ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Modificações ambientais para clima tropical

POR LÁZARO SAMIR ABRANTES RASLAN

E SÔNIA MARTINS TEODORO

PRODUÇÃO

EM 06/07/2007

0
0
O Brasil possui 2/3 de seu território dentro da faixa tropical, apresentando, portanto, alta temperatura e umidade, que trazem mudanças no bem-estar e no comportamento dos animais. Existem meios de reduzir a ação dos elementos climáticos e com isso melhorar o ambiente. As modificações ambientais são estratégias usadas para amenizar os problemas existentes na relação animal-ambiente, constituindo-se de processos artificiais para atenuar a ação de elementos danosos do ambiente natural sobre os animais.

Há duas classes de modificações: Primárias e Secundárias.

Modificações Primárias

São aquelas relacionadas ao invólucro, ou seja, aquelas relacionadas com o abrigo, com a instalação propriamente dita e permitem proteger os animais durante períodos em que o clima se apresenta extremamente quente ou frio, ajudando-o a aumentar ou reduzir sua perda de calor corporal.

Podem ser citadas como principais:

- a disposição das instalações em relação ao sol,
- altura do pé-direito,
- as coberturas das instalações,
- lanternins,
- sombreamento natural,
- os quebra-ventos,
- canalização dos ventos
- a utilização de ventilação natural,
- todos os tipos e dispositivos de fechamento


Figura 1. A: Disposição em relação ao sol, B: Lanternins

A disposição das instalações é importante por permitir reduzir a radiação direta e produzir maior área de sombra aos animais (Fig. 1 A). Os lanternins auxiliam na movimentação do ar dentro da instalação e possibilita maior troca de calor animal-ambiente, melhorando assim o ambiente interno e bem-estar animal (Fig. 1 B).


Figura 2. A: Sombreamento natural na parte lateral, B: Quebra-vento

O sombreamento natural lateral diminui a radiação direta dentro da instalação e sobre a cobertura, proporcionando uma temperatura mais amena aos animais (Fig. 2 A). Os quebra-ventos reduzem a velocidade dos ventos fortes e auxiliam no fechamento e sombreamento ao redor das instalações (Fig. 2 B e 3 A).


Figura 3. A: Quebra-vento, B: Canalização dos ventos e ventilação natural

A canalização dos ventos com vegetação natural auxilia no aumento da ventilação dentro da instalação, melhora o ambiente interno, e possibilita o sombreamento ao redor da construção (Fig. 3 B).


Figura 4. Direcionamento do vento com uso de vegetação natural

O direcionamento do vento possibilita diminuir a temperatura da cobertura e com isso reduzir a transmissão de calor para dentro da instalação e auxilia direcionar o vento para as aberturas laterais, aumentando a circulação de ar interna (Fig. 4).

Vê-se que as modificações primárias devem ser estudas e avaliadas antes da construção das instalações. Pois, posteriormente para se adequar às exigências dos animais torna-se muito mais difícil e caro. A produção zootécnica, de uma maneira geral, requer construções simples, projetadas de forma que permitam o condicionamento térmico natural, porém as mesmas devem ser planejadas e projetadas com antecedência.

Deve-se primeiramente avaliar alguns pontos como:

- Relevo e localização da instalação,
- Disponibilidade de água,
- Energia elétrica,
- Radiação direta,
- Chuvas e ventos.

As instalações zootécnicas serão mais eficientes se dimensionadas adequadamente, de forma a fornecer condições ambientais próximas às ideais, isso dependendo do tipo e quantidade de animais, finalidade e o sistema de manejo. Daí surge a necessidade de adaptação de instalações, com características construtivas que garantam ao animal abrigado desenvolver todo seu potencial genético, conforme cita Nããs (1998).


Figura 5: Arquivo do autor

As figuras acima mostram que com construções simples e funcionais é possível produzir e fornecer um ambiente favorável aos animais.

Portanto, as instalações devem ser racionais, com o que se conseguirá maior rendimento da mão-de-obra, boa movimentação dos insumos ou produtos finais, bom destino final dos subprodutos e conseqüentemente maiores lucros.

Modificações Secundárias

As modificações secundárias correspondem ao manejo do micro ambiente interno das instalações. Geralmente envolvem um nível mais alto de sofisticação e compreendem processos artificiais de ventilação, aquecimento e refrigeração.

Há aspectos positivos nessa classe de modificações, tais como um melhor aproveitamento de espaço físico e de mão-de-obra, apesar de maior consumo de energia e maior custo de implantação do projeto.

As modificações secundárias, contudo, devem vir apenas após esgotados todos os recursos das modificações primárias e quando se pretende aumentar a densidade de alojamento de animais.


Figura 6. Esquema de modificações secundárias que podem ser adotadas para melhorar o ambiente dos animais

A ventilação forçada possibilita uma maior troca de calor entre animal-ambiente e respostas favoráveis à climatização dos ambientes (Gráfico 1).


Gráfico 1. Troca de calor entre animal/ambiente sob ventilação natural e forçada

A disposição dos ventiladores dentro da instalação é importante para aumentar a eficiência do sistema na eliminação de calor (Fig. 12 e 13).


Figura 7. A: Sistema de ventilação positiva, longitudinal (ventilação tipo túnel), B: Sistema de ventilação positiva, transversal.

O sombreamento artificial pode ser feito com tela preta de polietileno com malha para 50, 60,70 e 90% de sombra (ideal para ovinos é 70%), em camada única sobre estrutura de madeira, sem fechamento lateral, com pé-direito de 2,80 m (p/ ovinos) e 4 a 5 m (p/ bovinos).


Figura 8. Sugestão de estrutura para fornecimento de sombreamento artificial em piquetes - Adaptada de Ferreira (2005).


Tabela 1. Médias estimadas e erros-padrão da temperatura retal (TR), e da freqüência respiratória (FR), em função do local e do período de coleta em vacas da raça holandesa.


Médias seguidas de letras maiúsculas nas colunas, e minúsculas nas linhas, diferem entre si pelo teste de Tukey a 5%. Fonte: Adaptada de Barbosa et al., 2004.

Vê-se pela tabela que o sombreamento artificial trouxe maior conforto aos animais, principalmente nas horas mais quentes do dia. Isso possibilita um melhor bem-estar animal e conseqüentemente uma maior produção e qualidade do produto final.

Ao adotar esse sistema de sombreamento artificial, é viável, primeiramente, observar alguns pontos importantes:

- viabilidade econômica do sistema,
- categoria animal e quantidade de animais,
- comportamento natural do animal,
- tipo de material utilizado e vida útil,
- localização,
- fornecer sombra a todos os animais do piquete para evitar brigas,
- fazer revisões periódicas

As modificações ambientais auxiliam, portanto, a reduzir os efeitos climáticos diretos e indiretos impostos aos animais, tornando o ambiente circundante mais propício à sua mantença, produção e reprodução. Cabe então, identificar as modificações que podem ser adotadas e planeja-las antecipadamente para que se possa calcular os custos, escolher os animais, escolher os locais e tipo das instalações, mão-de-obra e o melhor sistema de manejo a ser adotado.

A produção animal toma uma dimensão na qual "produzir apenas" não satisfaz os consumidores, eles querem algo mais, e a criação racional com bem-estar animal pode ser usada para a valorização do produto final e satisfação do mercado interno e externo.

Bibliografia Consultada

BARBOSA, O.R., BOZA, P.R., SANTOS, G.T., SAKAGUSHI, E.S. e RIBAS, N.P. Efeitos da sombra e da aspersão de água na produção de leite de vacas da raça Holandesa durante o verão. Acta Scientiarum. Animal Sciences Maringá, v.26, n.1, p.115-122, 2004.

FERREIRA, R.A. Maior produção com melhor ambiente para aves, suínos e bovinos. Viçosa - MG: Aprenda fácil, 2005.

MÜLLER, P.B. Bioclimatologia aplicada aos animais domésticos. 3ª ed. Porto Alegre - RS: Editora Sulina, 1989.

NÃÃS, I.A. Princípios de conforto térmico na produção animal. São Paulo: Ícone Editora, 1989.

RASLAN, L.S.A. e TEODORO, S.M. Aspectos comportamentais e fisiológicos de ovinos tipo santa Inês em ambiente tropical. www.farmpoint.com.br/bem-estarecomportamentoanimal . 07/05/2007.

RASLAN, L.S.A. Zona de conforto térmico e adaptação de ovinos. www.farmpoint.com.br/bem-estarecomportamentoanimal . 01/06/2007.

SILVA, R.G. Introdução à Bioclimatologia animal. São Paulo - SP: Editora Livraria Nobel, 2000.

LÁZARO SAMIR ABRANTES RASLAN

Zootecnista e mestre em produção de ruminantes. Extensionista do projeto Balde Cheio, Agente de Desenvolvimento e Extensão rural do Incaper-ES e Articulador da região norte do Programa Capixaba de Bovinocultura Sustentável.

0

COMENTÁRIOS SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Seu comentário será exibido, assim que aprovado, para todos os usuários que acessarem este material.

Seu comentário não será publicado e apenas os moderadores do portal poderão visualizá-lo.

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.