FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Estratégias de resfriamento: respostas das vacas e uso de água e energia

VÁRIOS AUTORES

PRODUÇÃO

EM 09/06/2020

4 MIN DE LEITURA

0
11

Se preferir, ouça a narração do conteúdo:

> Responda nossa enquete, é importante para nós sabermos a sua opinião!

O estresse por calor é uma realidade comum em diversas propriedades leiteiras no Brasil devido ao clima predominantemente tropical. Este fato está ligado a alterações comportamentais e fisiológicas dos animais, que afetam o bem-estar, e esses fatores têm uma relação importante com a principal fonte de renda das propriedades leiteiras: a produção de leite.

Os parâmetros básicos para avaliação do animal com estresse térmico de acordo com McArt (2018) são: aumento da frequência respiratória (mais de 60 movimentos respiratórios por minuto), temperatura corporal (mais de 40,56°C) e batimentos cardíacos (superior a 100 bpm). Os sinais clínicos incluem menor tempo se alimentando e ruminando, maior ingestão de água, boca aberta e salivação excessiva, além de menos tempo deitada, a fim de aumentar a superfície de contato para dissipar calor, levando a menor produção de leite e piora no desempenho reprodutivo, inclusive gerando bezerros mais leves.

As formas de dissipação de calor incluem condução, convecção e radiação. A convecção é a forma mais utilizada na criação de bovinos de leite, e consiste na evaporação da água que proporciona a transferência de calor para o ar, sendo a forma mais eficiente. A condução ocorre principalmente quando a vaca está deitada e o calor é passado para a cama e, para isso, podem ser utilizados bons condutores em seu material, como a areia.

Um estudo da Universidade da California, em Davis, testou 4 tratamentos como forma de resfriamento dos animais em Free stall para vacas com produção de 37,5 kg/dia:

(1) tratamento base, em que era utilizada aspersão na linha de cocho em ciclos de 1,5 min ligado e 6 min desligado com ventiladores direcionados para as camas em temperaturas acima de 22,2 °C;

(2) tratamento base otimizado, semelhante ao tratamento 1, porém utilizando-se metade da quantidade de água em ciclos de 0,5 min ligado e 4,5 min desligado em temperatura superior a 22,2 °C e ventiladores direcionados à pista de alimentação;

(3) tapetes resfriados utilizando recirculadores de água, enterrados a 10 cm na cama de areia, ligados a 18,9°C e, linha de aspersão e ventiladores na linha de cocho em temperaturas acima de 30°C, de forma semelhante ao tratamento base e

(4) ductos que direcionam jatos de ar resfriado para as vacas, tanto na linha de cocho como nas camas ligados a 22,2°C e, acima de 30°C semelhante ao tratamento 2.

estresse termico vacas leiteiras resfriamento

Ao avaliar parâmetros fisiológicos, o tratamento que tinha tapetes resfriados teve maior número de movimentos respiratórios por minuto nos horários de aumento de temperatura e índice temperatura e umidade (THI), além de tendência a maior temperatura corpórea nos horário que não tinham resfriamento suplementar, o que indica que somente os tapetes são insuficientes para mitigar o calor. Sendo este o tratamento que mais utilizou água e energia e ainda, mostrou-se ineficiente em relação ao tratamento base – pois a cama de areia oferece normalmente uma troca de calor eficiente e, além disso, as vacas passam menos tempo deitadas quando aumenta a temperatura do ar, o que implica que essa forma de minimizar o calor é limitada pelo comportamento dos animais.

O tratamento 3, constituído por tapetes resfriados sob a cama, mostrou-se o menos eficiente no uso de energia devido à necessidade de dois resfriadores evaporativos. Dentre os quatro tratamentos, o tratamento base otimizado (2) foi o mais eficiente em uso de água e energia, inclusive em temperaturas superiores a 30°C, proporcionando os mesmos parâmetros fisiológicos do tratamento base, mostrando-se uma forma promissora de resfriar vacas, como demonstrado na tabela abaixo.

estresse termico vacas de leite resfriamento

Foi observado neste mesmo estudo que no horário da manhã, comumente mais fresco, 90% do tempo que os animais passam na pista de alimentação é comendo, enquanto em períodos mais quentes do dia, como à tarde, apenas 40-70% desse tempo é gasto se alimentando, como mostram os gráficos abaixo. Estes resultados sugerem que os animais em períodos quentes do dia priorizam utilizar a área para resfriar-se ao invés de comer, o que pode impactar em menor tempo de alimentação quando são submetidos a estresse térmico e, com isso, menor produção de leite.

Figura 1. (a) tempo gasto próximo à área de alimentação e (b) tempo gasto alimentando-se (%h) quando está na pista de alimentação em resposta ao tratamento de redução de calor. Média por hora da temperatura do ar (TA, °C) apresentado no eixo secundário.

estresse termico vacas de leite resfriamento

Em suma, há possibilidade de proporcionar conforto térmico aos animais com menor uso de água e energia ao utilizar ciclos mais curtos de aspersão aliado a ventilação adequada, como foi demonstrado no tratamento otimizado (2). Essa é uma oportunidade para o Brasil que, por possuir clima tropical em grande parte de sua extensão, precisa resfriar seus animais para conseguir resultados satisfatórios em produção e reprodução, com o menor custo possível e em propriedades onde a água é um fator limitante. No entanto, é preciso alertar que em áreas de maior umidade relativa do ar, o sistema de ventilação é de extrema importância no resfriamento dos animais e a aspersão deve ser avaliada.

Referências Bibliográficas

DRWENCKE, Alycia M. et al. 2019. Innovative cooling strategies: dairy cow responses and water and energy use. J. Dairy Sci., 103:5440-5454. http://dx.doi.org/10.3168/jds.2019-17351

MCART, Jessica A.A.; DIVERS, Thomas J.; PEEK, Simon F. Diseases of Body Sistems: Heat Stroke and Heat Stress. In: REBHUN'S Diseases of Dairy Cattle. 3. ed. St. Louis, Missouri: Elsevier, 2018. cap. 16, p. 771-773.

Gostou do conteúdo? Deixe seu like e seu comentário! Quer escrever para nós? Envie um e-mail para contato@milkpoint.com.br.

Participe também do nosso grupo no Telegram, para receber as notícias mais importantes do setor diariamente. Acesse aqui > https://t.me/milkpointexperts

KELLEN RIBEIRO DE OLIVEIRA

BERNARDO MAGALHÃES MARTINS

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.