FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Macrotendências de consumo: o que muda com a pandemia?

KENNYA SIQUEIRA

EM 27/04/2020

4 MIN DE LEITURA

0
2

Quando comecei a escrever o artigo do mês passado, pouco se falava sobre a pandemia do novo coronavírus no Brasil. Então, a ideia era discutir, naquele e nos próximos meses, as tendências de consumo de leite e derivados para 2020 e os próximos anos. As grandes macrotendências levantadas pelos institutos de pesquisas internacionais eram:

  1. Fragmentação do mercado;
  2. Porções individuais e
  3. Envelhecimento da população.

No mês passado foi abordada a fragmentação do mercado e formação de tribos com diferentes objetivos e filosofias de vida. Esse mês será discutido o aumento das porções individuais, devido ao aumento do número de pessoas morando sozinhas. Estudiosos dizem que viver sozinho é uma opção de vida que ganhou muitos adeptos no Brasil, nos últimos anos. De acordo com o IBGE, de 2005 a 2015, a quantidade de pessoas que vivem sozinhas saltou de 10,4% da população para 14,6%, chegando a mais de 10,4 milhões de pessoas.

É interessante notar que nesta fatia da população não se encontram apenas jovens solteiros. Os dados do IBGE mostram que 44,3% dos que vivem sem companhia são idosos que decidiram, por conta própria, viver sozinhos, em busca de maior liberdade. Esse estilo de vida geralmente vem acompanhado de uma renda confortável e de qualidade de vida. Portanto, os adeptos desse comportamento podem pagar mais caro por produtos que consideram premium, saudáveis e funcionais. Neste quesito, os lácteos podem ser bem aproveitados. Embalagens reduzidas de iogurtes, leites fermentados, bebidas lácteas, dentre outros são atrativas para este público que pode pagar mais por conveniência e saúde.

No entanto, essa macrotendência contrasta com a preocupação com o desperdício. Ou seja, existe um trade-off entre fazer porções individuais e aumentar a quantidade de embalagens descartadas no meio ambiente. Para as tribos que se preocupam com sustentabilidade e conservação ambiental, isso realmente pode pesar na consciência. No entanto, existem tribos que estão mais preocupadas com a praticidade e conveniência. Neste contexto, a fragmentação do mercado volta a ser relevante, já que atenderá melhor à demanda, a empresa que identificar melhor a tribo a que seu produto se destina.

A última macrotendência refere-se ao envelhecimento da população, tanto a mundial quanto a brasileira. As projeções do crescimento do número de idosos já vêm provocando preocupação nos sistemas de previdência pública de vários países. Em 2017, o número de idosos no Brasil chegou a 30 milhões, o que representa um crescimento de 18% em relação a 2012. O IBGE estima que este número chegue a 58,2 milhões em 2060, correspondendo a 25,5% da população do País. Mas esse envelhecimento da população também representa possibilidades de venda para muitos segmentos, pois essa população quer envelhecer com saúde. Neste sentido, a busca por produtos que promovam a saúde mental e muscular e dietas como a ayurvedica, estariam em alta.

Mas, como ficam essas macrotendências com a chegada do novo coronavírus no mundo? É interessante notar que, aqui no Brasil, as duas macrotendências estão muito relacionadas ao público idoso. Ironia do destino ou não, essa é a parcela da população que corre mais riscos no momento. Assim, esses idosos, e boa parte da população brasileira, no início da pandemia direcionaram suas compras para itens básicos e de fácil estocagem. De acordo com pesquisa da Fundação Getúlio Vargas, quase 80% dos consumidores estão comprando apenas produtos essenciais. Mas produtos saudáveis, funcionais e que aumentam a imunidade ainda estão sendo demandados.

Com a população em quarentena nas suas casas, o hábito de cozinhar voltou à tona e os lácteos que são consumidos em receitas, como leite fluido, creme de leite, leite condensado etc. ocuparam espaço nas compras dos brasileiros. Produtos com apelo de indulgência, como o leite condensado, por exemplo, também tiveram aumento de consumo. Aumentaram também os posts nas redes sociais, falando sobre estes produtos.

Mas, agora, já passado o susto inicial, as compras mudaram um pouco. Os brasileiros pararam de fazer estoques e as compras de leite UHT e leite em pó voltaram ao normal. Com alguns estados e cidades já estão voltando a sua rotina e com as estimativas de que outras regiões retomem as atividades em maio, o consumo deve se modificar novamente. A magnitude da mudança vai depender da progressão da doença e amplitude da crise econômica, já que os lácteos são produtos muito afetados pela renda da população.

Mas, e como ficam as tendências anteriores? É o fim para elas? Acredito que não. A pandemia é como uma onda que modificou um pouco o curso das coisas. Mas, mais cedo ou mais tarde essa onda passa, e a civilização continua o seu ritmo. Talvez, com algumas mudanças que podem se prolongar, como, por exemplo, a preferência por produtos locais e regionais ao invés de globais. No entanto, a busca por saúde, bem-estar e alimentos funcionais, que já vinha forte nos últimos anos, também deve permanecer. Além disso, as pessoas devem continuar morando sozinhas e o envelhecimento da população também permanecerá. Assim, as tendências ligadas a estas macrotendências (porções menores, produtos para saúde mental e aumento de imunidade, etc) devem se restabelecer no médio prazo.

Leia também: 

MilkPoint Experts: as pessoas continuam comendo, mas como o coronavírus impactou os hábitos?

KENNYA SIQUEIRA

Pesquisadora da Embrapa Gado de Leite

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.