ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
FAÇA SEU LOGIN E ACESSE CONTEÚDOS EXCLUSIVOS

Acesso a matérias, novidades por newsletter, interação com as notícias e muito mais.

ENTRAR SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Tuberculose Bovina e seu Impacto na Pecuária Mundial

CEVA: JUNTOS, ALÉM DA SAÚDE ANIMAL

EM 20/05/2022

4 MIN DE LEITURA

0
0

De característica silenciosa, o monitoramento da doença é imprescindível para um rebanho saudável, seguro e produtivo

 

A tuberculose bovina é uma zoonose infectocontagiosa de evolução lenta e importância mundial, que ocorre principalmente nos países em desenvolvimento. Causada pela bactéria Mycobacterium bovis, a doença é caracterizada pela formação de lesões nodulares denominadas tubérculos, que podem ocorrer em qualquer órgão ou tecido, acometendo principalmente bovinos e bubalinos, mas também pode infectar humanos.

Sua principal forma de disseminação é aerógena, e a via de infecção mais relevante é a respiratória. Uma vez inalada, a bactéria alcança os pulmões onde é atacada por macrófagos alveolares que são células de defesas presentes no local e tentarão boquear a infecção. Caso os macrófagos alveolares não sejam capazes de deter a infecção, inicia-se uma reação de hipersensibilidade tardia que pode, em consequência, determinar necrose tecidual de caseificação com encapsulamento característico. Formam-se os nódulos característicos (tubérculos) da tuberculose. Além da disseminação por via respiratória, o bacilo pode ser eliminado pelas fezes, urina, leite, secreção nasal, secreção vaginal e pelo sêmen.

A manifestação da doença é influenciada pela resposta imune do animal, que pode permanecer assintomático por um longo período, sendo este o principal foco de transmissão em rebanhos. Quando os animais apresentam queda na imunidade é possível observar sintomas característicos principalmente no estágio avançado da doença, como acentuada perda de peso, dificuldade respiratória e tosse seca.

Embora não existam dados no Brasil sobre o impacto direto da tuberculose na produção de leite, um estudo realizado em 1988 na Argentina demostrou que as perdas podem chegar a 18% na produção dos animais infectados, afetando também a duração da lactação destes indivíduos. A queda na produção diária e a presença de lesões no úbere da vaca podem ser indicativos da doença.

“A tuberculose, por muitas vezes, passa despercebida e é descoberta com achados específicos no abatedouro, ocasionando a condenação total ou parcial das carcaças e comprometendo a comercialização de produtos de origem animal da propriedade de origem dos animais” explica Marcos Malacco, gerente técnico da unidade de pecuária da Ceva Saúde Animal. Estima-se que as perdas referentes á tuberculose bovina no mundo sejam cerca de U$3 bilhões anuais, incluindo o descarte precoce de animais e a eliminação de animais com alto valor zootécnico.

A doença é de notificação obrigatória e   não possui vacina ou tratamento, sendo a prevenção a chave para o seu controle. No Brasil, o balizador é o Programa Nacional de Controle e Erradicação de Brucelose e Tuberculose (PNCEBT), que recomenda a realização do teste de tuberculina para diagnóstico da doença.

“O teste tuberculínico consiste na avaliação de uma reação de hipersensibilidade tardia, que ocorre apenas nos animais que já foram expostos à Mycobacterium bovis. Animais que apresentam um primeiro resultado positivo ou inconclusivo são submetidos a novo teste em um intervale entre 60 e 90 dias. Animais com um segundo teste positivo ou inconclusivo são isolados do rebanho, afastados da produção leiteira e destinados ao abate sanitário em local determinado pelo serviço de defesa sanitária animal regional, ou a eutanásia no local de criação, realizada pelo Médico Veterinário Oficial do Serviço de Defesa Sanitária Animal da região”, conta João Otávio Rodrigues, gerente de linha leite da unidade de pecuária da Ceva Saúde Animal.

Na esfera acadêmica, a utilização de métodos moleculares de diagnóstico vem sendo estudados como método auxiliar ao exame de tuberculina, o que pode permitir uma importante redução no tempo necessário para a confirmação do diagnóstico à campo, mas ainda não fazem parte do programa nacional.

“O PNCEBT através das secretarias estaduais de defesa agropecuária também incentiva a certificação dos rebanhos livres da doença, o que estimula a testagem nas propriedades e traz uma maior segurança para o pecuarista no momento em que ele precisa inserir novos animais no seu plantel ou até mesmo comercializar novilhas. É um valor agregado da propriedade”, comenta. “Alguns estados brasileiros, como São Paulo, por exemplo, vêm se mobilizando para que todas as propriedades de gado de leite que comercializem seus produtos para o consumo humano sejam monitoradas e certificadas como livres da doença”.

O Programa Nacional de Controle e Erradicação de Brucelose e Tuberculose está em vigor desde janeiro de 2001 e foi revisado em março de 2017. Ele visa, através do controle da Tuberculose e da Brucelose, promover uma pecuária nacional mais competitiva e livre de riscos para o consumidor.

Chegaram os novos testes de Tuberculose Bovina da Ceva! Clique e saiba mais.

Sobre a Ceva Saúde Animal:

A Ceva Saúde Animal é uma multinacional francesa, comprometida com o desenvolvimento de produtos inovadores para o mercado de saúde animal. A empresa, que está presente em mais de 110 países, foca sua atuação na produção e comercialização de produtos farmacêuticos e biológicos para animais de companhia e produção. Mais informações em: www.ceva.com.br

Referências:
BRASIL. Progarama Nacional de Controle e Erradicac¸a~o da Brucelose e Tuberculose Animal. Ministe´rio da Agricultura, Pecua´ria e Desenvolvimento, 2001.

CORREIA, M.; CORREIA, N.M. Tuberculose Bovina. Enfermidades Infecciosas dos Mami´feros Dome´sticos. Editora: MEDSI, 1992, p.317-337.

KANTOR, I.N.; RITACCO, V. Bovine tuberculosis in Latin America and Caribbean: current status, control and eradication programs. Veterinary Microbiology, v.40, n.1/2, p.5-14, 1994.

ROXO, E. Tuberculose bovina: revisão. Arquivos do Instituto Biológico, São Paulo, v.63, n.2, p.91-97, 1996.

RUGGIERO, A.P., IKUNO, A.A., FERREIRA, V.C.A, ROXO, E.. Tuberculose Bovina: Alternativas para o diagnóstico. Artigo de Revisão.  Arq. Inst. Biol. 74 (1).  Jan-Mar 2007

 

 

 

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint