FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Quanto a mastite clínica afeta o desempenho reprodutivo de vacas leiteiras?

POR BRUNA GOMES ALVES

E MARCOS VEIGA SANTOS

MARCOS VEIGA DOS SANTOS

EM 20/05/2020

4
5

A despeito de esforços e estratégias adotadas para o controle e tratamento da mastite bovina, esta doença ainda é a que acarreta os maiores prejuízos na atividade leiteira. Além dos prejuízos diretos para o produtor de leite, pela diminuição da produtividade do rebanho e aumento dos custos de produção, a indústria leiteira e o consumidor final também são afetados. Nos casos clínicos da mastite, as perdas são percebidas com maior facilidade, uma vez que é facilmente mensurado o descarte de leite e os custos do tratamento das vacas doentes. Por outro lado, estimar as perdas associadas à mastite subclínica é uma tarefa mais complexa, pois a maior perda se dá pela diminuição da produção de leite, mas não é facilmente percebida.

De forma similar, a eficiência reprodutiva dos rebanhos é um dos fatores que impactam diretamente a lucratividade da atividade leiteira e está fortemente associada com o estado de saúde das vacas. Algumas pesquisas anteriores já comprovaram o efeito negativo da mastite clínica e subclínica sobre a eficiência reprodutiva. A mastite clínica já foi anteriormente associada com a diminuição da taxa de concepção, aumento do período entre o parto e a primeira inseminação, aumento dos dias em aberto (que vaca não está prenhe) e aumento das perdas gestacionais. Por outro lado, quando as vacas são diagnosticadas com mastite subclínica após uma inseminação artificial (IA), observou-se menores taxas de concepção.

Embora os estudos anteriores terem avaliado o efeito do tipo de mastite, pouco se sabe sobre os impactos negativos de acordo com os patógenos causadores de mastite sobre a reprodução. Para responder esta pergunta, foi realizada uma pesquisa recente no Brasil com o objetivo de investigar os efeitos dos diferentes patógenos causadores de mastite clínica sobre variáveis reprodutivas após a inseminação artificial (IA) em vacas leiteiras. O estudo foi realizado em 5 rebanhos com CCS abaixo de 400.000 cels/mL em 833 vacas, durante 24 meses de monitoramento. Foram coletadas amostras de leite nas vacas que apresentaram mastite clínica durante o período entre o parto e o primeiro diagnóstico de gestação.

De acordo com a patogenicidade do agente isolado na cultura microbiológica, as vacas foram agrupadas em:

  1. Controle, sem nenhum caso clínico no período
  2. Patógenos maiores (Staphylococcus aureus, Streptococcus agalactiae, Escherichia coli, Klebsiella spp. Mycoplasma spp. e Streptococcus ambientais)
  3. Patógenos menores (Staphylococcus coagulase negativa - SCN e Corynebacterium spp.)

Além disso, os agentes causadores foram classificados de acordo com a coloração de Gram, como Gram positivas (S. aureus, SCN, S. agalactiae, S. uberis ou S. dysgalactiae) ou Gram negativas (E. coli ou Klebsiella spp.). Os dados reprodutivos incluídos no estudo foram prenhez na primeira IA, perdas gestacionais (dos 30 aos 60 dias de gestação) e dias em aberto.

Os resultados desta pesquisa indicaram que a taxa de prenhez na primeira IA foi maior nas vacas sadias (32,6%), em comparação com as vacas com mastite causada pelos patógenos maiores (20,1%) e menores (26,2%). De forma similar, a taxa de prenhez foi maior nas vacas sadias (32,6%) em comparação com as vacas com mastite por Gram negativas (15,4%). As perdas gestacionais foram maiores nas vacas com patógenos maiores (22,2%) em comparação com o as vacas sadias (12,8%) e as com mastite causada por SCN ou Corynebacterium spp. (16,7%). Quando foi avaliada os agentes causadores de acordo com a coloração de Gram, as vacas com mastite por Gram-negativas (30,1%) apresentaram maiores perdas que as sadias (12,8%) (Figura 1).

Figura 1. Porcentagem das desordens reprodutivas de acordo com o tipo de patógeno   causador de mastite clínica (G+: Gram-positiva; G-: Gram-negativa)

influencia mastite na reprodução vacas leiteiras
Fonte: Adaptado de Dalanezi et al., 2020

As vacas sadias permaneceram menos dias em aberto (129,5), em comparação às demais (maiores: 175,1 e menores: 162), principalmente quando comparado com as vacas com mastite por bactérias Gram negativas (191,1). Em termos gerais, as vacas com mastite causada por bactérias mais patogênicas (patógenos maiores) tiveram desempenho reprodutivo pior em comparação com os demais grupos. Da mesma forma, as vacas que foram diagnosticadas com bactérias Gram-negativas apresentaram os piores índices de desempenho reprodutivo em comparação com as vacas com mastite por bactérias Gram positivas.

Figura 2 – Curva de sobrevivência da proporção de vacas vazias (0 a 300 dias em lactação, de acordo com o tipo de patógeno causador (letras A, B C indicam que as curvas são diferentes estatisticamente (P<0,05).

influencia mastite na reprodução vacas leiteiras
Fonte: Adaptado de Dalanezi et al., 2020

Os resultados deste estudo sugerem que os patógenos que causaram quadro leve ou moderado de mastite clínica tiveram menor impacto sobre a perda gestacional nas vacas prenhes. Entretanto, as vacas com mastite por bactérias Gram-negativas apresentaram maiores perdas gestacionais, o que pode estar ligado à liberação de componentes bacterianos na corrente sanguínea que podem levar ao rompimento do corpo lúteo (responsável pela manutenção da gestação) ou diretamente à morte do embrião. A presença desses compostos, principalmente dos lipopolissacarídeos (LPS), encontrados nas bactérias Gram-negativas, também podem explicar o aumento dos dias em aberto. Os LPS podem causar distúrbios nos tecidos reprodutivos, interferindo no desenvolvimento dos embriões e na produção de hormônios foliculares, o que resulta em diminuição da fertilidade das vacas. Desta forma, os resultados deste estudo reforçam a necessidade do correto diagnóstico da mastite clínica para definição de estratégias de controle e tratamento adequadas, o que pode reduzir prejuízos da mastite sobre a eficiência reprodutiva.

Fonte: Dalanezi et al., Journal of Dairy Science, 2020

Gostou do conteúdo? Deixe seu like e seu comentário! Quer escrever para nós? Envie um e-mail para contato@milkpoint.com.br.

MARCOS VEIGA SANTOS

Professor Associado da FMVZ-USP

Qualileite/FMVZ-USP
Laboratório de Pesquisa em Qualidade do Leite
Endereço: Rua Duque de Caxias Norte, 225
Departamento de Nutrição e Produção Animal-VNP
Pirassununga-SP 13635-900
19 3565 4260

4

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MARI GIACOMOLLI

IBIRUBÁ - RIO GRANDE DO SUL - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 21/05/2020

Muito aproveitável o texto,realizo culturas bacteriologicas na minha propriedade,portanto posso fazer avaliações mediante estás informações,gostei ..
MARCOS VEIGA SANTOS

PIRASSUNUNGA - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 22/05/2020

Obrigado pelo comentário, atenciosamente, Marcos Veiga
JAN VAN DEN BROEK

PARANAPANEMA - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 20/05/2020

Seria interessante aumentar a pesquisa e verificar resultados levando em conta diferentes tratamentos para bacterias gram negativas.
MARCOS VEIGA SANTOS

PIRASSUNUNGA - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 22/05/2020

Obrigado pelo comentário, atenciosamente, Marcos Veiga