ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

A fórmula da Ponte Alta para reduzir a idade média do primeiro parto das matrizes

Qual a idade ideal para o primeiro parto das matrizes? Quanto mais cedo, melhor. É a resposta óbvia. No caso da Fazenda Ponte Alta, em Goiás Velho, a 125 km da capital Goiânia, os dados avaliados pelo IILB-11 indicam que a idade média de primeiro parto na fazenda é de 23,6 meses. É um número surpreendente, que deu à propriedade, comandada por Giovani Araújo Godinho e sua esposa Ana Cristine, o destaque nesse quesito no suplemento “Campeãs do Leite”, publicado em conjunto com a edição número 11 do Índice ideagri do Leite Brasileiro (IILB).

Com rebanho de Perfil 1 (predominância de genética europeia), a média da Ponte Alta acontece 3,7 meses mais rápido que a média geral das fazendas do IILB. E quase um mês (0,8) mais cedo que a média das fazendas TOP 10% do IILB. 

Qual o segredo da Ponte Alta? A resposta é também surpreendente: cuidar bem das bezerras desde o nascimento, com especial atenção à alimentação! É o que explica Moacir Alves, gerente da Fazenda: “Assim que os animais chegam no berçário, tomam 6 litros de leite por dia, onde é feito o adensamento com leite em pó, até os 40 dias de vida. Dos 40 aos 60 dias, o volume é reduzido para 4 litros e, aos 60 dias, é realizada a desmama. Após esse período, é feita a adaptação com a ração e, entre 67 e 72 dias, as bezerras são soltas com cerca de 110kg”, detalha o gestor.

Além de alimentar os animais dessa forma, é feito um acompanhamento rigoroso do ganho de peso dos animais, com ajuda do sistema de gestão. “Fazemos a projeção para saber se a bezerra vai chegar ao peso adequado na idade correta”, relata Moacir. Esse total domínio de informações permite a programação controlada da inseminação, que, na Ponte Alta, acontece entre 13 e 14 meses.

Além da alimentação adequada, detalhes como conforto nas instalações, práticas de manejo diferenciadas e cuidados com a saúde e bem-estar dos animais são também observados. Por exemplo: o sistema utilizado é o Compost Barn, que é usado por 68% das 100 fazendas “Campeãs Leite”. Além disso, a Ponte Alta investe em treinamento constante de seus funcionários e mantém o foco na sustentabilidade, com o reuso de água e prática de compostagem. 

A Ponte Alta vem construindo sua história na produção de leite ao longo de 36 anos. Quando começou, Giovani Godinho tirava o leite na mão. Com o passar dos anos, ele investiu em conhecimento, consultoria técnica e no sistema de gestão Ideagri. Sua produtividade hoje é muito elevada. Com 374 vacas em lactação, produz cerca de 12 mil litros de leite por dia (média de julho 2020 – junho 2021, período coberto na avaliação do IILB 11).

A divulgação das Campeãs do Leite foi feita em uma “live” no dia 20 de outubro, e pode ser revista clicando aqui. E, tanto o boletim IILB número 11 quanto o suplemento Campeãs do Leite podem ser baixados gratuitamente pela plataforma.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint