FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Importância das vitaminas na nutrição de ovinos

POR EDSON F EVARISTO DE PAULA

E JORDANA ANDRIOLI SALGADO

PRODUÇÃO

EM 15/10/2012

6
2
As vitaminas são constituintes complexos dos alimentos, muitas vezes presentes na forma de seus precursores, e são responsáveis por papéis importantes no metabolismo animal. Cada molécula desempenha função específica no organismo e todas são essenciais no controle de processos vitais dos indivíduos. Portanto, a presença de quantidades adequadas de vitaminas na dieta é importante na produção de ovinos, bem como das demais espécies, uma vez que afetam intimamente características de crescimento, reprodução e também o desenvolvimento do sistema imune.

Existem duas principais classificações para as vitaminas, as lipossolúveis (vitaminas A, D, E e K) e as hidrossolúveis (vitaminas do complexo B e vitamina C). É essencial que a dieta fornecida aos animais possibilite a ingestão adequada dessas vitaminas e/ou de seus precursores para prevenir quaisquer deficiências ou excessos (hipo ou hipervitaminoses, respectivamente). De maneira geral, os alimentos utilizados na nutrição de ovinos possuem quantidades consideráveis de vitaminas em suas composições e também os animais apresentam requerimento ínfimo desses componentes, necessitando apenas de pequenas quantidades para a manutenção adequada da saúde, crescimento e reprodução.

Os alimentos volumosos, como as forragens frescas e as conservadas, são importantes fontes potenciais de vitaminas. A concentração desses nutrientes nas forragens é dependente da espécie de planta utilizada, das condições climáticas no cultivo dessa espécie, do estádio de maturidade da planta, do método de conservação no caso de forragens conservadas e das condições de estocagem desse material.

Além disso, conforme discutido por ZEOULA & GERON (2006), os ruminantes adultos conseguem sintetizar as vitaminas do complexo B e a vitamina K, pela ação dos microrganismos do ambiente ruminal durante a degradação e fermentação dos alimentos. Já a vitamina D, é sintetizada através da radiação da luz solar sobre precursores presentes na pele, enquanto a vitamina C pode ser naturalmente sintetizada a partir de carboidratos (glicose e galactose). Portanto, em condições normais, os ovinos raramente precisam ser suplementados com essas vitaminas, devendo ser dada maior atenção às necessidades de vitaminas A e E que dependem diretamente da dieta.

Todavia, com a intensificação que vem ocorrendo nos sistemas de produção de ovinos, há uma maior suscetibilidade à ocorrência de distúrbios decorrentes de deficiências vitamínicas (hipovitaminoses). Por exemplo, a manutenção dos animais em confinamento excessivo com pouco ou nenhum acesso à luz solar, pode ocasionar uma deficiência severa de vitamina D, uma vez que não ocorre a conversão dos precursores devido à ausência de radiação ultravioleta sobre a pele. Também, uma dieta de alto grão com elevadas proporções de concentrado e pouco volumoso, pode reduzir drasticamente a população de bactérias produtoras de tiamina (Vitamina B1) e proliferar as bactérias produtoras de tiaminases no rúmen (enzimas capazes de destruir a tiamina), levando à deficiência desta vitamina e ao aparecimento de sinais clínicos (Figura 1), sendo mais comum a Polioencefalomalácia (Saiba mais: "Polioencefalomalácia em pequenos ruminantes" Link: ).

Figura 1 - Cordeiro em decúbito, com sinais clínicos nervosos: fornecimento de dieta com elevada proporção de concentrado e animal com rúmen não desenvolvido completamente, resultando em deficiência de vitamina B1.



Vitamina A: está relacionada à produção do pigmento da visão e aos processos metabólicos nas membranas de células receptoras de luz na retina. É também importante para a reprodução (espermatogênese), participa na manutenção de tecidos esquelético e epitelial e no desenvolvimento ósseo. As forragens apresentam quantidades abundantes de precursores de vitamina A (carotenóides ou provitamina A), que são convertidos no organismo. Porém em épocas de seca/escassez de forragem ou ainda para animais em confinamento, deve-se atentar para a correta suplementação deste componente, pois a deficiência pode provocar cegueira noturna, perda de apetite, redução no crescimento, maior susceptibilidade às infecções e também problemas reprodutivos.

Vitamina D: participa na absorção de cálcio e fósforo no intestino, no transporte desses elementos no sangue e na mobilização e fixação desses minerais nos ossos. Em condições normais a necessidade desta vitamina é suprida pela produção na pele do animal quando em exposição à luz solar. A deficiência em animais jovens pode acarretar raquitismo (crescimento retardado) e, devido às alterações no metabolismo ósseo, fraqueza e dificuldade de se levantar ou deitar.

Vitamina E: uma das principais funções desta vitamina é atuar como antioxidante no organismo. É abundante em forragens verdes e frescas e a deficiência pode ocorrer devido à utilização de ingredientes de baixa qualidade na alimentação dos animais, como forragens demasiadamente secas, e também em animais com taxas muito aceleradas de ganho de peso ou dietas que elevem as exigências de vitamina E (como as ricas em gorduras não saturadas). Os sintomas de deficiência são: atraso no crescimento, degeneração dos músculos esqueléticos e cardíacos, com calcificação anormal, podendo desenvolver distrofias musculares, como a doença do músculo branco (Figura 2).

Figura 2 - Cordeiro com doença do músculo branco (Saiba mais: "Doença do músculo branco em pequenos ruminantes". Fonte: sheepandgoat.com



Vitamina K: tem importante papel na coagulação do sangue. De modo geral, a deficiência de vitamina K em ruminantes é bastante rara, uma vez que ocorre produção elevada desta vitamina pelas bactérias do rúmen. Porém, quando ocorre, está relacionada a dificuldades na coagulação sanguínea, o que pode resultar em hemorragias.

Vitaminas do complexo B: como mencionado anteriormente, os ruminantes em geral, conseguem sintetizar quantidades adequadas de vitaminas do complexo B por meio das bactérias ruminais. Porém, atenção maior deve ser dada aos cordeiros, enquanto ainda não apresentam rúmen funcional, e por isso podem apresentar deficiências. Também, algumas plantas tóxicas, como a Samambaia (Pteridium aquilinum) e a Cavalinha (Equisetum vulgare), têm seu princípio tóxico baseado na presença de tiaminases em sua composição, que degradam a vitamina B1. Ovinos adultos não apresentam sintomas de deficiência desta vitamina por ingestão de plantas tóxicas, provavelmente, porque a síntese pelas bactérias ruminais supre as perdas ocasionadas pelas tiaminases.

Todavia, a ingestão dessas plantas por animais jovens, com atividade ruminal pouco desenvolvida, pode ocasionar deficiências consideráveis de tiamina. Além disso, a utilização de dietas com elevadas proporções de concentrado podem modificar a fermentação ruminal e, consequentemente, a população de microrganismos podendo assim afetar a síntese de vitaminas do complexo B e o suprimento para os animais.

Em especial, no caso de ovinos que são frequentemente acometidos por endoparasitoses, destaca-se a vitamina B12 que possui papel essencial na formação dos eritrócitos (células do sangue). Deste modo, em casos severos de verminose (Figura 3), em que o animal apresenta anemia e baixa ingestão de alimentos, indica-se o aporte de Vitamina B12 juntamente com ferro, aliados ao tratamento anti-helmíntico.

Figura 3 - Anemia severa causada por verminose: a suplementação de vitamina B12 e Ferro são indicadas no suporte ao tratamento anti-helmíntico.



De maneira geral, as vitaminas do complexo B são importantes por participarem em diversas reações no organismo, portanto, são componentes fundamentais do metabolismo animal. Dessa forma, a ocorrência de deficiências desses elementos resulta em sintomas nervosos, anorexia, fraqueza, diarreia, crescimento retardado, desidratação e, em casos graves, a morte do animal.

Literatura consultada

BUENO, M. S.; SANTOS, L. E. dos; CUNHA, E. A. Alimentação de ovinos criados intensivamente, 2007. Artigo em Hypertexto. Disponível em: . Acesso em: 29/8/2012.

ZEOULA, L. M.; GERON, L. J. V. Vitaminas. In: BERCHIELLI, T. T.; et al. (Eds). Nutrição de Ruminantes. Jaboticabal: FUNEP, 2006. 583p.

EDSON F EVARISTO DE PAULA

Zootecnista (UFPR),
Mestre em Ciências Veterinárias (UFPR)
LAPOC - Laboratório de Produção e Pesquisa em Ovinos e Caprinos da UFPR

JORDANA ANDRIOLI SALGADO

Médica Veterinária (UFPR).
Mestre em Ciências Veterinárias (UFPR/LAPOC).
Doutora em Biociências e Biotecnologia (UENF).
Pós doutoranda em Ciência Animal (PUCPR)
Consultora em ovino/caprinocultura e doenças parasitárias.

6

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

FRANCIELE DE SOUZA PEREIRA

EM 23/05/2018

Minha ovelha foi atacada por um cachorro, está prenha e comendo pouco. Dei a vitamina potenay e mesmo assim ela não se alimenta direito. Tem algo que posso fazer?
WOLFGANG GEHRMANN

EM 21/04/2017

Assunto de muita importância para min.wolfgang
OSWADO DE SOUZA ARAUJO FILHO

CAMPOS DOS GOYTACAZES - RIO DE JANEIRO

EM 11/11/2016

boa  tardi para todos  col o melho vermefugo  para as cabras que  estao gestate e a  melhor  vitamina endicada  para as cabras que estao enchertadas      OBS conto tempo leva para parir    epara retorna ocio             OBS  quantos  metros de destancia o bodi reprodutor deve  ficar das cabras que estao dando leite   muito  obligado pela atençao
LUIZ SANDI

LAGES - SANTA CATARINA - OVINOS/CAPRINOS

EM 09/08/2015

gostei

ANONIO OLIVEIRA

PRODUÇÃO DE CAPRINOS DE LEITE

EM 03/01/2014

bom dias

tenho um borrego que desde que nasceu não tem forças para se por de pé, e quando  a gente poi-nos de pé ele cai , o que pode ser?????



obrigado

oliveira
LUCIANO FERREIRA DOS SANTOS

MIRANTE - BAHIA - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 05/01/2013

Muito bom...