ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Qualidade da água: 4 - microorganismos

VÁRIOS AUTORES

PRODUÇÃO

EM 06/09/2007

6
0
Na busca da maximização na produção animal, um dos requisitos à serem considerados e, muitas vezes esquecido pelos produtores, é a questão da qualidade da água ingerida pelo animal, pois, cerca de 80% de todas as doenças que afetam homens e animais nos países em desenvolvimento são provenientes da água de má qualidade.

A água deve estar isenta de contaminantes químicos e biológicos. Entre os contaminantes biológicos pode-se citar organismos patogênicos como: bactérias, vírus, protozoários e helmintos.

Esses contaminantes utilizam a água como veículo, que quando ingerida, causam danos ao organismo do animal. Agentes de muitas doenças podem ser veiculados pela água como por exemplo: carbúnculo, leptospirose, brucelose, tuberculose, febre aftosa e outras (Tabela 1.).

Tabela 1. Maiores agentes infecciosos encontrados em água contaminada em todo o mundo.


Os patógenos que se desenvolvem na água merecem considerável atenção. Eles podem causar desordens gastrointestinais, infecções em órgãos respiratórios, pele, ouvido, olhos e trato urinário. Exposição à patógenos oportunistas em ambiente ao ar livre pode ocorrer através de inalação através de spray dos efluentes de esgotos e também com o contato corporal com água contaminada para consumo ou para irrigação. Podem ser também transmitidos por contato direto com os animais ou com suas fezes, de uma pessoa para outra, e através de fontes de água para consumo, como poços e mananciais.

A leptospirose, por exemplo, é uma doença que acomete principalmente roedores e outros animais silvestres, porém afeta também o homem e diversos animas domésticos, tendo como principal meio de propagação a urina dos animais contaminados, que em contato com o meio (exemplo: água e alimentos) irá contaminar outros animais. As leptospiras podem sobreviver no ambiente até semanas ou meses, dependendo das condições do ambiente. Porém, são bactérias sensíveis aos desinfetantes e a exposição de luz solar direta, sendo rapidamente mortas pelo hipoclorito de sódio, presentes na água sanitária.

As carcaças de animais mortos também podem ser um risco, através delas podem-se alastrar doenças, propagadas pelo contato direto de outros animais com a carcaça, ou através da água, poeira, moscas, etc. Todo animal morto na propriedade deve ser incinerado ou enterrado. A incineração é um método caro, pois se deve destruir totalmente a carcaça, reduzindo-a a pó.

Ao optar por enterrar a carcaça, deve-se abrir a vala ao lado da carcaça, evitando-se transitar com ela pela propriedade, ao abrir a vala com uma profundidade não inferior a 60 cm, deve-se jogar cal no seu interior, e após a colocação da carcaça jogar novamente cal, e só então efetuar a cobertura, jogando primeiramente a porção de solo na qual o animal se encontrava morto.

A presença de bactérias coliformes, dentre as quais a Escherichia coli, serve como indicador da contaminação da água por microrganismos (Domingues e Langoni, 2001). Embora estes indicadores não sejam sempre patogênicos e não sejam correlacionados diretamente com outros patógenos, eles são os mais fáceis e com menor custo para detectar.

A mensuração é expressa pelo número mais provável (NMP) e representa a quantidade mais provável de coliformes existentes em 100 ml de água da amostra, sendo considerada como normal encontrar até 1.000 coliformes fecais por mililitro de água.

A E. Coli tem uma característica notável de crescimento e sobrevivência em diversas condições ambientais (Kauppi et al., 1998). No solo, a E. Coli é capaz de sobreviver mais de 60 dias à 25ºC e 100 dias à 4ºC (Bogosian et al., 1996). A luz do sol tem sido considerada como o fator de maior detrimento para a sobrevivência da E. Coli na água. Outros fatores que têm sido mostrados ou sugeridos como relacionados à sobrevivência de bactérias, são: temperatura, pH, nutrientes, predadores, tipo de solo, época do ano e competição com outros organismos (Ferguson et al. 2003).

Novos métodos moleculares e bioquímicos para a detecção de fontes de contaminação estão sendo desenvolvidos, mas as informações da sobrevivência e crescimento da bactéria e patógenos originários da água são limitadas e muitas vezes contraditórias.

Estes agentes podem entrar em contato com a água através da má drenagem dos dejetos da propriedade, como por exemplo, nas granjas de aves e suínos, bem como a proximidade da reserva de água com fossas (Maiores informações sobre a construção e funcionamento da fossa séptica, podem ser encontradas no site da Embrapa Instrumentação Agrícola.

Particularmente, em áreas rurais e em períodos de intensas chuvas, a proteção insuficiente dos poços pode levar à contaminação. O produtor deve se preocupar em fazer periodicamente vistorias nos reservatórios de água para verificar a presença de fendas, pois estas podem ser a porta de entrada para os patógenos.

Na maioria das propriedades rurais, costuma-se esquecer da importância da limpeza periódica dos bebedouros, sendo uma ação simples, mas com grande impacto na produtividade animal, existem diversas maneiras de limpeza e desinfecção, uma delas, é apresentado por Boyles (2007).

O autor explica que para se fazer a limpeza dos bebedouros e reservatórios pode-se utilizar sulfato de cobre (CuSO4), na proporção de: 1g CuSO4 para 1047 litros de água. O mesmo autor afirma que este procedimento terá uma ação eficaz contra os agentes microbiológicos por vários meses.

Referências bibliográficas:

BOGOSIAN, G., SAMMONS, L. E., MORRIS, P. J. L., O`NEILL, J. P., HEITKAMP, M. A. & WEBBER, D. B. Death of Escherichia coli K-12 strain W3110 in soil and water. Applied and Environmental Microbiology 62, 4114-4120. 1996.

BOYLES, S. acessado em 21/08/2007.

DOMINGUES, P.F.; LANGONI, H. Manejo sanitário animal. Ed. EPUB, Rio de Janeiro, 2001.

EMBRAPA INSTRUMENTAÇÃO AGRÍCOLA, acessado em 31/08/2007.

FERGUSON, C., A. de RODA HUSMAN, N. ALTAVILLA, D. DEERE, AND N. ASHBOLT. Fate and transport of surface water pathogens in watersheds. Critical Reviews in Environmental Science and Technology 33(3):299-361. 2003.

GELDREICH, E.E. Microbiological quality of source waters for water supply in MCFETERS, G. A. (Ed.), Drinking Water Microbiology. Springer-Verlag, New York. 1990.

HANCOCK, D. D., BESSER, T. E. & RICE, D. H. The ecology of Escherichia coli 0157:H7 in cattle and the impact of management practices. Preventive Veterinary Medicine 35, 11-19. 1997.

HERRIOTT, D. E., HANCOCK, D. D., EBEL, E. D., CARPENTER, L. V., RICE, D. H., BESSER, T. E. Association of herd management factors with colonization of dairy cattle by shiga toxin-positive Escherichia coli 0157. Journal of Food Protection 61, 802-807. 1998.

KAUPPI, K. L., O`SULLIVAN, D. J. & TATINI, S. R. Influence on nitrogen source on low temperature growth of verotoxigenic Escherichia coli. Food Microbiology 15, 355-364.LOCKING,

M. E., O`BRIEN, S. J., REILLY, W. J., WRIGHT, E. M., CAMPBELL, D. M., COIA, J. E., BROWNING, L. M., RAMSAY, C. N., 2001. Risk factors for sporadic cases of Escherichia coli 0157 infection: the importance of contact with animal excreta. Epidemiol. Infect. 127, 215-220. 1998.

WALLACE, J. S., CHEASTY, T. & JONES, K. Isolation of Verocytotoxin producing Escherichia coli 0157 from wild birds. Journal of Applied Microbiology 82, 399-404. 1997.

PATRICIA MENEZES SANTOS

VINICIUS DE OLIVEIRA CHIMENEZ

Especialista em Agronegócios
Consultor em Gado de Corte - NOVILHO PRECOCE

NINO RODRIGO CABRAL DE BARROS LIMA

6

COMENTÁRIOS SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Seu comentário será exibido, assim que aprovado, para todos os usuários que acessarem este material.

Seu comentário não será publicado e apenas os moderadores do portal poderão visualizá-lo.

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

TANIO PAIXAO DE OLIVEIRA SANTOS

S.FELIX DO XINGÚ - PARÁ - PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE

EM 26/08/2008

Gostaria de saber se a temperatura da água tem influencia na relação pastejo e resultados na engorda?

E ainda qual a melhor opção reservatórios, metálicos, açudes (reserva de água da chuva), represas, levando em consideração: temperatura da água, ingestão de residuos (terra, urina, estrumes, etc)?
LEONARDO CHECON DANTAS

ILHÉUS - BAHIA - ESTUDANTE

EM 07/06/2008

Parabens pela iniciativa,

É muito bom ver a participação de todos no desenvolvimento da pecuaria brasileira.
Concordo com o Sr. Luiz Carlos a respeito da falta de detalhes, sem dúvida isso poderia ter tornado este artigo melhor do que já está.

LUIZ CARLOS NUNES DOS SANTOS

SALVADOR - BAHIA - PRODUÇÃO DE OVINOS

EM 22/02/2008

A matéria é esclarecedora quando alerta sobre os perigos existentes em não se tratar a água devidamente, porém, deveria apresentar detalhes de tratamento, principalmente de águas paradas.

Obrigado.
RUBENS REZENDE

CAMPO VERDE - MATO GROSSO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 17/09/2007

São pequenos detalhes que, em uma somatória, acabam fazendo com que a gente perca ou deixe de ganhar dinheiro,

Parabéns.
ADRIANI SANTINNI

RECIFE - PERNAMBUCO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 17/09/2007

Boa Tarde,

Volto insistentemente, a chamar o público pecuarista a dar mais atenção a alguns produtos orgânicos que estão no mercado, mas por força de alguns lobes não chegam nem se quer a ser comentados. Como é o caso do "Dióxido de Cloro Estabilizado".

Este produto é orgânico e age como bactericida, virucida e fungicida, além de tratar a água para consumo humano.
EDMUNDO PEREIRA FURTADO

JUIZ DE FORA - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 14/09/2007

Parabéns a vocês,

Nota dez. De agora em diante, vou modificar muita coisa na propriedade e orientar os vizinhos.

Grato,

Abraços.Edmundo