FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

[Vídeo]: "o processo de sucessão familiar é uma das melhores formas de otimizar um negócio"

RAQUEL MARIA CURY RODRIGUES

EM 08/12/2017

4 MIN DE LEITURA

4
1
O que é preciso para garantir a permanência dos jovens no campo e, consequentemente, a sucessão familiar nas propriedades rurais? Essa é uma questão que tem preocupado produtores, empresas e especialistas ligados ao setor. Muitos jovens rurais não querem ficar no campo, preferindo mudar para a cidade.

Os principais motivos são a busca de oportunidades de emprego, além da mudança no padrão de vida, com maior facilidade de acesso aos meios de comunicação e à vida social urbana. Há também os conflitos familiares, que estimulam a preferência do jovem em prestar serviços em troca de um salário do que trabalhar dentro da propriedade - onde a remuneração pelo seu trabalho nem sempre é definida com exatidão.

A faixa etária da população do campo é alta e, com o passar do tempo e o envelhecimento dos pais, a tendência é que as propriedades sejam vendidas ou haja a transição da pecuária leiteira para outra atividade que demande menos mão de obra, como a pecuária de corte ou a silvicultura. A permanência do jovem no campo é também uma questão bastante complexa, pois envolve aspectos econômicos e sociais, já que é preciso que haja melhorias nos setores da saúde, educação e comunicação.

Sucessão não é sinônimo de herança, mas sim uma obra contínua de modernização do negócio da família. Então, nada mais natural do que planejar e organizar o formato no qual haverá uma transferência do comando do atual responsável para um dos possíveis sucessores.

Para homenagear fazendas leiteiras que têm um histórico familiar, o MilkPoint lançou neste ano de 2017 o Especial Sucessão Familiar. A ideia é entrevistar propriedades que deram certo e vêm se desenvolvendo ao longo de gerações. Nesta edição, trouxemos a história da propriedade pertencente à Família Júlia, localizada no município de Salto do Lontra/PR.

sucessão familiar

“Em 1989 adquirimos um sítio de 17 hectares. Cultivávamos feijão, milho e leite apenas para o consumo interno. Quando sobrava leite, nós fazíamos queijos e vendíamos para os queijeiros que passavam, porém, tínhamos um sonho em comum: produzir leite para a venda. Em 1992, em parceria com a Souza Cruz, passamos também a produzir fumo. Com a renda da agricultura, conseguimos investir no leite e fomos nos equipando aos poucos”, disse o pecuarista Vilmar Julia.

Vilmar passou a receber convites da Emater para participar de cursos e palestras sobre a atividade. Em 1994 comprou o 1º trator e - em 1995 - uma ordenhadeira. “Quando compramos a ordenhadeira, a produção diária era de 4 litros/dia e possuíamos 14 vacas em lactação. Já em 1996, adquirimos nosso primeiro carro. Em 1999 adquirimos mais 5 hectares de terra e em 2001 - em parceria com o Banco do Brasil - financiamos uma estrebaria e um tanque de expansão com acompanhamento da Emater”.

Hoje a produção da família Julia é de 950 litros/dia. O rebanho possui 106 cabeças com 48 vacas em lactação. A raça utilizada é a Holandesa e o sistema de criação semiextensivo, com os animais pastejando nos piquetes.

sucessão familiar

Sucessão familiar – o caso da família Julia

Atualmente, os dois filhos de Vilmar trabalham na propriedade e, para ele, o processo de sucessão familiar é uma das melhores formas de otimizar um negócio, não somente pela transição de gerações, mas também por todo o processo. “Me sinto muito orgulhoso em ter dois filhos trabalhando comigo e melhor ainda: dentro de um negócio familiar. Temos que ser parceiros dos nossos filhos, fazer as atividades juntos e inclusive, comemorar aniversários e outras festas em geral. Um dos segredos é deixar os seus filhos à vontade para decidirem qual atividade escolher e, se eles optarem pelo negócio familiar, precisam participar das decisões, afinal, fizemos um compromisso juntos”, destacou.

Com relação a resolução de conflitos e profissionalização da família, ele acrescenta que conflitos ‘existem nas melhores famílias’ mas uma boa formação – inclusive religiosa – contribui muito para todos compreenderem o que é certo e o que é errado. “Muitas vezes o silêncio fala mais do que o restante. Em outros desentendimentos, as reuniões diárias são bem-vindas, acompanhadas de um bom chimarrão. Assim, tudo se ajeita”.

Ele ressalta que nunca o valor capital deve sobrepor os valores familiares e a lida exige que todos cedam. “Não fique dizendo ao seu filho que a atividade rural é ruim ou que ela escraviza. Faça com que ele observe o crescimento da propriedade e relembre sempre as dificuldades do passado, festejando cada conquista. Também, dê a ele condições de retirar um tempo para se divertir”, completa.

Isomar Julia, um dos sucessores da família, também se sente muito orgulhoso em poder ajudar o pai e a família. “Também tenho muito orgulho em ser produtor rural. Trabalhei na cidade, não gostei muito e hoje no campo, as coisas mudaram muito, já que as tecnologias estão nos ajudando demais”.

sucessão familiar

Assista abaixo o vídeo gravado na propriedade da família Julia:

RAQUEL MARIA CURY RODRIGUES

Zootecnista pela FMVZ/UNESP de Botucatu e Coordenadora de Conteúdo do MilkPoint.

4

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MARCIO GREGÓRIO ROJAS DOS SANTOS

MARINGÁ - PARANÁ - ESTUDANTE

EM 11/12/2017

Ótima matéria! Além acredito muito na sucessão familiar dentro dos sistemas de produção, é preciso criar alternativas e oportunidades para os jovens continuarem na atividade leiteira, e melhorar a competitividade do setor. Parabéns!
MARITA GUAZZELLI

POÇOS DE CALDAS - MINAS GERAIS

EM 11/12/2017

Ótima matéria! O planejamento de sucessão familiar é fundamental para a continuidade da empresa rural. Infelizmente não tivemos a oportunidade de implantá-lo na propriedade da família devido aos problemas de relacionamentos pessoais. Lamentavelmente a propriedade que estava na família desde a década de 60 com um volume de 5400 litros de leite/dia foi vendida da noite para o dia por um valor extremamente baixo. Sucessão familiar é um assunto que merece estar em evidência para que não ocorram perdas irreparáveis como as nossas!
THIAGO ALEXANDRE SILVA

PINDORETAMA - CEARÁ - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 08/12/2017

Parabéns pelo excelente trabalho desenvolvido por vocês sobre sucessão familiar!!!!
LUIZ GOUVÊA LOPES JARDIM

SÃO PAULO - SÃO PAULO

EM 08/12/2017

Parabéns pela matéria. Fico feliz quando isso ocorre, pois, na verdade a vida no campo não é nada fácil, principalmente para o produtor de leite.

Luiz Jardim
MilkPoint AgriPoint