FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Gerenciamento de índices em fazendas: ordenha e qualidade do leite

POR COWTECH - CONSULTORIA E PLANEJAMENTO

COWTECH

EM 03/06/2015

18
1
Quando pensamos em produção de leite eficiente e rentável, o que se passa na cabeça de um produtor? Leite! Muito leite, como sinônimo de rentabilidade. Correto! Essa abordagem é verdadeira? Direcionar esforços somente para aumento do volume produzido é, de fato, o caminho para o sucesso? A busca por boas médias de produção individual, no caso de sistemas confinados ou elevadas taxas de lotação em sistemas a pasto são indicadores importantes de eficiência produtiva. No entanto, a produção de leite eficiente para ser alcançada depende de uma avaliação global e conjunto de medidas. Ninguém é eficiente em produção de leite só porque alimenta bem seus animais, só oferece bom conforto ou qualquer outra prática favorável ao bem estar animal. Para alcançarmos o máximo, em termos de produtividade, é necessário inserir a vaca dentro do sistema de produção proposto e direcionarmos nossos esforços para garantirmos: boa nutrição, bom manejo alimentar e bom conforto, promovendo um consumo efetivo e retorno ao investimento. Tão importante quando a tríade: nutrição-manejo-conforto são os cuidados direcionados para a produção de leite com qualidade. Infelizmente e, de forma errada, muitos produtores encaram a qualidade do leite como um esforço “secundário” dentro na atividade sem perceber que produzir leite de qualidade não é uma necessidade para “atendermos demanda da indústria e lacticínios”, mas sim a forma mais inteligente e eficiente de explorarmos a glândula mamária das nossas vacas. Uma vaca sadia, com baixos índices de contagem de células somáticas (CCS/mL) implica numa “fábrica” em pleno funcionamento e rendimento para ser viável economicamente.

Devemos entender duas situações distintas: a qualidade do leite em termos de saúde animal e qualidade do leite em termos de saúde humana (consumo). Quando abordamos a saúde das nossas vacas devemos pensar em baixa contagem de células somáticas (CCS/mL) como meta. Quando pensamos em leite de qualidade para consumo humano devemos direcionar esforços para uma baixa contagem bacteriana total (UFC/mL). Esta reflete as condições de higiene das instalações, ordenha e existência (ou não) de boas condições de armazenamento e refrigeração porteira adentro.

A prerrogativa, de muitos produtores, da ausência de investimentos e maiores esforços em se produzir um leite de qualidade é a falta de programas de pagamento por qualidade, falta de remuneração adicional por litro satisfatória ou mesmo a dificuldade de obtenção de índices prepostos. "Ah, estes índices são muito difíceis de serem alcançados..” é uma frase que escutamos muito. Esta abordagem está correta? Em termos. Existem bom programas de remuneração por qualidade, enquanto que outros não são tão bons, de fato. Todavia, associar qualidade do leite à incentivos no pagamento por litro, como estímulo, e receita para o sucesso é uma abordagem muito errada! Devemos trabalhar a questão da qualidade do leite sempre, pois toda vaca eficiente produz leite de qualidade! Não existe uma vaca rentável com índices negativos em termos de CCS/mL, por exemplo. A tabela abaixo ilustra nosso raciocínio:

Tabela.1 - Perdas estimadas (%) causadas por mastite

Fonte: Adaptado de Philpot e Nickerson, 1991, citado por Fonseca & Santos, 2000.

Logo é preciso, compreender que uma CCS entre 340 a 500 mil CCS/mL, por exemplo, afeta a capacidade produtiva da glândula mamária entre 8 a 18% (de acordo com os dados acima), ou seja, praticamente 20% da sua produção diária, se arredondarmos valores. Em outras palavras, seria o mesmo afirmar que uma vaca com 400 mil CCS/mL não é um problema para a fazenda de leite... Não é?! Vejamos. Este número pode representar uma perda média de cerca de 15% da produção diária de uma vaca! (ou rebanho se esta for a média do tanque). Pode não ser um problema para a IN 62, que determina CCS mínima de 500 mil/mL, mas para o bolso do produtor pode ser bastante significativo, sim! Tomando como exemplo, um rebanho com média de 25 L/vaca/dia, com aumento nos índices de CCS e níveis que impliquem na redução de produtividade nessa magnitude (15%), essa média cairia para cerca de 21 litros (redução de 4 litros/vaca/dia). Considerando um rebanho de 100 vacas em produção, e um preço recebido de R$1,10/L, seriam 400 litros de leite a menos por dia, R$440,00 ou R$13.200,00 a menos por mês. Nessa análise, não estamos levando em consideração o adicional por qualidade que o produtor poderia receber se conseguisse trabalhar com bons índices (o que está deixando de receber). Vejamos a simulação, abaixo:

Tabela.2 – Índices comparativos hipotéticos de qualidade do leite:
A Tabela.2 compara duas propriedades com produções iguais, mas com médias de produção diferentes, afetadas pela CCS média do rebanho. Partindo do pressuposto de que os sistemas de produção são muito semelhantes em termos de potencial de produção e custos, é possível verificar o impacto significativo da pior qualidade do leite em termos produtivos e preço final recebido. Consideramos a mesma linha de raciocínio da Tabela.1, ou seja, queda de 15% na produção média individual por conta de uma maior CCS (365 mil x 550 mil CCS/mL). Todos os números são fictícios embasados em estudos, mas servem como referência para simularmos o impacto da CCS em rebanhos. Vale lembrar que, em situação de custos semelhantes, dentre os quais destacamos o custo de alimentação, os efeitos de uma pior qualidade do leite são significativos.

Em nosso trabalho de consultoria, procuramos estabelecer índices de referência para diferentes setores da propriedade. Em termos de manejo da alimentação e nutrição, atentamos muito para a receita menos custo de alimentação (RMCA), o qual sofre impacto direto do DEL médio avaliado. A Fazenda A depois de pagar seu custo de alimentação trabalha com caixa de R$25.534,00 para pagar suas despesas mensais, enquanto que a Fazenda B dispõe de R$21.150,00.

Analisando o programa de remuneração por qualidade da indústria de laticínios do exemplo, é importante que o produtor tenha consciência de como cada item avaliado pode impactar na composição do preço final recebido. Vale lembrar que alguns indicadores são mais fáceis de serem melhorados do que outros. Para a maioria dos programas é importante que o produtor tenha como meta, no mínimo, índices de excelência em termos de CBT, uma vez que esse atributo depende somente do produtor e capacitação da mão-de-obra, sem envolver animais (exceção para casos de rebanhos com alta infecção por Streptococcus agalactiae ou Streptococcus uberis, que podem causar aumento de CBT no tanque, sendo assunto para outro artigo).

O controle e redução da CCS:

Muitos produtores e técnicos realizam abordagem incorreta sobre o assunto. O controle de CCS de um rebanho está, intrinsecamente, correlacionado com capacitação da mão-de-obra da propriedade e implantação de controles e processos adequados. Entretanto, o foco é direcionado e distorcido por muitos para a questão da “eficiência” e “eficácia” de tratamentos e uso de medicamentos. Antes de iniciarmos qualquer tratamento de mastite num rebanho, é necessário realizar um DIAGNÓSTICO correto da situação do rebanho e este implica no levantamento do que chamamos de “Status Microbiológico”. Neste levantamento apontamos quais são os agentes infecciosos presentes e de que forma (percentual) estão distribuídos no rebanho. Para esse levantamento existe uma metodologia de coleta e análises que deve ser cumprida, sendo que somente uma simples análise não nos leva à conclusão de, absolutamente, nada. A COWTECH trabalha em parceria com os maiores laboratórios do segmento no Brasil, discutindo e participando ativamente na forma e metodologia de diagnóstico e análises realizadas. Uma vez definido quais são os agentes (patógenos) causadores do problema de alta CCS no rebanho, nosso trabalho é direcionado para a principal medida e forma de controle e redução de CCS que é a LINHA DE ORDENHA. A resistência por parte de produtores e de alguns gestores de rebanho (infelizmente) em implantar a rotina de LINHA DE ORDENHA é bem comum. A nossa experiência aponta o motivo dessa resistência a um fator muito simples que é o trabalho! Sim. Implantar um linha de ordenha e mantê-la como rotina, numa fazenda dá trabalho, sim!. Todavia, se queremos excelência e profissionalismo, não há outra forma de atuação. Uma LINHA DE ORDENHA de sucesso implica em:

a-) rotina

b-) trabalho árduo

c-) identificação correta

d-) apartações constantes

e-) controle eficiente

Nem todas as propriedades estão, de fato, aptas a implantarem um programa de controle da qualidade do leite. A COWTECH aplica nestes casos,  como rotina, o que chamamos de PROGRAMA DE CONTROLE E MELHORIA DA QUALIDADE DO LEITE, que se trata de uma metodologia de trabalho abrangente. Antes de qualquer medida, avaliamos se um sistema de produção com problemas pode ou está pronto para trabalhar a questão da qualidade. Nosso trabalho engloba:

a-) Levantamento e diagnóstico do manejo e rotina de ordenha

b-) Capacitação e treinamento da mão-de-obra

c-) Diagnóstico (análise e interpretação de resultados)

d-) Plano de Ação

e-) Execução (acompanhamento das atividades na propriedade)

f-) Conclusão (análise e interpretação de resultados)

De um modo geral, quando nos deparamos com problemas de mastite, existem duas grandes “aflições” semelhantes, mas conceitualmente, conflitantes: a do produtor que quer tratar logo suas vacas para reduzir sua CCS e as empresas de medicamentos querem por à prova toda a tecnologia e inovações de sua linha de produtos. Essa “aflição por tratar” é um tanto quanto perigosa por ser, extremamente, ineficiente. Quando abordamos e discutimos qualidade do leite com produtores, somos constantemente indagados sobre qual “protocolo de tratamento” usar ou qual seria o melhor medicamento (mais eficiente) para resolver seu problema? Essa abordagem é errada. Não existem protocolos bons ou ruins. O que existem são princípios ativos usados incorretamente e produtos (medicamentos) menos eficientes do que outros para determinadas circunstâncias, assim como existem os indicados e corretos. Logo, ao analisarmos o “status microbiológico”, recomendamos a realização de antibiograma para termos um parâmetro inicial do que pode funcionar ou não numa propriedade.

Antes de tratar:

Antes de tratarmos qualquer animal é necessário termos certeza de que o medicamento e protocolo utilizado é o mais adequado (antibiograma) e termos certeza de que a rotina de ordenha da fazenda (teste de caneca, pré-dipping, secagem de tetos, colocação de teteiras, etc) está correta e a m. de obra capacitada para tal. Posteriormente é necessário que os animais sejam apartados e identificados em grupo de:

a-) animais sadios

b-) vacas recém-paridas

c-) animais infectados por Streptococcus agalactiae

d-) animais infectados por Staphylococcus aureus

Para que uma LINHA DE ORDENHA seja estabelecida com sucesso, é necessário que os funcionários sejam treinados e capacitados de modo que entendam o princípio dessa linha e a importância da manutenção da mesma. A COWTECH atua incisivamente em programas de treinamento de funcionários em fazendas para a realização dessa tarefa. Implantar uma LINHA DE ORDENHA no papel é muito simples. Na prática a conversa costuma ser outra e cada manejo e sistema tem suas particularidades. Por mais “absurdo” que seja, é possível reduzirmos a CCS de um rebanho sem realizar, sequer, um tratamento. Nossa preocupação inicial é a eliminação da ordenha (secagem), quando possível de animais infectados em final de lactação e, eventualmente, com alta CCS. Posteriormente, nosso cuidado é direcionado para o controle da infecção, impedindo que a mesma se alastre no rebanho. Sem a LINHA DE ORDENHA estabelecida e, em funcionamento, de nada adianta “sairmos tratando” animais, sem critério algum. Inúmeros são os casos de insucesso em programas de controle da qualidade do leite pela ausência de linha de ordenha ou pela falta de treinamento de equipes para trabalharem dessa forma. Em outras palavras, os funcionários precisam estar conscientes e “afinados”. É necessário eleger um responsável ou responsáveis pela apartação e controle dos animais, no momento da ordenha. Uma vez estabelecida a linha ela é eterna. É mantida durante o tratamento e erradicação de agentes infecciosos e se mantém com protocolos de controle na rotina de fazendas. Toda vaca recém-partida deve ter seu leite analisado e este animal somente se mistura ao lote de animais sadios após liberação por diagnóstico laboratorial. Esse conjunto de processos pode parecer ser complicado. De fato, requer cuidados, mas é a única maneira de trabalharmos com índices de referência.

Iniciamos nosso programa de tratamento, somente quando temos certeza de que uma equipe está pronta para execução de um programa. Este tem sido o diferencial e razão de sucesso dos programas de controle realizados pela COWTECH. Após os primeiros tratamentos (depois de controle microbiológico), realizamos exames e controles adicionais como levantamento individual de CCS, para maior detalhamento e tomadas de decisão pontuais, sendo esta análise mais uma medida de controle de rotina nas propriedades que trabalhamos (relatórios gerenciais: excelentes se interpretados; absolutamente inúteis se não interpretados).

O controle da qualidade do leite é um processo dinâmico, com muitos detalhes para serem levantados e controlados. O uso de medicamentos eficientes é apenas uma etapa do processo. Infelizmente o foco é direcionado para a eficácia destes. Os protocolos de tratamento são importantes, mas exercem papel coadjuvante num programa de controle de mastite e qualidade do leite. Ao produtor e técnicos, cabe a obrigação de escolher boas empresas e laboratórios (fabricantes de medicamentos), mas é importante ficar claro que a responsabilidade sobre o correto uso dos mesmos recai sobre o produtor e profissional responsável pela implantação do programa de qualidade. Infelizmente, determinados produtos e empresas são comumente rotulados como ineficientes ou “caros” quando a realidade é bastante distinta. Caro não é o medicamento, mas sim a ausência de um “processo” ou controle eficiente, como a LINHA DE ORDENHA. Em nosso trabalho no campo, direcionamos 90% dos nossos esforços para que chamamos de: “controle de processos”, dentre os quais o ator-principal chama-se: EQUIPE DE TRABALHO. Ao capacitarmos uma equipe, tudo é possível e os resultados positivos sempre são alcançados. Em alguns casos mais rápidos. Outros mais lentos.

Para concluirmos nosso artigo, vamos colocar aqui uma questão muito comum quando nos deparamos com problemas de qualidade do leite: “Quais são os índices de referência para uma boa qualidade do leite em termos de CCS e CBT?” Em alguns casos a pergunta chega dessa forma: “É possível enquadrarmos nossa propriedade que está com índices tão ruins na IN62?”. A resposta, para todos os casos e sem exceção é: não só é possível enquadrarmos dentro da IN62 como é possível obtermos índices muito melhores! A razão dessa certeza não é a normativa, mas sim a necessidade de sermos profissionais e trabalharmos com sistemas rentáveis. Alguns ainda relutam e colocam um “Será?!”. A resposta é dada com outra pergunta: “Por que será que os sistemas mais rentáveis de produção de leite do país apresentam índices de referência em qualidade do leite?!"

COWTECH - CONSULTORIA E PLANEJAMENTO

Espaço para artigos e debates técnicos expostos por especialistas e equipe de consultores.

18

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

COWTECH - CONSULTORIA E PLANEJAMENTO

LENÇÓIS PAULISTA - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 29/06/2015

Prezada Tatiana Dutra Pereira,

Agradecemos a sua participação e ficamos felizes em colaborar!

Um abraço!

João Paulo V. Alves dos Santos
Eng° Agrônomo/COWTECH-CONSULTORIA
TATIANA DUTRA PEREIRA

COROMANDEL - MINAS GERAIS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 29/06/2015

Adorei o artigo. Muito bom, rico em informações para colocar em prática nas fazendas. Obrigada
COWTECH - CONSULTORIA E PLANEJAMENTO

LENÇÓIS PAULISTA - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 12/06/2015

Prezado Patrick Vilela de Souza,

Agradecemos os seus comentários e participação!

Em alguns casos, temos CCS muito elevadas por problemas mais simples de de serem solucionados, exemplo: mudanças em instalações, locais com muita formação de barro ou esterco, etc e uma prevalência alta de casos ambientais. Existem ainda situações em que temos muitas vacas com elevada CCS em final de lactação (isso não quer dizer que vacas em final de lactação tem CCS mais elevada, ressalto). Nestes casos, o técnico pode promover algumas secagens e, rapidamente provocar queda na CCS do tanque a propriedade.

Acreditamos que o maior desafio em termos de saúde da glândula mamária, claro, sejam os casos contagiosos. A erradicação de algumas bactérias do rebanho como S. agalactiae é possível, sim, com muito trabalho e trabalho correto. Já casos de S. aureus são mais complicados. Todavia é possível eliminar este patógeno com medidas mais radicais. Isso nem sempre é possível, em termos financeiros, para o produtor.

O que podemos afirmar é que, quando processos e controles são, de fato, introjetados na rotina e manejo de uma propriedade, de forma consistente e sistemática, com disciplina e muito controle, os resultados aparecem. Como a situação, espetacular, que você descreve, com CCS abaixo de 200 mil.

Seria interessante você divulgar essa propriedade e incentivar outros produtores e técnicos a visitá-la e conhecê-la, para que haja transferência de conhecimento. Nada melhor do que provar resultados, mostrando a realidade prática de como é possível obtê-los.

Um abraço,

João Paulo V. Alves dos Santos
Eng° Agrônomo/COWTECH-CONSULTORIA
PATRICK VILELA DE SOUZA

CARMO DO CAJURU - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 12/06/2015

Parabéns pelo artigo, vc destacou bem a LINHA DE ORDENHA, é a pura verdade, meu pai é produtor de leite e eu sou estudante de zootecnia mas estou sempre ligado na propriedade,
Em 2008 juntamente com o programa UNILEITE desenvolvido pela UFMG juntamente com a escola de veterinária, nós começamos a pegar firme na qualidade do leite, pena que o programa so durou 2 meses devido ser parceiro da ITAMBÉ, e neste período paramos de fornecer leite a este laticínio, com isso se rompeu o projeto em nossa propriedade,
Na primeira visita dos técnicos do programa a ccs no tanque era de 1.350.000 isso mesmo um milhão e 350 mil, 70% dos animais estavam com ccs acima de 200mil, com 2 meses abaixamos a ccs do tanque para 650mil, e com 6 meses abaixo de 400mil.

Quanto a linha de ordenha só conseguimos fazer após 2 anos, devido a vários fatores, e hoje graças ao trabalho e treinamento de todos ordenhadores q passaram pela ordenha durante estes últimos 7 anos a ccs está abaixo de 200mil, e o índice de mastite está abaixo de 3%.
Uma coisa eu posso afirmar tanto na teoria quanto na prática FAZER LINHA DE ORDENHA É UM MANEJO MAIS DO QUE ESSENCIAL EM UMA PROPRIEDADE LEITEIRA,
Qualidade do leite sempre será um desafio, é sempre um atrás do outro, agora que conseguimos chegar nestes índices não significa que atingimos uma meta e devemos deixar de lado, muito pelo contrário agora o desafio é maior ainda, temos que manter este patamar, a responsabilidade que um ordenhador deve ter em ordenhar este rebanho é extremamente enorme, na minha opinião manter essa ccs é mais difícil do que abaixar.
COWTECH - CONSULTORIA E PLANEJAMENTO

LENÇÓIS PAULISTA - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 09/06/2015

Prezado Alberto Duque Portugal,

Agradecemos a sua participação e por disponibilizar dados e informações,diretamente do campo, enriquecendo nosso debate!

As questões levantadas envolvem detalhes que precisariam ser melhor acompanhados em trabalho completo, envolvendo visita a propriedade e análise dos resultados.

De um modo geral, sua linha de ordenha está correta, mas há uma série de detalhes envolvendo essa criação de sub-lotes que estão tornando o seu processo bem complicado e de eficiência duvidosa.

Outras informações chamam muito a nossa atenção e merecem um debate melhor detalhado como a "cura" de S. aureus (mesmo que seja via terapia de vaca seca..)

Talvez seja mais prudente me acessar diretamente no email: jp@cowtech.com.br, pois há um volume um pouco grande de questões para debatermos no presente espaço.

De antemão, informo que há pontos críticos e dúbios na eficácia de sublotes. Sobre descarte, não há dúvidas que aureus são excelentes candidatas a deixar ao sistema. Ainda temos informações para serem debatidas como S. aureus com CCS baixa... ela pode baixar num momento x de coleta como pode subir (oscilar). O que vale é que se trata de bactéria-problema com baixíssima taxa de cura, na prática, mesmo com dados experimentais apontando resultados mais favoráveis (na razão de 20% dos casos).

Aguardo seu contato,

Um abraço!

João Paulo V. Alves dos Santos
Eng° Agrônomo/COWTECH-CONSULTORIA
ALBERTO DUQUE PORTUGAL

JUIZ DE FORA - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 09/06/2015

Excelente artigo. Parabéns. Tenho em torno de 70 vacas girolandas em lactação. Coloco uma questão: "o que priorizar?".
Identifiquei micro organismos prevalentes; fiz antibiograma; separei categorias(lotes):
(A)vacas sadias; (B)vacas curadas de S. aureus; (C) vacas contaminadas com S. aureus. São a base da LINHA DE ORDENHA. (Consegui erradicar S. aglactiae com metodologia de blitz.). Faço acompanhamento microbiológico de todas as vacas recém paridas. Faço terapia com vaca seca, incluindo uso de selante e repetição da terapia se a vaca fica seca mais de 60 dias.
Faço acompanhamento de CCS mensalmente e dentro da cada um dos 3 lotes (A, B e C), procuro fazer outra LINHA DE ORDENHA, com base na CCS, o que gera SUB LOTES. Assim, tenho 3 SUBLOTES no LOTE A (vacas sadias); 2 SUB LOTES no LOTE B (vacas curadas). As vacas contaminadas formam um único lote.
Ainda continuo com CCS alta.
Esta divisão em LOTES e SUB LOTES cria uma dificuldade para formar grupos de alimentação baseados na produção já que em todos os lotes há animais com pouco leite e com muito leite.
PERGUNTO:
Qual critério usaria para formar os SUB LOTES : CCS ou PRODUÇÃO ?
Por último, qual o principal critério para descarte : CCS alta ou contaminação por S. aureus? Já que tenho animais sadios com CCS alta e animais contaminados por S. aureus com CCS baixa?
COWTECH - CONSULTORIA E PLANEJAMENTO

LENÇÓIS PAULISTA - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 09/06/2015

Prezado Paulo Mauricio B. Basto da Silva,

Agradecemos a sua participação e comentários. Acreditamos que o os conceitos mencionados são importantes, mas não considero que estes sejam constantemente veiculados. Tanto que os problemas de qualidade do leite persistem em muitos casos, justamente, por ser dada mais atenção à dinâmica de ação de medicamentos e taxa de cura do que o foco direcionado ao manejo, em sim e as ações que, de fato, podem causar mudanças para melhoria da qualidade. Isso é um grande problema para fabricantes de medicamentos que, na sua maioria possuem excelentes moléculas e produtos muito eficientes. Caso contrário, nem lançariam determinados medicamentos no mercado, A questão vai muito além deste enfoque.

Nossa experiência aponta para resultados muito pouco conclusivos e efetivos em programas de melhoria da qualidade do leite para propriedade com problemas porque é um trabalho que envolve acompanhamento a médio a longo prazo e não são todas empresas que podem prestar um pós-venda efetivo e exclusivo para cada produtor com problema. É um desafio caro. Também não podemos confundir "assistência técnica" com "consultoria especializada". Em muitos casos a consultoria traz mais resultados do que uma simples recomendação (assistência), isolada. Um técnico de um dado laboratório pode opinar sobre qualidade do leite e orientar o produtor. Mas são poucos que têm a disponibilidade de tempo, dentro de uma agenda comercial, para implantar um programa: início - meio - fim, numa fazenda. O mesmo acontece com a indústria que preza por qualidade, remunera por qualidade e considera que o produtor, sozinho e por conta deve buscar um caminho e soluções, sem perceber que ela, paga uma conta, extremamente alta por captar leite de baixa qualidade. O fomento nesse caso se faz, mais do que necessário, e todos ganhariam: produtor, indústria, técnicos e empresas de consultoria especializada.

É importante reforçarmos que, recomendar ações no manejo de ordenha e trabalho envolvendo melhorias na qualidade, sem acompanhar a evolução dos processos e capacitação é uma temeridade. Infelizmente, muitos produtores ainda acham que podem resolver problemas "pescando informações" e alguns técnicos acham que podem solucionar problemas "vomitando informações" . No final, ambos saem prejudicados. O produtor gasta dinheiro. O técnico perde sua credibilidade. No final, ninguém estava errado, mas a maneira como as informações foram veiculadas e a metodologia de trabalho (quando existente), sim, pode ter falhado. De carona laboratórios tem seus produtos envolvidos no processo e "queimados", de forma desnecessária.

Um abraço,

João Paulo V. Alves dos Santos
Eng° Agrônomo/COWTECH-CONSULTORIA
PAULO MAURICIO B BASTO DA SILVA

CASCAVEL - PARANÁ - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 09/06/2015

O artigo é bom e só reforça o que sempre se fala. O produtor precisa se profissionalizar e as indústrias através do seu corpo técnico precisa ajudar a implantar medidas corretivas e preventivas para melhoria, não somente da qualidade, mas de todo o conjunto - qualidade, produtividade e redução de custos. Profissionais (técnicos) que se preocupam apenas em vender (empurrar) ração e sal mineral e peças de ordenhadeira não podem ser considerados profissionais adequados para atendimento ao produtor. Sim, é uma crítica ao sistema que em muitos lugares impera com apoio de alguns indústrias.
COWTECH - CONSULTORIA E PLANEJAMENTO

LENÇÓIS PAULISTA - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 08/06/2015

Prezada Ilza,

Agradecemos as palavras e considerações.

Sim, precisamos trabalhar. Vacas não falam. Nascem e são introduzidas em manejo pelo homem. E o "manejo" que o homem, propicia gera inúmeros e diferentes problemas (ou não). Logo, culpar animais, jamais.

Um abraço!

João Paulo V. Alves dos Santos
Eng° Agrônomo/COWTECH-CONSULTORIA
ILZA

AIURUOCA - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 08/06/2015

Muito esclarecedor o artigo. Estamos perdendo dinheiro e culpando as vacas como "mamiteiras"...Harre! vamos arregaçar as mangas e implantar os devidos procedimentos, sendo a Linha de Ordenha o principal.
Agradeço.
COWTECH - CONSULTORIA E PLANEJAMENTO

LENÇÓIS PAULISTA - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 08/06/2015

Prezado Estevão Domingos de Oliveira,

Agradecemos os comentários e participação.

Planejamento e visão de longo prazo (é isso aí!). Premissas importantes. E as tais ferramentas milagrosas...? O que falar não?

Trabalhamos com processos e métodos. Há uma racionalidade para obtenção de resultados. Infelizmente, não são todos que, assim compreendem.

Um abraço!

João Paulo V. Alves dos Santos
Eng° Agrônomo/COWTECH-CONSULTORIA
ESTÊVÃO DOMINGOS DE OLIVEIRA

QUIRINÓPOLIS - GOIÁS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 08/06/2015

Parabéns pela rotina implementada nas fazendas objetivando a melhoria da qualidade do leite.

Controle da Mastite é isso aí mesmo, muito trabalho, planejamento e visão de longo prazo. Não existem ferramentas milagrosas ou produtos perfeitos. Somente muito trabalho aliado a um conhecimento sólido.

Parabéns.
COWTECH - CONSULTORIA E PLANEJAMENTO

LENÇÓIS PAULISTA - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 08/06/2015

Prezado Humberto Liberato,

Agradecemos as considerações,

Um abraço!

João Paulo V. Alves dos Santos
Eng° Agrônomo/COWTECH-CONSULTORIA
HUMBERTO LIBERATO

SEROPEDICA - RIO DE JANEIRO

EM 08/06/2015

Showww!! Gostei muito artigo vou procurar ler mais esse programa.
Abraço!! Parabéns
COWTECH - CONSULTORIA E PLANEJAMENTO

LENÇÓIS PAULISTA - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 08/06/2015

Prezado Ricardo Vales Domingues,

Agradecemos as palavras e considerações!

A proposta é essa mesmo. Os processos são lentos. Existem casos em que alcançamos resultados melhores e mais rápidos. Em outros casos, estes demoram um pouco mais. Como colocastes, cada degrau" deve ser superado por etapas.

Um abraço!

João Paulo V. Alves dos Santos
Eng° Agrônomo/COWTECH-CONSULTORIA
RICARDO VALES DOMINGUES

ARAÇATUBA - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 08/06/2015

Excelente o seu artigo. Sou veterinário e estou me preparando para trabalhar com qualidade do leite, mas já sigo essa linha de raciocínio.
O que talvez valha a pena - e a sua empresa deve trabalhar assim - é o estabelecimento de degraus na busca do melhor "status microbiológico" possível. Instigar o produtor a produzir um leite mais saudável através de patamares progressivos, sinalizando à sua equipe a participação em ganhos futuros. Progredir interessa a todo mundo, não é verdade?
COWTECH - CONSULTORIA E PLANEJAMENTO

LENÇÓIS PAULISTA - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 03/06/2015

Prezado Sidney,

Agradecemos as considerações e comentários. O objetivo é ajudar e esclarecer, sempre, aspectos que julgamos fundamentais através com visão técnica atrelada a experiência e vivência de campo.

Um abraço!

João Paulo V. Alves dos Santos
Eng° Agrônomo/COWTECH-CONSULTORIA
SIDNEY

GOIÂNIA - GOIÁS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 03/06/2015

Que maravilha de artigo. Com essas lições podemos planejar muitas coisas em nossas propriedades.