FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Os outros benefícios da terapia da vaca seca

POR BRUNO BOTARO

E MARCOS VEIGA SANTOS

MARCOS VEIGA DOS SANTOS

EM 16/07/2008

3
0
O período seco é uma necessidade fisiológica para a vaca leiteira e tem relação direta com a saúde da glândula mamária, a produção de leite e a prevenção de doenças em geral. Durante esse período, ocorre completa involução da glândula, a qual, posteriormente, sob influência hormonal do final da gestação e do parto, reinicia a síntese de leite.

Essa fase representa também uma excelente oportunidade para o tratamento das mastites subclínicas existentes e para a prevenção de novas infecções no período seco, que afetam direta e negativamente a produção leiteira da próxima lactação. Apesar da importância do período seco para a vaca leiteira, muitos produtores e técnicos, por desconhecimento, não aplicam nessa fase uma das principais estratégias para o controle de mastite, a terapia de vaca seca, que se baseia na infusão intramamária de antibiótico de longa ação específico para esse fim, em cada quarto do úbere, após a última ordenha do animal, geralmente, aos 60 dias antes do parto.

Recentemente, os benefícios já comprovados da terapia da vaca seca em animais de aptidão leiteira também foram avaliados em vacas destinadas ao corte. Em um experimento conduzido nos EUA, pesquisadores demonstraram os efeitos do uso da terapia da vaca seca no momento da secagem de vacas de corte sobre a cura das infecções intramamárias existentes, e o impacto desse tratamento sobre o desenvolvimento dos bezerros na lactação subseqüente.

Para isso, a equipe selecionou 196 vacas multíparas das raças Angus e Angus X Hereford, submetidas à mesma alimentação, e mantidas com seus bezerros, da parição ao desmame. Aleatoriamente, 99 animais receberam tratamento intramamário com antibiótico para vaca seca a base de penicilina G procaína e novobiocina (grupo "tratamento") e 97 não foram tratadas (grupo "controle") e, para efeito de cálculo, VACAS e QUARTOS individualmente, foram considerados como unidade de avaliação.

Na última ordenha, a equipe coletou amostras de leite dos quartos de todos animais para determinar a CCS e a ocorrência ou não de infecção intramamária, sendo que após isto, as vacas do grupo "tratamento" receberam a infusão intramamária. Posteriormente, 8 a 14 dias após a parição, mais amostras de leite dos quartos foram coletadas, e seus bezerros pesados mensalmente, do nascimento ao desmame.

Foi observado que 28,8% das vacas e 10,9% dos quartos estavam com mastite subclínica no momento da secagem. De acordo com os pesquisadores, o status sanitário da glândula mamária à secagem não influenciou a resposta ao tratamento, e o uso de antibiótico de longa ação, de forma geral, reduziu significativamente o número de vacas infectadas na parição subseqüente, conforme se observa no Quadro 1.

Quadro 1: Número de vacas e quartos mamários que apresentavam mastite no momento da secagem e que apresentaram cura ou desenvolveram nova infecção após o parto. (Adaptado de Lents et al., 2008)


Médias de uma mesma unidade considerada (Vacas ou Quartos), que possuam letras sobrescritas diferentes (a ou b) são estatisticamente diferentes umas das outras.
²Curadas: Número de vacas ou quartos que, ao parto, não tiveram mastite e, na data da secagem, apresentavam mastite.
²Desenvolvidas: Número de novas infecções desenvolvidas durante o período seco.

Das vacas e dos quartos com mastite, respectivamente, 20,6% e 7,0% estavam infectados com Staphylococcus sp. coagulase-negativo no momento da secagem, 8,1% e 2,7% com Staphylococcus aureus e, 7,1% e 2,7% infectados com Corynebacterium bovis. Em função da bactéria isolada no momento da secagem, os pesquisadores observaram efeitos diferentes do tratamento da vaca seca sobre os animais e quartos mamários no início da lactação subseqüente.

O tratamento da vaca seca reduziu o número de vacas e quartos infectados com Staphylococcus sp. coagulase-negativo, mas não aqueles animais e tetos acometidos por S. aureus. Já os animais e quartos mamários em que foram identificados C. bovis no momento da secagem, retornaram à lactação sem a bactéria. Devido a tal fato, pôde-se concluir que o sucesso da terapia da vaca seca esteve na dependência direta da bactéria que causava a mastite na ocasião da secagem.

Relacionando as bactérias encontradas com a quantidade de células somáticas produzidas pelos animais, os pesquisadores verificaram que a terapia da vaca seca não foi efetiva em diminuir a CCS média dos animais recém-paridos infectados com S. aureus. Já na avaliação de quartos individuais, a terapia de vaca seca reduziu a CCS em quartos infectados por outros patógenos, especificamente C. bovis e Staphylococcus sp. coagulase-negativo.

Além disso, considerando que os efeitos deletérios da mastite sobre a produção de leite é conhecido em vacas leiteiras, foi avaliado o impacto do tratamento da vaca seca sobre o ganho de peso dos bezerros. Os resultados indicaram uma interação significativa entre a terapia de vaca seca, o status sanitário da glândula mamária e o ganho de peso do bezerro durante a lactação subseqüente. O peso dos bezerros aos 110 dias de idade foi similar entre os animais do grupo "tratamento" e "controle". Entretanto, o peso dos bezerros foi maior para vacas diagnosticadas com mastite e que foram tratadas com antibiótico na secagem.

Por fim, os pesquisadores observaram que vacas que haviam sido tratadas, mas que secaram sem mastite subclínica, criaram bezerros mais pesados na lactação posterior, o que possibilitou dar suporte à hipótese de que a terapia de vaca seca diminui a incidência de mastite e permite aumentar o peso dos bezerros ao desmame, uma vez que as vacas não têm a produção de leite afetada pela infecção, conforme pode-se observar no Quadro 2.

Quadro 2: Médias de peso de bezerros (ajustadas para 205 dias de idade) na lactação subseqüente de mães do grupo "controle" e "tratamento" que apresentaram mastite à secagem. (Adaptado de Lents et al., 2008)


Médias de um mesmo grupo considerado (Controle ou Tratadas), que possuam letras sobrescritas diferentes (a ou b) são estatisticamente diferentes umas das outras.

Sendo assim, a estratégia de administração do antibiótico intramamário de longa ação em vacas de corte no momento da secagem reduziu a incidência de infecções intramamárias na lactação subseqüente, além de possibilitar maior peso aos bezerros.

Fonte: Lents et al. Journal of Animal Science, 2008. Santos & Fonseca. Estratégias para o controle de mastite e melhoria da qualidade do leite, 2006.

MARCOS VEIGA SANTOS

Professor Associado da FMVZ-USP

Qualileite/FMVZ-USP
Laboratório de Pesquisa em Qualidade do Leite
Endereço: Rua Duque de Caxias Norte, 225
Departamento de Nutrição e Produção Animal-VNP
Pirassununga-SP 13635-900
19 3565 4260

3

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

LUCAS LOURES TAVARES

JUIZ DE FORA - MINAS GERAIS - ESTUDANTE

EM 20/07/2008

Dr. Marcos, gostaria de saber se o custo do tratamento com injeções intramamárias não é maior que o lucro que se tem com a desmama do bezerro mais pesado, visto que tudo que buscamos é reduzir custos e aumentar a produtividade da fazenda.

<b>Resposta do autor</b>

Prezado Lucas Loures Tavares,

Considero que o tratamento de vaca seca é um investimento que todo produtor deve fazer em todas as vacas no momento da secagem, uma vez que atua na prevenção de novas infecções e na cura das mastites subclínicas existentes, que em muito rebanhos é bastante elevada.

Em relação a sua pergunta, o momento mais adequado para a secagem é essencialmente uma questão de manejo e envolve sim essa avaliação econômica em cada rebanho, mas acredito que não haja relação direta entre o custo do tratamento para vaca seca e o momento da secagem. Independentemente de quando a vaca terá a secagem, eu recomendaria a terapia de vaca seca.

Atenciosamente, Marcos Veiga
PAULO LUÍS GONÇALVES CAMPELO

BELO HORIZONTE - MINAS GERAIS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 17/07/2008

Parabenizo o Dr. Bruno Botaro pela brilhante contribuição à Pecuária Leiteira.

Informações como essa são de extrema importância para os pecuaristas, os quais se encontram diante de um quadro em que a sua sobrevivência na atividade depende da criação de animais de maior padrão genético como forma de aumentar a eficiência produtiva e, nessa situação, a perda de um animal devido a um descuido desse por falta de informação é passaporte para o insucesso.

Um grande abraço e muito sucesso em suas pesquisas.

<b>Resposta do autor</b>

Dr. Paulo Luís Gonçalves Campelo,

Agradeço pelo elogio e considero sua observação com enorme relevância, uma vez que, realmente, precisamos integrar os elos de toda cadeia produtiva para viabilizar o sucesso de todos, e a informação é um dos fatores que dá condições ao fortalecimento de todos esses elos.

Um abraço, Bruno Botaro
GABRIELA WESTIN

POÇOS DE CALDAS - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 16/07/2008

Marcos, gostaria de uma informação: a terapia VS funciona também no caso de infecções causadas por fungos e algas?

Pois tenho uma vaca <i>phototeca sp</i> e ninguém sabe o que fazer pra me ajudar, não sei o que fazer. Espero que você possa, obrigado.

Gabriela

<b>Resposta do autor</b>

Prezada Gabriela Westin,

Infelizmente, ambos os agentes causadores (Prothoteca e leveduras) são muito difíceis de tratar por qualquer tipo de terapia (lactação ou
vaca seca). No caso da Prothoteca a recomendação geral é o descarte do animal ou então a secagem permanente do quarto afetado (com solução de
iodo 10%, a mesma que se usa para cura de umbigo).

Nesse caso, o quarto não produzirá leite para o restante da vida do animal, mas pode-se preservar a vaca com os demais quartos, caso seja de interesse
do proprietário. O mesmo se aplica para leveduras, que pode ter alguma chance de cura com produtos antifúngicos (nistatina, cetocanozol), mas a grande preocupação seria quanto a origem desses casos de mastite, o que podem estar relacionados com higiene precária (falta de limpeza) no momento do tratamento intramamário de casos de mastite.

Atenciosamente, Marcos Veiga