FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

CMN define cronograma para registro obrigatório de CPRs

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 30/11/2020

2 MIN DE LEITURA

0
0

O Conselho Monetário Nacional (CMN) definiu o cronograma para registro obrigatório das Cédulas de Produto Rural (CPR) a partir de 2021 de acordo com valores pré-estabelecidos.

Conforme o Valor adiantou, apenas os títulos acima de R$ 1 milhão deverão ser registrados ou depositados entre 1º de janeiro e 30 de junho do ano que vem. De 1º de julho a 30 de junho de 2022, a regra valerá também para emissões superiores a R$ 250 mil. Só papéis inferiores a R$ 50 mil serão dispensados de 1º de julho de 2022 a 31 de dezembro de 2023.

A partir de 2024, todas as CPRs deverão ser registradas ou depositadas em entidade autorizada pelo Banco Central. Todas as CPRs emitidas em favor de instituições financeiras, ou que venham a ser adquiridas posteriormente por elas, deverão ser registradas ou depositadas, independentemente do valor da emissão, de imediato.

Segundo o Banco Central, “tais valores foram estipulados tomando-se como referência os tíquetes médios de emissão de CPR de produtores rurais de grande, médio e pequeno porte”. Assim, diz a instituição, “a regra leva em consideração, ainda que de forma indireta, o porte e a capacidade técnica de quem emite”.

O presidente-executivo da Associação das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove), André Nassar, defendia que apenas agricultores familiares fossem dispensados do registro das CPRs.

A entidade, que reúne as principais tradings que financiam os produtores e transacionam com esses títulos, acredita que o critério utilizado para escalonar a obrigatoriedade do registro vai “dividir” a cédula e estimular o mercado a pulverizar a emissão dos títulos em valores menores com o intuito de driblar a burocracia e o custo de registro.

“Essa pulverização dos títulos não registrados enfraqueceria os princípios que nortearam a Lei do Agro e, consequentemente, poderia abrir espaço para movimentos que ainda buscam relativizar a importância do registro das CPRs em ambientes transparentes e seguros. Ao definir a dispensa pelo valor individual da cédula, a regulamentação estará, mesmo que não intencionalmente, intervindo no processo de emissão dela”, disse Nassar recentemente ao Valor.

Para o secretário-adjunto de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, José Angelo Mazzillo Júnior, o registro da CPR é indispensável para expandir o crédito para o setor. "Dará visibilidade das finanças do produtor ao investidor que ainda não opera com o agro por falta de informação e transparência, além de mitigar riscos de desvios de conduta dentro das gavetas", afirmou ao Valor.

Já o especialista em crédito rural e consultor da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), Ademiro Vian, avalia que o tema ainda é muito complexo e oneroso aos produtores e que mais de 80% das empresas não estão aptas a cumprir essas exigências.

As informações são do Valor Econômico.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint