas por 3.046.000 (4%) e México com 1.328 toneladas por 3.339.000 (4%). Note-se que o volume da Bolívia e do México correspondem a leite em pó integral.

No entanto, o insumo mais comprado é o leite em pó desnatado, com 16.741 toneladas e valor inferior a US$ 44,6 milhões, seguido pelo integral, que atingiu 8348 toneladas e custou aproximadamente US$ 28,6 milhões. Isso ocorre porque o primeiro é mais barato no mercado internacional do que o último.

As informações são do www.contextoganadero.com, traduzidas pela Equipe MilkPoint.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.