FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Touros A2: utilização da genética como estratégia de mercado

POR RENATA THAIS LOMAN

E TIMOTHEO SOUZA SILVEIRA

A.B.C.B.R.H.

EM 10/08/2020

3 MIN DE LEITURA

1
7

Atualmente, o mercado de consumo do leite e seus derivados tem se tornado mais específico e com mais exigências dos consumidores. Podemos citar como diferencial a qualidade ou produtos isentos de lactose, por exemplo. Neste contexto, expande-se uma nova oportunidade para os produtores que buscam agregar valor à sua produção. Trata-se da seleção genética, que auxilia na qualidade do produto e identificação de alimentos que são favoráveis dentro do mercado, como o isolamento de animais A2. Isso é referido à beta-caseína (CSN2), proteína presente na estrutura do leite.

Esta proteína possui uma variante genética classificada em A1 e A2, sendo que a A1 apresenta maior capacidade em causar desconforto, pois ao ser quebrada pelo sistema gastrointestinal, libera grande quantidade de beta-casomorfina-7 bovina (BCM-7), responsável por gerar efeitos adversos em consumidores susceptíveis, semelhantes a intolerância, podendo ser facilmente confundida com tal.

Em literatura é descrito casos que evidenciam a correlação desta proteína com alergia, doença cardíaca isquêmica (DCI) humana (LAUGESEN; ELLIOTT, 2003; McLACHLAN, 2001), diabetes mellitus tipo-1 (DM-1) (LAUGESEN; ELLIOTT, 2003;), síndrome da morte súbita infantil (SUN et al., 2003), os quais ainda devem ser estudados para melhor entendimento (CORBUCCI, 2017).

A beta-caseína com variante A2 tem uma menor produção de BCM-7 quando quebrada, consequentemente, não causa esse desconforto após consumo. Além de possuir menores efeitos nocivos para o consumidor susceptível, a beta caseína A2 vem mostrando características positivas dentro da produção, como por exemplo rendimento de leite e proteína e um maior nível de gordura, quando comparado ao alelo A1 (CORBUCCI, 2017).

Logo podemos evidenciar um grande avanço no sistema de produção, no qual a seleção genética do plantel permite ao produtor explorar novos níveis de produção e qualidade leiteira, além de fornecer para o mercado consumidor um produto, que a curto prazo, poderá conter um selo extra de qualidade e abranger novos mercados. Esse processo se inicia com a genotipagem dos animais, compra de animais ou do sêmen certificado como animais A2.

Atualmente já possuem mercados brasileiros com o selo de certificação de leite A2, conferindo a rastreabilidade do produto, do animal e da qualidade, mostrando que é seguro para o consumo, característica de grande importância na hora da venda. Por ter se mostrado um assunto com relevância dentro do mercado consumidor, informações ainda devem ser passadas, tanto para produtores, como para o mercado.

A A.B.C.B.R.H. produziu uma lista de touros com seleção a2a2 nacionalizados (veja aqui). No Brasil, podemos iniciar uma nova visão dentro da produção leiteira, focando em seleção voltada ao mercado, pensando em otimização da produção e do norte genético, referenciando a uma nova formação de mercado e preço para o leite. Podemos dizer: sair da commodity e avançar para o produto diferenciado!

Quer ficar por dentro do mundo lácteo por meio de um formato diferente? Siga o nosso canal no YouTube e acompanhe as nossas publicações! Vamos amar ver você por lá heart

Referências

CORBUCCI, Flávio Sader. Beta-caseína A2 como um diferencial na qualidade do leite. 2017. 23 f. Trabalho de conclusão de curso (bacharelado - Medicina Veterinária) - Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filhos, Faculdade de Medicina Veterinária, 2017. Disponível em: <http://hdl.handle.net/11449/156709>.

JAISWAL, K.; DE, S.; SARSAVAN, A. Detection of single nucleotide polymorphism by T-ARMS PCR of cross bred cattle Karan Fries for A1, A2 beta casein types. Inter. J. Sci. Res. Biol. Sci., v.1, p.18-20, 2014.

LAUGESEN, M.; ELLIOT, R. Ischemic heart disease, Type 1 diabetes, and cow milk A1 b-casein. NZ. Med. J., v.116, p.1–19, 2003.

MILKPOINT. Criatórios estão selecionando seus plantéis para a comercialização de animais e leite A2A2 2017. Disponível em: . Acesso em: 23 de jul 2020.

SHARMA, V.; SHARMA, N.; JAWED, B.; NAUTIYAL, S. C. High resolution melt curve analysis for the detection of A1, A2 β-casein variants in Indian cows. J. Microbiol. Biot. Res., v.3, p.144-148, 2013.

ZOHREH, R.; MAJID, G.; ZIBA, R.; KHEIROLLAH, Y. Evaluation of beta-casein locus for detection of A1 and A2 allele frequency using allele specific PCR in native cattle of Kermanshah, Iran. Biharean Biol., v.9, p.85-87, 2015.

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

GILSIMAR MENDES DE SOUZA

CHALÉ - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 10/08/2020

Olá bom dia comecei a usar o lactotropin e já começamos a perceber a diferença o leite parece mais pesado estou fazendo a experiência em 10 vacas mais gostaria de saber se consigo um fornecedor direto?
MilkPoint AgriPoint