ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Direto ao Ponto Mastite: possíveis origens do problema e como tratá-lo

MSD SAÚDE ANIMAL - MAXI-LEITE

EM 14/06/2021

3 MIN DE LEITURA

0
4

Já sabemos que a mastite é a doença mais importante em bovinocultura de leite e a que traz maior impacto (prejuízo/perda de receita) para o produtor. Por isso, deve-se fazer o máximo possível para minimizar os efeitos e a ocorrência da doença. 

Mas, antes de falarmos sobre como controlar a mastite na propriedade, é importante deixar claro que esta é uma afecção que nunca será erradicada do sistema, apenas controlada e minimizada (diminuição da quantidade de casos). Isso acontece devido à epidemiologia da doença e aos diversos patógenos que podem estar envolvidos em sua origem.

Logo, para conseguirmos controlar a mastite, é necessário entender onde estão estes agentes na fazenda – ou seja, os reservatórios – e como eles chegam até o úbere das vacas. 

Basicamente, qualquer microrganismo que consiga invadir o canal do teto, colonizar o úbere e, por consequência, causar uma reação inflamatória, pode ser considerado um causador da mastite. Contudo, esses microrganismos são divididos em duas categorias principais: contagiosos e ambientais. 

Os agentes contagiosos são aqueles que se especializaram e são mais adaptados à glândula mamária dos bovinos, conseguindo permanecer-se por mais tempo causando infecção (muitas vezes subclínica). 

Logo, em geral, o reservatório destes microrganismos são as próprias vacas infectadas, que vão transmitir para as outras durante a ordenha. Entre os principais patógenos contagiosos estão: Staphylococcus aureus, Streptococcus agalactiae, Corynebacterium bovis e Mycoplasma.

Já os agentes ambientais, como o próprio nome diz, estão presentes no ambiente da fazenda e vão infectar os animais principalmente no pós-ordenha, quando os esfíncteres dos testos ainda estão abertos. 

Estes microrganismos normalmente são menos adaptados à glândula mamária, causando inflamações mais intensas e com sinais clínicos mais visíveis (mastite clínica). Este grupo é representado principalmente por Streptococcus uberis, coliformes, Staphylococcus não-aureus, Klebisiella spp., algas e leveduras.

MastiteEntendendo agora como a mastite acontece, é preciso adotar medidas para evitar a infecção nos animais, levando em consideração a forma que o patógeno é transmitido. O primeiro passo é identificar quais animais estão com mastite e quais microrganismos são os responsáveis pela doença na sua fazenda. Isso pode ser feito por meio de exames e testes, dos quais falamos melhor no texto anterior.

Caso o microrganismo que esteja infectando seu rebanho seja um patógeno contagioso, o primeiro passo é segregar o animal e impedir que ele transmita para o restante dos animais. Para isso, uma estratégia muito utilizada é a chamada linha de ordenha, que consiste em separar um lote com mastite e ordenhá-los por último. 

Caso na sua fazenda esteja ocorrendo um surto de mastite ambiental, é importante fazer uma inspeção criteriosa do ambiente (camas, pasto, sala de espera, qualidade da água utilizada, acesso dos animais a lagos, rios etc.). Isso vai ajudar a determinar a origem do problema e promover um ambiente limpo e confortável para os animais. 

Uma estratégia muito utilizada para minimizar os casos de mastite ambiental é oferecer ao animal o trato logo após a ordenha, impedindo, assim, que ele se deite em ambientes contaminados com os esfíncteres ainda abertos.

Outro ponto importante é tratar os animais doentes, de acordo com o agente causador. Para isso, é necessário realizar a cultura microbiológica do leite e, assim saber quais podem ser as melhores bases de antimicrobianos (antimastítico) a serem utilizados.

Além disso, existem outras medidas imprescindíveis para o controle da mastite:

  • Manter um histórico de dados dos animais (CCS individual, casos de mastite prévios, microrganismo causador etc.): isso ajudará na tomada de decisão em relação a descarte de animais crônicos, secagem seletiva, secagem permanente de tetos, entre outros.

  • Pré e pós-dipping: o dipping consiste em imergir os tetos em solução antisséptica antes e após a ordenha. Esse manejo ajuda a eliminar os patógenos que podem estar nos tetos do animal, devido a sujeiras do ambiente ou do leite de outro animal infectado que utilizou a mesma teteira anteriormente. 

  • Terapia de vaca seca: na secagem dos animais, realizar o uso de uma bisnaga de antibiótico para vaca seca para prevenir novos casos e eliminar casos subclínicos. 

  • Uso de selantes de teto: além da antibioticoterapia para vaca seca, utilizar o selante que vai ajudar a manter os tetos “lacrados” durante todo o período seco.

  • Manutenção dos equipamentos da ordenhadeira: de acordo com as orientações do fornecedor.

 

Oferecimento:

Cepravin  Selante Masti-SealMastijet

Para saber mais clique aqui.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint