FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Os inoculantes para silagem são iguais?

POR THIAGO BERNARDES

THIAGO FERNANDES BERNARDES

EM 21/12/2015

1 MIN DE LEITURA

4
0
Inoculantes bacterianos são aditivos utilizados na confecção de silagens com o objetivo de corrigir alguma ‘falha’ que a cultura ensilada apresenta. As culturas podem não fermentarem adequadamente ou serem susceptíveis ao processo de deterioração aeróbia (quando são atacadas por mofos). Percebam que os problemas apresentados são distintos, o que nos remete a pensar que diferentes ‘ferramentas’ devam ser utilizadas para corrigir tais ‘falhas’.

A fermentação inadequada apresentada por determinadas culturas pode ser guiada por três grupos de microrganismos: as leveduras, os clostrideos e as enterobactérias. Desse modo, inoculantes com características distintas devem ser aplicados para poder controlar o problema de forma pontual, pois aqueles que controlam as leveduras não atuam contra clostrideos e enterobactérias.

A deterioração aeróbia, segunda fonte de perdas apontada anteriormente, é ativada por algumas espécies de leveduras (na maioria das vezes diferentes daquelas relacionadas a fermentação). Então, o inoculante deve apresentar especificidade contra tais microrganismos, pois após o aparecimento deles surgem os mofos finalizando o processo de deterioração. Por exemplo: A bactéria Lactobacillus buchneri é recomendada no controle da deterioração por ser muito efetiva contra leveduras e fungos filamentosos (mofos); contudo, não é efetiva no controle de clostrideos, por exemplo.

Para fixar um prego ninguém utiliza chave de fenda, pois há uma ferramenta denominada martelo para conduzir tal tarefa. Assim devemos fazer com os inoculantes bacterianos recomendados para a produção de silagens.

Para finalizar, lembrem-se que qualquer aditivo deve ser utilizado de forma estratégica, ou seja, somente quando algum problema existir. Pois é possível confeccionar silagens de alta qualidade sem o uso desses produtos. Lembrem-se também que para um inoculante ser eficiente vários fatores precisam estar em sintonia, tais como: dose a ser aplicada, homogeneidade com a forragem, condições ambientais no momento da aplicação e acima de tudo aquilo que discutimos neste texto: compatibilidade com o problema a ser enfrentado.

ARTIGO EXCLUSIVO | Este artigo é de uso exclusivo do MilkPoint, não sendo permitida sua cópia e/ou réplica sem prévia autorização do portal e do(s) autor(es) do artigo.

THIAGO BERNARDES

Professor do Departamento de Zootecnia da Universidade Federal de Lavras (UFLA) - MG.
www.tfbernardes.com

4

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

JOÃO LEONARDO PIRES CARVALHO FARIA

MONTES CLAROS - MINAS GERAIS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 04/01/2016

Atualmente, a simples utilização do inoculante é visto como o principal fator para corrigir as silagens mal feitas.

Muitos não se preocupam com a colheita no momento certo, compactação, vedação, tempo para fechar o silo, mas utillizam o inoculante como "salvador da pátria".

Não que sua utilização seja ineficiente, mas deve ser vista como um fator no conjunto de todas as outras ações.
EDMUNDO PEREIRA FURTADO

JUIZ DE FORA - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 01/01/2016

Caro prof.Thiago,gostaria de comprar literatura sôbre o assunto.Vou ensilar capineira do Capiaçu (lançamento Embrapa).Como saber a necessidade ou não do inoculante?Desde já agradeço a atenção. .Edmundo Pereira Furtado. Vassouras RJ
THIAGO BERNARDES

LAVRAS - MINAS GERAIS - PESQUISA/ENSINO

EM 28/12/2015

Caro Joaquim,

Jamais o odor alcoólico será adequado para a silagem. Quando isso ocorre é porque microrganismos indesejáveis predominaram durante a fermentação, o que reduz o valor nutritivo do alimento.

Qualquer silagem deve apresentar odor agradável sem haver predominância de odor alcoólico, acético ou pútrido.



Att,



Thiago Bernardes
DELCINO TAVARES DA SILVA

JOAQUIM TÁVORA - PARANÁ

EM 24/12/2015

Caro professor Thiago, Bom dia!

Sempre tenho ouvido de produtores rurais que trabalham com ensilagem que:" um produto final, para ser bom precisa apresentar cheiro de cachaça (alcólico). Não me lembro bem, mas, há alguns dias li que essa fermentação alcoólica não é adequada. Ela indica perda de qualidade nutritiva da ensilagem . O que disso é muito ou verdade?
MilkPoint AgriPoint