FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Combo: nova geração de inoculantes para silagens

POR THIAGO BERNARDES

THIAGO FERNANDES BERNARDES

EM 27/11/2017

1 MIN DE LEITURA

0
1
Inoculantes bacterianos são aditivos utilizados na confecção de silagens com o objetivo de reduzir perdas, corrigindo alguma ‘falha’ que o alimento tenha, tais como fermentação imprópria e susceptibilidade à deterioração. Atualmente, há 3 classes de inoculantes: i) os homofermentativos, ii) os heterofermentativos e iii) o combo.

Até meados da década de 90 havia no mercado somente a classe dos homofermentativos, produtos que contêm 2 ou 3 espécies que produzem preferencialmente ácido lático para potencializar a fermentação. Em 1999, surgiu a classe dos heterofermentativos, pois a bactéria Lactobacillus buchneri foi descoberta e passou a fazer parte dos produtos comerciais. Esta bactéria potencializa a produção de ácido acético, composto que é capaz de controlar leveduras e fungos (mofos), os quais causam deterioração quando a silagem entra em contato com o ar.

Nos últimos anos, surgiu a classe dos combos. As companhias colocaram em um único produto as bactérias homo e heterofermentativas. Essa associação tem a capacidade de reduzir as perdas durante a fermentação (fase da estocagem com o silo ainda fechado), bem como após a abertura do silo. Obviamente, este é um produto de custo mais elevado, uma vez que associa os dois tipos de bactérias. Exemplos de silagens que poderiam receber este tipo de aplicação: pré-secados, grãos úmidos, grãos reconstituídos e espigas.

Para finalizar, lembrem-se que qualquer aditivo deve ser utilizado de forma estratégica, ou seja, somente quando algum problema existir. Lembrem-se também que para um inoculante (qualquer classe) ser eficiente vários fatores precisam estar em sintonia, tais como:

i) Estocagem da embalagem em local fresco (geladeira, não freezer);
ii) Utilização do produto em até 24h após a abertura da embalagem ou produção da solução;
iii) Dose a ser aplicada (mínimo de 100 mil colônias/g de alimento);
iv) Evitar que o tanque de aplicação aqueça, evitando assim o aquecimento da solução;
v) Homogeneidade (mistura) com o alimento;
vi) Compatibilidade com o problema a ser enfrentado.

Aprenda a produzir silagem de forma eficiente, no curso online "Produção e utilização de silagens" apresentado pelo Dr. Thiago Fernandes Bernardes no EducaPoint.

Clique aqui e confira o conteúdo!
 

THIAGO BERNARDES

Professor do Departamento de Zootecnia da Universidade Federal de Lavras (UFLA) - MG.
www.tfbernardes.com

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint