FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Silagem de milho: Benzoato de sódio ou sorbato de potássio?

POR THIAGO FERNANDES BERNARDES

PRODUÇÃO

EM 27/08/2014

18
0
No último artigo desta sessão nós mostramos os benefícios da aplicação do benzoato de sódio para controlar as perdas no topo de silagens que são propensas a deterioração aeróbia, como é a silagem de milho. Como o benzoato de sódio na companhia do sorbato de potássio são os dois ácidos mais comercializados no Brasil, nós gostaríamos de saber se os mesmos apresentam a mesma eficiência e qual a dose a ser utilizada, para que a classe produtora tivesse uma posição no momento de utiliza-los.

Desse modo, um estudo foi realizado no Departamento de Zootecnia de UFLA para testar o efeito da presença desses dois aditivos aplicados em duas doses: 1 ou 2 kg por tonelada de forragem (ambos apresentavam mais de 95% de pureza). A cultura utilizada como modelo continuou sendo o milho, pois a mesma se deteriora muito rapidamente quando exposta ao ar.

Os resultados nos mostraram que ambos os ácidos são eficientes em controlar a deterioração aeróbia, ou seja, eles aumentam a ‘vida útil’ da silagem quando a mesma é exposta ao ar, principalmente na fase em que o silo se encontra aberto para a alimentação dos animais. Portanto, a escolha por um ou outro vai de acordo com a disponibilidade do mercado (região onde você se encontra) e preço que são comercializados. É importante ressaltar que as empresas que comercializam tais ácidos não atuam no ramo zootécnico. Mas os mesmos são fáceis de serem encontrados nas companhias que trabalham com produtos químicos.

Quanto a dose a ser aplicada, os resultados evidenciaram que 2 kg de produto por tonelada de forragem foi mais efetiva que 1 kg. Então, muitos podem compreender que os custos de aplicação ficarão mais altos, o que é correto porque o dobro de produto deverá ser utilizado; contudo, cabe lembrar que a recomendação aqui é estratégica, ou seja, somente o topo do silo é tratado, pois é nesta região que as perdas se intensificam. Portanto, se diluirmos os custos de aplicação pela quantidade de forragem que está sendo estocada em todo o silo, os resultados nos mostrarão que os aditivos na dose de 2 kg são economicamente viáveis.

Como sempre ressalto nos meus artigos, lembre-se que a opção por utilizar qualquer tipo de aditivo é puramente estratégica, ou seja, quando o problema não pode ser controlado por meio do manejo. Isto significa que um aditivo deve ser sempre o segundo plano, nunca o primeiro. Cada produtor sabe dos problemas e dos potenciais da sua propriedade e, então, deve raciocinar e compreender que o manejo pode melhorar todas ou a maior parte das lacunas de um sistema de produção. Pense nisso!

Todos os resultados desta pesquisa podem ser encontrados no seguinte artigo:

Bernardes, T.F., De Oliveira, I.L., Lara, M.A.S, Casagrande, D.R., Àvila, C.L.S., Pereira, O.G. Effects of potassium sorbate and sodium benzoate at two application rates on fermentation and aerobic stability of maize silage. Grass and Forage Science. 2014.
 

ARTIGO EXCLUSIVO | Este artigo é de uso exclusivo do MilkPoint, não sendo permitida sua cópia e/ou réplica sem prévia autorização do portal e do(s) autor(es) do artigo.

THIAGO FERNANDES BERNARDES

Professor do Departamento de Zootecnia da Universidade Federal de Lavras (UFLA) - MG.
www.tfbernardes.com

18

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

THIAGO FERNANDES BERNARDES

LAVRAS - MINAS GERAIS - PESQUISA/ENSINO

EM 16/03/2015

Caro André, infelizmente não poderei te ajudar, pois esta não é a minha área de atuação. São semelhantes, mas não podemos generalizar. Procure um Engenheiro de Alimentos que este profissional te dará informaçoes mais seguras.

Att,

Thiago Bernardes
ANDRÉ RAMOS

PINDAMONHANGABA - SÃO PAULO

EM 14/03/2015

Caro Thiago, desculpe-me por fazer uma pergunta que foge do objetivo do fórum, mas se puder responder agradeço: Vou ingressar na produção de molhos, necessito aumentar a vida útil do produto que é envasado em sachês. Qual conservante mais apropriado, o benzoato de sódio ou o sorbato de potássio ? Qual a dosagem ideal para 1 KG. de produto? Qual a durabilidade do produto após a adição do consevante nos molhos?
THIAGO FERNANDES BERNARDES

LAVRAS - MINAS GERAIS - PESQUISA/ENSINO

EM 15/09/2014

Caro Alison, o benzoato de sódio ou o sorbato de potássio não causam efeitos negativos a saúde animal.

Estes produtos são consumidos diariamente por nós humanos. Veja as embalagens de produtos em conserva que compramos no supermercado. Eles estarão lá.



Att,



Thiago Bernardes
ALISON VIDI

XAXIM - SANTA CATARINA

EM 12/09/2014

O benzoato de sódio, pode ter algum efeito prejudicial para saúde dos animais que irão ingeri-la?

Att

Alison Vidi
THIAGO FERNANDES BERNARDES

LAVRAS - MINAS GERAIS - PESQUISA/ENSINO

EM 02/09/2014

Caro Ronaldo, estes produtos podem variar de R$ 4 a 7/Kg.

Gostaria de fazer um comentário sobre o final da tua fala e complementar que o pós-abertura é essencial, mas as etapas que envolvem a produção da silagem (colheita, compactação, vedação) são tão importantes quanto. Elas são interligadas. Uma sempre depende da outra. Lembre-se sempre disso.

Sucesso!



Att,



Thiago Bernardes
THIAGO FERNANDES BERNARDES

LAVRAS - MINAS GERAIS - PESQUISA/ENSINO

EM 02/09/2014

Caro José, oportuno o teu comentário, pois irei aproveitá-lo para a justificar o uso de tal termo. Quimicamente o benzoato de sódio e o sorbato de potássio são considerados sais de ácidos orgânicos. Contudo, no ambiente zootécnico nós os chamamos 'ácidos', pois é mais familiar para todos que trabalham com silagem. Perceba que este é uma ambiente frequentado por produtores e técnicos, então a linguagem aqui deve ser a mais clara e próxima da realidade possível.

Deixando a terminologia de lado e caminhando para as questões técnicas, não é incorreto dizer que os ácidos foram efetivos, pois são eles quem inibem/matam os microrganismos deterioradores, ou seja, são os ácidos que agem na célula microbiana.



Att,



Thiago Bernardes
RONALDO CASTRO MOREIRA

WENCESLAU BRAZ - MINAS GERAIS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 02/09/2014

Caro Thiago,



Você tem noção dos custos destes produtos e onde consegui-los no Sul de Minas? Suas informações são muito importantes pois é depois de aberto que teremos lucro ou não com o silo.



Parabéns pela pesquisa, objetiva e aplicável.



Saúde e Paz.



Ronaldo
JOSÉ C.PEREIRA

CATAGUASES - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 01/09/2014

Senhor Bernardes,



O senhor escreveu: "Como o benzoato de sódio na companhia do sorbato de potássio são os dois ácidos  mais comercializados no Brasil..."    e    "Os resultados nos mostraram que ambos os ácidos são...".



Benzoato e sorbato não são ácidos, senhor Bernardes. São sais.
THIAGO FERNANDES BERNARDES

LAVRAS - MINAS GERAIS - PESQUISA/ENSINO

EM 30/08/2014

Caro Higor, existem dois tipos de Lactobacillus. Aqueles que melhoram a fermentação e aqueles que reduzem/evitam a deterioração aeróbia (assunto deste artigo).

No mercado brasileiro poucas empresas possuem aqueles que evitam a deterioração, mas a maioria delas comercializam as bactérias que apoiam o processo fermentativo.

Para evitar/reduzir a deterioração no topo eu entendo que os ácidos fazem um melhor papel. Aplicar bactéria somente naquela região pode não ser efetivo, pois as mesmas podem não sobreviver.

Lembre-se que estamos discutindo aplicação estratégica de aditivo. Ou seja, eu conduzo pesquisas para que os produtores tenham opções de escolha e que estas sejam efetivas e econômicas.



Att,



Thiago Bernardes
FLAVIO SUGUIMOTO

GOIÂNIA - GOIÁS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 29/08/2014

Higor,



Pelo que entendi ele não substitui o inoculante. Eles servem para proteger as regiões periféricas do silo.
HIGOR COUTO ALVES

GOIÂNIA - GOIÁS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 28/08/2014

Ola professor,

O uso de algum destes dois ácidos chega a ser muito mais eficaz do que o uso de produtos no mercado, como por exemplo os aditivos a base de bactérias (Lactobacillus)?

E questão de preço por aplicação, independentemente da região do país, cheega a ser mais em conta?



Higor Couto Alves
THIAGO FERNANDES BERNARDES

LAVRAS - MINAS GERAIS - PESQUISA/ENSINO

EM 28/08/2014

Caro Flávio, essa é uma decisão do produtor (ou técnico responsável), pois é ele quem tem um histórico de qual é a profundidade da camada afetada pelas perdas. 30 cm é muito comum, mas já presenciei até 80 cm em casos extremos. Por outro lado já observei camadas finas de 15 cm e até mesmo ausência de deterioração no topo.



Att,



Thiago Bernardes
THIAGO FERNANDES BERNARDES

LAVRAS - MINAS GERAIS - PESQUISA/ENSINO

EM 28/08/2014

Caro Tiago, a aplicação é feita por meio de uma solução, ou seja, você deve diluir o produto em água. A quantidade de água a ser utilizada dependerá da forma de aplicação (campo ou sio). No campo por meio da colhedora gasta-se menos água (3 L de solução por tonelada). No silo, em forma de 'ducha' gasta-se de 10 a 15 L por metro quadrado. Outra opção é utilizar bomba costal quando a forragem está sendo descarregada e compactada no silo. Lembre-se que a homogeneização da solução com a forragem é extremamente importante.



Att,



Thiago Bernardes
WAGNER PIRES

INDAIATUBA - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 28/08/2014

Thiago, parabéns pelo artigo.

Um ponto importante para um futuro artigo seu é a forma de se colocar a lona sobre o silo, tenho adotado como norma nas fazendas em que presto consultoria no dia de fechar o silo deixar a lona exposta ao sol para que ela fique mais flácida e somente cobrir o silo nas horas mais quentes do dia. Desta forma conseguimos esticar bem a lona e quando a mesma esfria não fica espaço, do contrario quando a lona fica flácida nas horas quentes ela abre espaço para o ar. Tenho conseguido bom resultado desta forma, o que você acha?

Grande abraço.

Wagner Pires  
FLAVIO SUGUIMOTO

GOIÂNIA - GOIÁS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 27/08/2014

Prof. Thiago,

Entendi.

Como saber qual a profundidade da camada a ser tratada?

att,

Flavio Suguimot
TIAGO SOUZA CARVALHO

SALVADOR - BAHIA

EM 27/08/2014

Caro professor Thiago,

A aplicação é feita com ou sem diluição do produto  em água?

Att.

Tiago Carvalho
THIAGO FERNANDES BERNARDES

LAVRAS - MINAS GERAIS - PESQUISA/ENSINO

EM 27/08/2014

Caro Flavio, você precisa ter uma estimativa de quantas toneladas irão compor o topo do silo (densidade da camada a ser tratada). Para isso o único dado a ser estimado seria então a densidade da silagem. De forma geral pode-se usar 450-500 kg / m3. Posteriormente defini-se a camada a ser tratada (20, 30, 40 cm....). Para finalizar o cálculo você usará as medidas de largura e comprimento do silo.

Caso persista alguma dúvida, por favor escreva.



Att,



Thiago Bernardes
FLAVIO SUGUIMOTO

GOIÂNIA - GOIÁS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 27/08/2014

Prof. Thiago,



Como fazer o calculo para aplicação no topo dos montes, pensando que seria melhor que a formula seria mais prática se fosse feita usando m2 de aplicação.



No nosso caso usamos silo de trincheira portanto o volume de silagem sem contato com o ar é muito maior. Como saber quanto aplicar?



atenciosamente,

Flavio Suguimoto