FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Sanidade na criação de bezerras: do 2° aos 30 dias de vida - parte II de IV

POR VIVIANI GOMES

E CAMILA MARTIN

VIVIANI GOMES

EM 13/06/2016

11
1
Autoras do artigo:

- Viviani Gomes, Professora da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo
- Camila C. Martin, mestranda da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo 

Gecria – Grupo Especializado em Medicina Aplicada à Criação de Bezerras - Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia – Universidade de São Paulo.

1- Introdução

A gestão das doenças na criação de bezerras deve ser realizada por meio da elaboração de protocolos operacionais personalizados para as condições das propriedades, de acordo com reuniões e discussões entre produtor, veterinário e colaboradores. O treinamento de pessoal antes da implantação dos protocolos e a criação de métodos para o monitoramento constante dos procedimentos estabelecidos é fundamental para o sucesso do programa sanitário e atingimento dos desejados índices sanitários. Neste contexto, o artigo “Sanidade na Criação de Bezerras” pretende trazer ferramentas que ajudem na elaboração dos protocolos operacionais para a gestão de doenças à serem personalizadas de acordo com a realidade de cada produtor.

2- Falha na Transferência de Imunidade Passiva (FTIP)

A inadequada transferência de imunidade passiva torna a bezerra um fácil alvo para micro-organismos causadores de doenças. A FTIP não é considerada uma doença, porém é o principal fator de risco para as diarreias, inflamações umbilicais, artrites supurativas (séptica) e septicemias (Figura 1).

Bezerras que ingeriram quantidade insuficiente de colostro, foram colostradas tardiamente ou receberam colostro de má qualidade podem desenvolver falha na transferência de imunidade passiva. A FTIP também pode ser observada naqueles animais oriundos de partos trabalhosos (distocias), pois nascem deprimidos e podem apresentar dificuldades para ingerir o colostro no tempo adequado.

A FTIP deve ser detectada pela avaliação dos teores de proteína total no soro das bezerras entre 24 a 48 horas de vida. A avaliação da FTIP deve ser realizada no máximo na primeira semana de vida, pois as proteínas da dieta e a produção própria de anticorpos pelas bezerras pode mascarar a FTIP após o período especificado.

Para a análise, recomenda-se colher amostra de sangue em tubos sem anticoagulantes (tampa vermelha ou cor de tijolo). Deixar a amostra em temperatura ambiente até a coagulação do sangue e obtenção da fração líquida (soro). Deve-se pipetar uma gota de soro no prisma do refratômetro específico para proteína total. As bezerras com valores menores que 5,5 g/dL deverão ser consideradas com falha na transferência de imunidade passiva.

O refratômetro Brix usado para avaliar a qualidade do colostro também pode ser utilizado para avaliar a FTIP nas bezerras, sendo que 8,4% é o ponto de corte para definir a presença ou ausência da falha na transferência de imunidade passiva.

Figura 1 - Proteína total no soro de bezerras antes (D0) e após a ingestão do colostro nos dez primeiros dias de vida.



A prevenção da FTIP deve ser feita por meio do gerenciamento do manejo de colostro, conforme detalhado na parte I dessa sequência de artigos.

Figura 2 – Bezerra apresentando artrite, diarreia e inflamação umbilical decorrente de falha na transferência de imunidade passiva.



3 - Diarreias

A importância das diarreias no primeiro mês de vida é consensual e preocupa muito os produtores e técnicos envolvidos no controle desta doença. A diarreia resulta em perdas diretas com os custos vinculados ao diagnóstico etiológico e tratamento, além das perdas indiretas relacionadas à queda no ganho de peso, desenvolvimento retardado e redução na produção futura.

A ocorrência da doença relatada internacionalmente gira em torno de 20%, entretanto a realidade que enfrentamos no Brasil é bem diferente. Nossa equipe acompanhou um grupo de bezerras (n=20) no primeiro mês de vida, no qual foram observados pelo menos um episódio de diarreia em todos os animais avaliados. Todas as bezerras foram tratadas e nenhuma delas morreu de diarreia. Esta realidade tem sido constantemente relatada por produtores e técnicos: a ocorrência das diarreias é alta, porém a mortalidade pode ser baixa ou nula se os animais forem tratados adequadamente.

As bezerras crescem em ambiente uterino estéril, assim a colonização do trato gastrintestinal das bezerras inicia-se ao nascimento. Nos humanos, as bactérias boas (lactobacilos e bifidobactérias) dos bebês são oriundas do seu contato com as mães durante o processo de amamentação e cuidados gerais com os recém-nascidos. Ressalta-se que usar antibiótico nas mulheres no final da gestação impacta em menor proporção dessas bactérias no intestino dos recém-nascidos. Será que isto ocorre quando usamos antibiótico para vacas secas?

A separação das bezerras das vacas imediatamente após o nascimento e mamada artificial do colostro ao aleitamento pode contribuir para a colonização do intestino com bactérias ambientais, que possuem maior potencial para desequilibrar precocemente a flora intestinal. Esta dinâmica permite destacar que a higienização, desinfecção do ambiente, assim como a contaminação do colostro e/ou leite podem ser os principais fatores de risco para as diarreias nas bezerras recém-nascidas.

A maioria das fazendas que possuem bezerreiros em galpões lavam a estrutura do bezerreiro com água e detergente (amônia quaternária) e guardam a secagem para a passagem de cal com água usando um pincel. Por fim, deve-se enxaguar e aguardar a secagem das estruturas para o uso de vassoura de fogo. Não colocar as bezerras dentro das baias em contato direto com o cal em pó porque irrita muito as mucosas oculares e trato respiratório. Instalações de madeira são difíceis de higienizar, demoram para secar e inviabilizam o uso constante de vassoura de fogo. A frequência de higienização do bezerreiro é um problema porque geralmente é realizada apenas a remoção diária da cama suja dos animais e a higienização descrita anteriormente apenas na saída das bezerras das instalações. Difícil descrever um protocolo ideal porque dependerá muito da estrutura do bezerreiro e disponibilidade de cama, porém a meta é eliminar o máximo de sujeira possível.

Outros fatores de risco à serem destacados como fonte de contaminação são: presença de outros animais no bezerreiro como gatos e cachorros; higienização inadequada de utensílios como mamadeiras, baldes, sondas esofágicas; limpeza do uniforme dos funcionários, como botas, macacões; e higiene das mãos dos cuidadores das bezerras. Ressalta-se que todos os utensílios usados para a alimentação das bezerras devem ser lavados diariamente, de preferência após cada refeição, com água e sabão e enxaguados com água em abundância.

Outra questão importante que devemos pensar é qual o malefício versus benefício do uso de leite de descarte, porque o mesmo também pode influenciar no desenvolvimento da flora do intestino das bezerras recém-nascidas. Além de estimular a resistência das bactérias aos principais antimicrobianos (antibióticos) usados no tratamento de animais e humanos.

A entrada dos micro-organismos causadores de diarreias é a oral-fecal. Os agentes infecciosos envolvidos nas diarreias são as bactérias Escherichia coli, Salmonella sp. e Clostridium perfringens; os vírus Coronavírus e Rotavírus; e os protozoários Eimeria, Giardia e Cryptosporidium, além das verminoses.

A identificação do grupo etário acometido é o primeiro passo para a detecção do agente causal. Bezerras com idade inferior a cinco dias de vida são frequentemente acometidas por Escherichia coli enterotoxigênica; cinco aos 14 dias por Rotavírus, Coronavírus, Salmonella e Cryptosporidium; acima dos 14 dias e próximo ao desmame por Escherichia coli, Salmonella, Eimeria e Giardia (Mc GUIRK, 2008).

Estes micro-organismos penetram nas células intestinais (enterócitos) e promovem modificações na absorção da dieta e/ou hipersecreção que resulta nas diarreias. A destruição dos enterócitos acarreta na redução da digestão e diminuição do ganho de peso.

Independente do agente causal, os principais sintomas associados às diarreias são desidratação e redução na consistência das fezes. Diarreias causadas por Escherichia coli geralmente são aquosas e amareladas, podendo levar a fraqueza, desidratação e redução da temperatura corporal. Cryptosporidium, Rotavírus e Coronavírus causam diarreia com muco, febre e dores abdominais. A Salmonella causa diarreia líquida, fétida, com estrias de sangue e febre. Enquanto que a diarreia é enegrecida com a presença de sangue e muco pode ser observada nas Eimerioses.

Os escores da consistência fecal podem ser utilizados para ajudar na decisão quanto ao início do tratamento (Quadro 1).

Quadro 1 - Escala de escore de fezes de acordo com a sua consistência.



Figura 3 - Escores de fezes de acordo com a sua consistência.


Figura 4 - Bezerra com diarreia apresentando escore de fezes 3.



Os escore de fezes zero e 1 são considerados normais, não havendo necessidade de tratamento, no entanto animais que apresentam escore de fezes 2 e 3 estarão desidratados e devem ser tratados. A hidratação e reposição de eletrólitos (Na+, K+, Cl- e HCO3-) é a principal medida à ser instituída no tratamento das diarreias. Os animais devem receber soro com eletrólitos preferencialmente por via oral, deve-se manter a soroterapia até as fezes apresentarem escore zero ou 1.

Existem soluções eletrolíticas comerciais que podem ser diluídas em água morna, leite ou sucedâneo antes da sua administração, porém soluções contendo o bicarbonato de sódio não devem ser misturadas ao leite, pois aumentam o pH do abomaso e impedem a digestão das proteínas lácteas agravando os quadros de diarreia. Nestes casos o bicarbonato de sódio tem sido substituído pelo acetato de sódio nos hidratantes comerciais onde existe a indicação de misturar o produto com o leite e/ou sucedâneo.

As bezerras que apresentarem desidratação intensa e diminuição da temperatura corpórea ou extremidades (membros) devem receber soro endovenoso, principalmente porque perdem o reflexo de sucção.

Se o bezerro com diarreia apresentar-se muito triste, fraco, não aceitar o leite, apresentar dor (cólica) e febre (40ºC) recomenda-se a administração de antibiótico de acordo com as recomendações do médico veterinário responsável pela criação.

Em animais que apresentam diarreia enegrecida deve-se considerar o tratamento para Eimeria com agentes anticoccidianos como a toltrazurila. Em relação ao tratamento das diarreias ressaltamos que não existe a necessidade de suspender o leite porque a bezerra pode evoluir para a inanição se o caso for persistente. Outro mito é que o antibiótico é mais importante que o soro. Ressalta-se que a hidratação das bezerras deve ser realizada independente da causa das diarreias.

O uso de probióticos pode ter um efeito benéfico para o re-estabelecimento da flora intestinal após os episódios de diarreias. O probiótico atua como um biorregulador microbiano, que mantêm o equilíbrio da microbiota intestinal e ruminal, impedindo a colonização intestinal por agentes patogênicos. Não deve-se usar antibiótico e probiótico simultaneamente.

O conhecimento da etiologia da diarreia é muito importante para a elaboração de um plano preventivo da doença. Conhecer os agentes envolvidos pode auxiliar na melhor definição das fontes de infecção, locais em que os animais estão sendo expostos e principais fatores de risco, resultando em planos de tratamento mais eficazes e recomendações preventivas mais específicas para cada caso.

A vacinação das vacas no período pré-parto é uma medida importante a ser considerada na prevenção das diarreias. Esta estratégia visa o aumento na quantidade de anticorpos no colostro principalmente para micro-organismos causadores da diarreia neonatal (Escherichia coli, Rotavírus e Coronavírus). Ressaltamos que não adianta investir em vacinas se o programa de colostragem estiver inadequado. Aqui ressalta-se que quanto mais rápido for fornecido o colostro após o nascimento, menor será a ocorrência de diarreias. Os anticorpos do colostro revestem a mucosa do intestino formando uma barreira que impede a adesão dos micro-organismos patogênicos.

O esquema de vacinação preconizado contempla a aplicação de duas doses de vacina aos 60 e 30 dias do antes do parto previsto. A eficácia das vacinas deve ser comprovada pelas empresas que as comercializam. Os produtores e técnicos devem questionar a existência de testes clínicos que comprovem a eficácia do produto. Para a Criptosporidiose e Eimeriose a prevenção não é obtida com o auxílio de vacinas.

4 - Inflamações umbilicais

As inflamações umbilicais são consequências de falhas na colostragem e desinfecção umbilical, agravadas por pobres condições sanitárias. Os animais acometidos geralmente apresentam inchaço do umbigo, pele avermelhada, presença de secreção purulenta e dor. Ressaltamos que a região umbilical é composta por vasos (artérias e veia) que adentram o abdome e possui ligação com órgão internos como o fígado resultando na formações de abscessos nessas regiões. Além disso, as bactérias podem circular pelo organismos e instalar-se nas articulações e originar as poliartrites.

Figura 5 – A triagem das bezerras com problemas umbilicais pode ser feita pelo inchaço da região.

O tratamento das inflamações umbilicais pode ser feito de modo conservativo, com a limpeza local e uso de repelentes para evitar miíases. Os antibióticos podem ser associados ao tratamento de acordo com a recomendação do médico veterinário. Em casos extremos é recomendada a drenagem de abscessos ou realização de cirurgias quando as estruturas internas apresentarem-se acometidas.

O monitoramento periódico do umbigo, principalmente nos primeiros dias de vida, por inspeção e palpação, é fundamental para identificação precoce das inflamações umbilicais. A desinfecção do cordão umbilical, associada à higiene das instalações e à boa colostragem são as estratégias mais importantes para a prevenção das inflamações umbilicais.

5 - Conclusões

Este artigo reforça que a gestão das diarreias e inflamações umbilicais inclui a elaboração de protocolos de procedimentos padrão envolvendo higienização das instalações, manejo de colostro e gestão das doenças personalizados às propriedades. Este plano deve ser estabelecido pela equipe de trabalho que envolve produtor, veterinário e colaboradores envolvidos na criação das bezerras recém-nascidas. O monitoramento frequente destes protocolos e treinamento de pessoal são medidas extremamente importantes para a manutenção dos índices de produção e sanitários estabelecidos pela equipe.

6 - Referências bibliográficas

MCGUIRK, S. M. Disease management of dairy calves and heifers. Veterinary Clinics of North America, food animal practice, v. 24, n.1, p. 139-156, 2008.
 
Leia também:

Sanidade na criação de bezerras - do nascimento às 24 horas de vida - parte I de IV


 

VIVIANI GOMES

Professora Clínica Médica de Ruminantes da FMVZ-USP. Coordenadora GeCria - Grupo Especializado em Medicina da Produção aplicada ao período de transição e criação de bezerras. Tel: (11) 3091-1331

CAMILA MARTIN

Possui graduação em Medicina Veterinária pela Universidade Federal do Paraná. Residência na Clínica e Cirurgia de Ruminantes pela FMVZ-USP. Atualmente é mestranda na FMVZ-USP, área de Clínica Médica de Ruminantes,

11

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

VIVIANI GOMES

SÃO PAULO - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 22/01/2017

Henrique Dias Pinheiro



1. A distância recomendada de uma guia a outra é 3 a 4 metros. As bezerras ficam amarradas em uma corrente de 1,0 a 1,5 metros, além disso é necessária a distância de ao menos 1,0 metro entre os animais. O importante é que as bezerras não tenham contato entre si.



2. Preferimos que o fio de arame (guia) fixo no chão porque evita que as mesmas se enrosquem no fio.



Estas são as nossas sugestões



Abraços



Profa Viviani Gomes
HENRIQUE DIAS PINHEIRO

PIRACANJUBA - GOIÁS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 04/01/2017

Bom dia Viviani,



Estou montando um bezerreiro argentino, e gostaria de esclarecer algumas duvidas.

1- Qual a distancia de uma guia da bezerra ate outra?

2- Qual a melhor altura da guia? Rente ao chão ou cerca de 1mt. de altura?



Obrigado.
CLEITON VIEIRA MARQUES

GOIÂNIA - GOIÁS - REVENDA DE PRODUTOS AGROPECUÁRIOS

EM 25/10/2016

Bom Dia!



Turma, tenho 100 Toneladas de Sal Mineral 160 para vender. Recebi em um acerto que fiz com a Fábrica e se alguém interessar (62) 99980-0708 watsap, ou pelo e-mail induwolt@outlook.com,  Marca Nutrisal.
VIVIANI GOMES

SÃO PAULO - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 25/10/2016

Francisco Ferreira de Carvalho Sobrinho, bom dia!



Agradecemos pelos elogios! O meu email é viviani.gomes@usp.br

Fico à disposição para colaborar com o que for necessário



Abraços



Profa Viviani Gomes
VIVIANI GOMES

SÃO PAULO - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 25/10/2016

Alcidália, bom dia!



Recomendo a seguinte fórmula para a hidratação oral de bezerros:

NaCl = 3,22g

KCL= 1,12g

NaC2H3O2.3H2O= 4,76g (acetato de sódio trihidratado-  alcalinizante)

C6H12O6= 16,22g (dextrose)



Você deve pesar os sais e adicioná-los em 1 litro de água ou leite.



Abraços



Profa Viviani Gomes
JOSÉ CARLOS TEIXEIRA DOS REIS

ROLIM DE MOURA - RONDÔNIA - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 19/10/2016

Realmente a clareza nas orientações é o ponto alto...parabéns!!!
TARCISO CORDEIRO ENSÁ JUNQUEIRA VILLELA

SÃO LOURENÇO - MINAS GERAIS - INDÚSTRIA DE INSUMOS PARA A PRODUÇÃO

EM 15/09/2016

Prezadas, parabéns pela abordagem objetiva e clara nos artigos.

Gostaria de saber a opinião das autoras sobre boas práticas de higienização em bezerreiros coletivos onde a cama é material orgânico seco.



Desde já agradeço.
FRANCISCO FERREIRA DE CARVALHO SOBRINHO

JATAÍ - GOIÁS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 20/06/2016

Excelente essa matéria, eu sou produtor de Leite a 13  anos e gosto muito do que faço, portanto gostaria sempre de manter um contatos  com pessoas qualificadas com vocês por isso lhe peço que mande um hotmail para o hotmail que é fcocarvalho@livive.com.br. Obrigado!  
ALCIDALIA

PALMAS - PARANÁ

EM 17/06/2016

Parabéns pelo artigo!

Gostaria, se possível, de mais informações sobre fórmulas para hidratação dos bezerros.


VIVIANI GOMES

SÃO PAULO - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 15/06/2016

Olá Cleimar Batista de Paula! Ficamos felizes que gostou do nosso artigo. Você está certíssimo ... saber o que fazer é muito mais fácil do que colocar todos estes protocolos em prática. Entretanto, acredito que é possível "fazer o produtor entender" demonstrando resultados com diminuição nos índices de doenças com impacto na diminuição do custo e desempenho das bezerras.Muito obrigada por ler e gostar do nosso trabalho!!!
CLEIDIMAR BATISTA DE PAULA

GOIÂNIA - GOIÁS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 14/06/2016

Excelente artigo, muito bem escrito e super didático, parabéns aos autores. Lendo um artigo desses parece ser tão simples o manejo com bezerros mas fazer o produtor entender isso....