ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

7 informações que você precisa saber sobre o Velactis

POR CEVA SAÚDE ANIMAL

CEVA: JUNTOS, ALÉM DA SAÚDE ANIMAL

EM 26/03/2018

3 MIN DE LEITURA

2
2

Todo produtor de vacas de alta produção de leite sabe o quanto é difícil secar vacas sem que haja implicações no manejo, no bem-estar dos animais e na saúde do úbere. Pensando nisso, a Ceva lançou o Velactis, o primeiro facilitador de secagem do mundo.

Como todo produto inovador, é normal que algumas dúvidas apareçam e para auxiliar no entendimento, listamos abaixo 7 questões mais frequentes sobre o produto.

1. Qual é a melhor definição de Velactis?

Um fármaco não hormonal que atua como um agonista dopaminérgico que, especificamente, diminui as concentrações de prolactina no animal em questão de poucas horas inibindo a produção de leite pela glândula mamária.

2. Qual o mecanismo de ação do Velactis?

Atua no sistema nervoso central do animal diminuindo, muito rapidamente, os níveis de prolactina séricos e, também, inibindo parcialmente a ação do IGF-1 na glândula mamária. Ambos os hormônios citados são chaves para a produção de leite. Vale lembrar que o efeito da Cabergolina é passageiro e a meia-vida da droga no animal é de apenas 20 horas. E a inibição de liberação de prolactina dura cerca de 5 a 7 dias no animal devido a forte ligação da cabergolina com seus respectivos receptores.

3. Qual a porcentagem de vacas que apresenta vazamento de leite nos primeiros dias após a secagem com e sem Velactis?

Cerca de 20 a 40% de vacas de leite em rebanhos modernos apresentam vazamento após o processo de secagem sem a utilização do Velactis. Esse problema tende a ser maior em animais mais produtores. A utilização de Velactis reduz drasticamente o vazamento pós-secagem, porém alguns animais ainda podem apresentar vazamentos nos primeiros dias. Dados de experimentos indicam cerca de 80% ou mais de redução nas taxas de gotejamento com a utilização do Velactis quando comparado com vacas sob secagem convencional sem o uso do medicamento. Vale lembrar que o uso do selante de teto, obviamente, diminui o vazamento, mas ainda pode ocorrer em animais com maior pressão interna no úbere.

4. Quais são os aspectos que o Velactis auxilia durante o processo de secagem?

Auxilia em vários aspectos: 1) No manejo, pois elimina a necessidade de secagem gradual associada às modificações de lote e dieta antes da secagem. 2) Na imunidade específica da glândula mamária, pois aumenta os níveis de lactoferrina e células somáticas no leite residual do úbere após a secagem. 3) No conforto da vaca, diminuindo drasticamente o edema do úbere e assim como a dor devido ao excesso de pressão na glândula no período pós-secagem, melhorando assim o bem-estar do animal. 4) Na saúde do úbere, diminuindo problemas de vazamento de leite pós-secagem. Foi constatada uma diminuição de cerca de 20% de casos clínicos de mastite no início da próxima lactação após a utilização do Velactis.

5. Com a introdução do Velactis, devo parar de aplicar o selante de teto?

Não. Em um estudo recente, observou-se um efeito sinérgico de diminuição de contaminação da glândula mamária com a utilização do Velactis e selante interno de teto. Portanto, ainda fica a recomendação da utilização do selante de teto no momento da secagem associado ao Velactis.

6. O Velactis oferece algum risco à gestação da vaca ou ao bezerro?

Não. Foram realizados vários experimentos com o objetivo de se avaliar a segurança para o animal gestante e sua gestação, assim como a saúde do bezerro ao nascimento. Todos os estudos clínicos não apontaram alteração no aumento de taxas de abortos, saúde do bezerro ou da vaca.

7. Como posso calcular o retorno econômico do Velactis?

O retorno econômico torna-se favorável pois o produtor poder manter as vacas em final de lactação sob dietas de maior energia e aplicação de BST por mais tempo (aproveitando melhor o final da curva de lactação), além da menor incidência (redução de 20% dos casos de mastite clínica) de mastites na lactação subsequente, possibilidade de extensão da lactação de pelo menos 4 dias (devido ao aumento da velocidade de regressão do úbere possibilitado pelo Velactis), e economia de mão de obra relacionada à troca de lotes e dieta no final da lactação (comum em fazendas que fazem a secagem gradual).

Para saber mais entre em contato pelo box abaixo:

CEVA SAÚDE ANIMAL

A Ceva vai revolucionar o manejo de secagem no mundo

2

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

CLAUDIO ANTUNES

ITAPETININGA - SÃO PAULO

EM 11/07/2019

Tenho uma vaca que não seca o leite e está prestes a criar. Se aplicar o Velactis a 20 ou 30 dias do próximo parto, a vaca terá tempo de se recuperar e produzir lactação para o novo bezerro. Trata-se de uma vaca de baixa lactação.
CEVA SAÚDE ANIMAL

PIRACICABA - SÃO PAULO - INDÚSTRIA DE INSUMOS PARA A PRODUÇÃO

EM 11/07/2019

Olá, Claudio.

O Velactis atua no sistema nervoso central do animal diminuindo, muito rapidamente, os níveis de prolactina séricos e, também, inibindo parcialmente a ação do IGF-1 na glândula mamária. Ambos os hormônios citados são chaves para a produção de leite. Vale lembrar que o efeito do produto é passageiro e a meia-vida da droga no animal é de apenas 20 horas. E a inibição de liberação de prolactina dura cerca de 5 a 7 dias no animal devido a forte ligação da cabergolina com seus respectivos receptores.
Não há problemas em relação ao medicamento, mas a vaca não terá respeitado o descanso necessário recomendado mínimo que é de 45 dias.

Abraço
MilkPoint AgriPoint