FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Aperte o cinto, vamos decolar!

A pecuária de leite está passando por um momento de ajustes, sonhados por uns e odiados por outros. O mais interessante deste momento é que as normativas estão sendo defendidas por boa parte dos produtores, isto quer dizer que a mentalidade deles mudou, evoluiu e o próprio produtor sabe da importância de uma legislação específica para a qualidade do leite.

Nos Estados Unidos quem criou as regras e as BPA (Boas Práticas Agropecuárias) foram os agricultores, conscientes da necessidade de se oferecer um produto de primeira. “Qualidade da origem”: eles (produtores) batem no peito e dizem. “Deixem para nós a origem e a qualidade, pois nós somos os maiores interessados em criar procedimentos para nós mesmos seguir”.

Na Nova Zelândia lá por volta de 1975 a consciência de que qualidade tinha que ser prioridade tomou conta da cadeia e eles balizaram a CBT (Contagem Bacteriana Total) em 50 mil, reconhecendo que "leite cru ruim é um limite ao crescimento”.

No Brasil já não é de hoje que se tenta criar uma instrução normativa para o leite, porém, ela enfrentava resistência dos produtores. Mas antes tarde do que nunca! Em 2019 estamos vendo um movimento diferente, no qual os produtores estão preocupados em ver as regras em vigor. Isso nos anima, pois mesmo nós estando alguns anos atrás dos demais, estamos seguindo o mesmo caminho.

E se a iniciativa vem da base (produtor) ela vem forte e vem para ficar. Então apertem os cintos que vamos decolar em qualidade e possivelmente em exportação! 

FABRÍCIO NASCIMENTO

Produtor de leite em Jóia, Rio Grande do Sul, e palestrante.

15

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

ROSANE

SEROPEDICA - RIO DE JANEIRO - PESQUISA/ENSINO

EM 04/06/2019

Já passou da hora da pecuária de leite avançar, assim como a avicultura e a suinocultura passaram por estas mudanças. Acho que o futuro é por ai.
WAGNER OLIVEIRA SOUZA

SANTO ANTÔNIO DE PÁDUA - RIO DE JANEIRO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 04/06/2019

Acredito ser este o caminho.
JAIR DA SILVA MELLO

IJUÍ - RIO GRANDE DO SUL - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 02/06/2019

Isso aí Fabrício, os produtores profissionais sobreviverão e crescerão na atividade! Será um divisor de águas!
Belo artigo. Abraço!
JONAS N. SILVA

BITURUNA - PARANÁ - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 02/06/2019

Ja era hora.. Visto que qualidade não honera em nada o produtor, aliás, so trará benefícios tanto para produtores, indústrias e consumidores..
MURILO ROMULO CARVALHO

CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 02/06/2019

Um produto de qualidade abre fronteiras para o consumo interno e também pode abrir para exportações. Os mais interessados devem ser mesmo os produtores!
RAMON

CARAMBEÍ - PARANÁ

EM 02/06/2019

O difícil é mudar a mentalidade do povo brasileiro para consumir um produto de qualidade e ter o conhecimento de quanto é árduo para se produzir um leite bom!
ANTONIO CLAUDIO ANALIO

TAUBATÉ - SÃO PAULO

EM 01/07/2019

É verdade meu amigo...o consumidor ainda vai pela oferta mais barata e sem qualidade...
JUAREZ MALTA TEIXEIRA

ALPINÓPOLIS - MINAS GERAIS - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 02/06/2019

Que a IN 76 e IN 77 veio para ficar e melhor isto não estão questão, temos fazer nossa parte, porém não sei se todos tem conhecimento, mais foi lançado o Guia orientativo para a elaboração do Plano de qualificação de fornecedores de leite - PQFL em maio de 2019 e no item da Gestão da propriedade reza: Nesse sentido deve-se estimular o produtor a se comprometer a anotar eventos econômicos e
zootécnicos ocorridos dentro da propriedade, sendo que para isso devem ser disponibilizados
formulários/planilhas/sistemas. Os eventos econômicos e zootécnicos registrados na propriedade deverão
ser compilados pelo técnico responsável para a obtenção dos índices e indicadores que nortearão a atuação
técnica na propriedade. Os dados deverão permitir a mensuração dos indicadores zootécnicos ligados à
qualidade do leite, eficiência produtiva do rebanho, desempenho da reprodução, eficiência no uso da terra,
estruturação do rebanho, receitas, despesas, custo operacional efetivo, custo total, fluxo de caixa,margens
entre outros.
A adoção das Boas Práticas Agropecuárias esbarra, com frequência, na percepção, por parte dos
produtores, de que elas não são importantes, ou de que exercem baixo impacto no resultado final do
sistema de produção; devendo o Plano de Qualificação dos Fornecedores ter como ponto de partida o
estímulo à tomada de consciência e o desejo de mudar a realidade por parte dos produtores. Ai vem a pergunta é legal e ético o produtor rural abrir sua posição financeira para as indústrias de laticínios ou cooperativas , de posse destas informações todos irão controlar qual valor irá pagar para o produtor, se for verificado que o produtor esta tendo retorno financeiro na atividade ai as indústria irá jogar o preço do leite para baixo, irá manipular o preço do leite, nestes termos será que é legal o produtor aceitar isto, será que os sindicatos de produtores rurais irá se calar e aceitar, temos buscar soluções e não aceitar , estou abrindo a jogo , aguardo orientação , tentarei colocar a disposição de todos por meio da Milkpoint a integra deste guia
EDIVALDO DANTAS

UBERABA - MINAS GERAIS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 31/05/2019

Parabéns para a iniciativa da normalização, porém a outros seguimentos que tendem a seguir as mesmas regras. Ex: logística.
JUAREZ CORRÊA

EM 31/05/2019

Qual é o retorno para os produtores? Receber 1 a 1.20:por litro de leite. para se produzir um leite de qualidade têm custo. E não é barato. A indústria vai pagar?
LEONARDO SALLES ESTEVES DA COSTA

MARINGÁ - PARANÁ - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 31/05/2019

Quem vai pagar é o mercado. Com mais rigor, haverá menos leite no mercado. Com menos leite, o preço sobe. Com preços melhores, a qualidade pode ser paga. É um ciclo que alguém tem que iniciar.
FABRÍCIO NASCIMENTO

CRUZ ALTA - RIO GRANDE DO SUL - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 31/05/2019

Juarez obrigado por o comentário!
O retorno do produtor está ligado a qualidade, no caso da CCS, quanto mais baixa mais a vaca vai produzir.
Isso sem falar na satisfação de entregar um alimento saudável para o consumidor
.
EM RESPOSTA A LEONARDO SALLES ESTEVES DA COSTA
FABRÍCIO NASCIMENTO

CRUZ ALTA - RIO GRANDE DO SUL - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 31/05/2019

Leonardo obrigado por o comentário, uns quantos ja iniciaram este ciclo, agora vai ser ainda mais concretizado.
FERNANDO LOCATELLI

EM 31/05/2019

Para mim e questão de consciência limpa , estou a 2 anos trabalhando para estar dentro das normas , é caro ! é , mas nada melhor do que ter a certeza que estou vendendo leito nada mais alem de leite . No ultimo ano tive uma média de 8 em CBT e 112 em CCS Não é imposivel .
EM RESPOSTA A LEONARDO SALLES ESTEVES DA COSTA
ANTONIO CLAUDIO ANALIO

TAUBATÉ - SÃO PAULO

EM 01/07/2019

O leite no mercado já esta caro..R$ 3.35 o litro leite c ..hj o produtor de leite teria que estar recebendo em torno de 60%do preço final. Um copo de coalhada de 200ml custa 1.45