ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Eficiência alimentar, lucratividade e redução da poluição na fazenda leiteira

NOVIDADES DOS PARCEIROS

EM 15/10/2021

8 MIN DE LEITURA

0
2

A indústria leiteira global, como todas as encarregadas da produção de alimentos, necessita suprir a demanda mundial, que cresce em consequência do aumento tanto da população mundial (de 7,9 bilhões atuais a 9,7 bilhões em 2050; United Nations, 2019), quanto do consumo per capita (de 106 kg/hab/ano em 2010 a 111 kg/hab/ano no ano 2019). A mudança dos hábitos de consumo de países altamente populosos, como China, Indonésia e Vietnã, é a primeira causa do aumento no consumo per capita de lácteos no mundo (The World Dairy Situation 2018, FAO 2020). O consumo per capita no Brasil também segue a tendência de aumento (de 122 kg/hab/ano em 2000 a 166 em 2018), porém com variações anuais, que se relacionam à renda real e ao preço relativo do leite (Siqueira, 2019).

No mundo inteiro, grande parte das despesas da produção leiteira é o custo alimentar (50-60%). Há cerca de 25 anos, a margem de lucro vem diminuindo porque, proporcionalmente, os insumos alimentares aumentam mais que o preço do leite. A situação em questão tem levado a algumas mudanças na alimentação das vacas leiteiras, que vão desde o fornecimento de uma dieta de “custo mínimo”, aceitando-se a produção de leite resultante, até o monitoramento da eficiência alimentar (leite produzido/ração consumida), para que se atinja o máximo lucro líquido por dia.

No Brasil, o desafio produtivo, também é grande no quesito eficiência alimentar. Durante o período de 2016-2020, o incremento médio anual deflacionado para o milho foi de 13,9% (50,5% entre 2019 e 2020, Farmnews, 2020a) e de 13,8% para a soja (53,4% entre 2019 e 2020, Farmnews, 2020b). O preço líquido deflacionado do leite pago ao produtor foi recorde na série histórica durante setembro de 2020, porém, o incremento médio deflacionado durante o mesmo período de 2016-2020 foi somente de 2% para cada ano (5,75% entre 2019 e 2020) (Milkpoint, 2021). Durante 2021, a situação permanece similar, uma vez que o preço do leite deflacionado pago ao produtor, em agosto, é 11,7% maior que o registrado no mesmo mês do ano passado. Porém, dados do CEPEA, mostram que o custo operacional efetivo da atividade leiteira e a receita aumentaram em diferentes proporções (13 e 6%, respectivamente) (Grigol, 2021). 

As geadas e a forte estiagem de 2021 prejudicam a produção e qualidade dos volumosos e grãos. Essa situação se soma aos já elevados custos de produção (principalmente grãos e, portanto, concentrados). O aumento dos preços pagos ao produtor está sendo limitado pela demanda interna de lácteos, afetada negativamente pela redução do ingresso real da população e o aumento da inflação no Brasil. Os fatos descritos, criam um cenário de margem de lucro cada vez mais estreita. Em consequência ao supracitado, temos que, cada vez mais, é importante maximizar a eficiência de uso dos recursos na produção leiteira. 

As vacas leiteiras são pouco eficientes na conversão do N alimentar em produto animal (média de 26%), quando comparadas a outras espécies de interesse zootécnico, como as aves e os suínos (33-45% de eficiência) (Bequette et al., 2003). A situação pode piorar quando se utiliza a proteína bruta (PB: N alimentar x 6,25) na formulação da dieta como preditor de produção de leite, pela baixa relação entre ambas variáveis. Na Figura 1, observa-se que para o conteúdo de proteína bruta de 16% na dieta, comumente podem existir respostas na produção de leite entre 27 e 36 kg/vaca/d, mas ocasionalmente, o intervalo poderia ser ainda, mais amplo (de 20 a 40 kg/vaca/d) (Ipharraguerre & Clark, 2005a). Ante tais situações, os excessos de N virarão perdas por excreção animal, e a eficiência de conversão da proteína bruta da dieta em proteína láctea, diminuirá.

Relação entre produção de leite e porcentagem de PB da dieta de vacas leiteiras em lactação (Ipharraguerre & Clark, 2005a).

Figura 1: Relação entre produção de leite e porcentagem de PB da dieta de vacas leiteiras em lactação (Ipharraguerre & Clark, 2005a)

Somado à diminuição da eficiência de uso do N alimentar, um custo energético também está implícito. Entre 60-85% do N digerido é convertido em ureia no fígado; e dependendo das características da dieta, uma parte será reciclada (através da saliva ou da transferência do sangue ao lúmen gastrointestinal) e outra será excretada na urina (NASEM, 2021). Existe uma relação linear positiva entre as excreções urinárias de N e de energia, sendo necessárias 0,0146 Mcal de energia metabolizável (EM) por cada g N na urina. Somente o custo energético em uma vaca leiteira devido a essa excreção pode ser de até 3,16 Mcal EM por dia (Morris et al., 2021). Portanto, essa taxa de excreção energética ajusta negativamente a estimativa da energia metabolizável da dieta disponível para produção (NASEM, 2021).

É possível aumentar a conversão do N alimentar para o N no leite, tanto pelo aumento da produção de leite, mantendo o nível de PB da dieta; quanto pela redução na ingestão de PB, tendo essa última opção, um efeito mais marcante nesse quesito (Huhtanen & Hristov, 2009). Nesse sentido, Colmenero & Broderick, (2006) incrementaram a conversão do N de 25,4 a 36,4%, ocasião em que a PB da dieta diminuiu de 19,4 a 13,5%. O consumo de matéria seca, produção leiteira e eficiência alimentar, permaneceram inalteradas em todos os níveis de proteína da dieta (Figura 2).

Efeito da concentração de proteína bruta na dieta de vacas leiteiras sobre a produção de leite e a utilização de nitrogênio

Figura 2: Efeito da concentração de proteína bruta na dieta de vacas leiteiras sobre a produção de leite e a utilização de nitrogênio

Ipharraguerre & Clark, (2005b) também incrementaram a conversão do N de 25% para 32% quando a PB da dieta diminuiu de 18,7 para 14,8%. Contudo, a produção de leite se viu desfavorecida com essa redução. Uma concentração intermediária de PB de 16.8%, melhorou o aproveitamento do N da dieta a 28.5%, sem impactar o rendimento leiteiro. A redução de proteína bruta da dieta provavelmente diminuiu o fornecimento de proteína e energia metabolizáveis, afetando o desempenho das vacas leiteiras.

O uso adequado de modelos nutricionais, para suprir as necessidades de proteína e aminoácidos metabolizáveis, permite acertar o conteúdo N da dieta, sem alterar a produção de leite. Em NY, USA, o balanço alimentar feito com o modelo CNCPS (NDS® professional), permitiu que vacas recebendo dietas com PB de 13,7 e 16,2%, mas com balanços similares e positivos de proteína e metionina metabolizáveis (utilizando Timet®: fonte de metionina protegida), não apresentassem diferenças estatísticas na produção de leite (44,9 vs. 46,2 kg leite/vaca/dia), mas sim, na eficiência de uso do N alimentar (39 vs. 33%) (Fredin et al., 2016).

O refinamento da dieta de vacas leiteiras de elevado desempenho, baseado em aminoácidos disponíveis (utilizando a metionina protegida), permitiu diminuir a PB de 18 a 17% e incrementar a RMCA (receita menos custo alimentar) 0,12 $/vaca/d (1,7%, Chen et al., 2016), mas atingiu 0,70 $/vaca/d, considerando o aumento do preço do leite devido os aumentos nos teores de gordura e proteína (Schwab et al., 2004). O nitrogênio ureico no leite (MUN: indicador da eficiência de uso do N consumido pela vaca, resultado do adequado aporte de aminoácidos e energia à vaca), apresentou relação quadrática com o RMCA, com o máximo coincidindo em dietas de 16% de PB, indicando que conteúdos de PB superiores não apresentam nenhum benefício, e pelo contrário, incrementam a excreção de N (Wattiaux & Ranathunga, 2015).

O nitrogênio alimentar em excesso, excretado principalmente na urina das vacas, contribui para a poluição da água e para as emissões gasosas de N, que formam parte dos gases do efeito estufa (GEE) e que também acarretam problemas à saúde humana (Hristov et al., 2004; Hristov et al., 2019). Portanto, melhorias da eficiência alimentar não são necessárias apenas do ponto de vista nutricional e econômico, mas também do ponto de vista ambiental.

Nas últimas décadas foi visto que o manejo nutricional das vacas leiteiras se foca na obtenção de produtos com o menor impacto ambiental possível (Tamminga, 1992). As mudanças genéticas e ambientais (alimentação, conforto, manejo) que experimentam os sistemas de produção de leite impactaram positivamente a produtividade das vacas. A emissão de GEE (agrupados como equivalentes de CO2: medida que inclui o metano e outros gases emitidos durante o processo de produção leiteira) é menor, na medida que as vacas se tornam mais produtivas. Gerber et al. (2011) estimaram uma redução de 12 para menos de 3 kg de CO2, por cada kg de leite produzido, sempre que a produtividade ultrapassa os 2000 kg leite/vaca/ano. Um platô de aproximadamente 1,5 kg de CO2 equivalentes por cada kg de leite produzido, é atingido a partir da produtividade de 5000 kg leite corrigido/vaca/ano (Figura 3).

Relação entre a produtividade das vacas leiteiras e a emissão de equivalentes de CO2 por kg de leite produzido (Gerber et al., 2011)

Figura 3: Relação entre a produtividade das vacas leiteiras e a emissão de equivalentes de CO2 por kg de leite produzido (Gerber et al., 2011).

O desbalanço entre os aumentos de preços dos insumos e o leite produzido, além da necessidade de evitar a excreção desnecessária de nutrientes (desperdícios e polução ambiental), exigem a melhora do manejo alimentar. Embora a prática de redução do teor de proteína bruta da dieta e com isso, o menor uso das onerosas matérias primas proteicas, possa ser uma realidade, a mesma deve ser criteriosa e feita por um profissional, que apoiado em um modelo nutricional, evitará carências a nível ruminal, fornecerá o nível de proteína metabolizável requerido e balanceará adequadamente, caso seja necessário, os aminoácidos a serem absorvidos no intestino da vaca.

A metionina, além de ter funções na saúde e na diminuição do estresse oxidativo das vacas leiteiras, possui um papel fundamental na síntese de proteína do leite, pois é um aminoácido limitante e estimulador do processo. A Vetagro, em pareceria com a Farmabase, distribui o Timet® no território Brasileiro. O Timet®, é uma fonte de metionina protegida da ação do rúmen, de interessante relação de preço-biodisponibilidade.

Quer saber mais? Fale conosco! Clique aqui e acesse o site.

Referências disponíveis mediante solicitação.

 

Artigo original de Luis Depablos (luis.depablos@vetagro.com)

Este é um conteúdo da Vetagro.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint