FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Argentina: Macri corta o imposto de pão e leite

Um dos temas que dominaram a agenda política e financeira internacional no início da semana deve ser também fonte de atenção nesta sexta-feira. Investidores e analistas estarão de olho na reação de eleitores, políticos e investidores a uma nova investida populista do presidente argentino, Mauricio Macri.

Na noite desta última quinta-feira Macri anunciou uma nova leva de medidas em um pacotão para aliviar a crise econômica e aumentar o poder de compra da população. O governo anunciou a eliminação do IVA, o impostos sobre valor agregado, de produtos básicos como pães, arroz, leite, mate e azeite. Na quarta-feira, Macri já havia anunciado medidas como aumento do salário mínimo e congelamento do preço dos combustíveis.

As medidas começam a valer imediatamente, e terão vigência até 31 de dezembro. “Minha única prioridade é cuidar dos argentinos e lhes levar alívio”, afirmou o presidente, em vídeo. Até o obelisco da capital argentina sabe que a prioridade de Macri é evitar uma derrota nas eleições agendadas para o dia 27 de outubro. No último domingo, uma prévia eleitoral colocou o candidato de oposição, Alberto Fernández, que tem a ex-presidente Cristina Kirchner como vice, 16 pontos à frente de Macri.

A nova leva de medidas populistas de certa forma antecipa os temores de investidores de que um governo menos preocupado com as contas públicas e as reformas pode estar à frente da Casa Rosada em 2020. E só é possível pelo sistema político sui generis do país, que tem em seu comando um político desesperado por tirar uma desvantagem eleitoral escancarada nas urnas.

As medidas visam também conter a inflação e a fuga de dólares do país, mas vão contra a agenda reformista de Macri e contra declarações recentes de integrantes do governo. Em abril de 2018, o então ministro da Produção, Franciso Cabrerar, afirmou que o governo não implementaria um controle de preços porque ele “falhou nos últimos 4.000 anos”. Agora, o atual Ministro da Produção, Dante Sica, insiste que o controle é temporário e visa dar uma resposta à instabilidade trazida pelo resultado das urnas.

Mais do que saber se Macri sobrevive após outubro, a grande pergunta entre analistas, agora, é se a Argentina sobrevive até outubro.

As informações são do portal Exame.

2

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

DARLANI PORCARO

MURIAÉ - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 16/08/2019

Não só de pão e leite , temos que cortar os impostos de todos os alimentos e remédios básicos ao povo, e espero que o Boolsonaro pense nisso o mais rápido , o Macri já está pensando.
SIDNEY LACERDA MARCELINO DO CARMO

BELO HORIZONTE - MINAS GERAIS - INSTITUIÇÕES GOVERNAMENTAIS

EM 19/08/2019

O Macri está preocupado é em não perder as eleições.