ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Efeitos do stress térmico no comportamento alimentar e nas exigências nutricionais (parte 1)

PRODUÇÃO

EM 14/07/2000

0
0
João Paulo V. Alves dos Santos e Marcelo Pereira de Carvalho

Vacas leiteiras de alta produção são animais extremamente exigentes em termos de condições ambientais, também necessitando consumir elevada quantidade de alimento, o qual deve ser oferecido em quantidades adequadas e possuir boa qualidade. A qualidade de um alimento pode ser avaliada através o seu valor nutricional ( resultado da análise bromatológica, que demonstra sua composição, feita em laboratório) e do consumo do mesmo pelo animal. Logo, quando oferecemos um alimento de qualidade, a tendência é haver um elevado índice de aceitabilidade do mesmo, resultando num elevado consumo de matéria seca (MS) individual e conseqüente aumento da produção de leite do rebanho de uma fazenda.

A situação descrita acima seria a ideal, porém, raramente conseguimos observá-la com freqüência nas fazendas, por diferentes motivos. Diante da ampla gama de possibilidades que podem vir a afetar o consumo de MS dos animais podemos destacar a influência do ambiente, sendo a temperatura e a umidade relativa do ar (UR%) os principais fatores associados ao stress térmico.

As vacas são animais homeotermos, ou seja, tentam manter a temperatura corporal constante independentemente das condições ambientais. Para tal, realizam troca de calor com o meio em que vivem. Parte do calor gerado por estes animais é utilizada para a manutenção da fermentação ruminal e produção de leite. Quanto mais leite uma vaca produz, maior o seu consumo e sua conseqüente produção de calor. Estudos indicam que à partir de 25 à 27ºC de temperatura ambiente, os animais (maioria) de alta produção passam a sentir desconforto, podendo iniciar sintomas de stress calórico. Os sintomas mais comuns são comumente observados em dias quentes, principalmente em instalações inadequadas (pé direitos baixos e/ou construídas em locais indesejados, com barreiras artificiais ou naturais que dificultam a ventilação ou coberturas de material incapaz de conter a radiação solar).

Os animais que se encontram em stress térmico aumentam o número de respirações por minuto, permanecem com a boca aberta e babam abundantemente. Em situações de elevada umidade, torna-se mais difícil ainda para vacas a dissipação do calor e manutenção da temperatura corporal. Como vacas de alta produção geram mais calor, tais animais tendem a entrar em stress térmico mais rapidamente que animais de produções mais baixas.

A seguir, os principais efeitos e sintomas causados pelo stress:

- Aumento da energia de manutenção, uma vez que a vaca consome mais energia para
"refrigerar-se" sozinha;

- Queda de consumo de matéria seca, impossibilitando, assim, os animais adquirirem
os nutrientes necessários;

- Mudança no comportamento alimentar. As vacas tendem a realizar dois terços da ingestão durante o período mais fresco do dia. Isso representa uma ingestão mais rápida de alimento, elevando os riscos de redução do pH ruminal. Além disto, as vacas procuram selecionar o alimento, dando preferência ao concentrado;

- Os animais encontram-se constantemente com suas bocas abertas e babando, perdendo, assim, muita saliva, a qual contém minerais e tamponantes imprescindíveis;

- Perda de potássio em função do aumento da sudorese e de sódio em função da maior excreção de urina;

- Ruminação prejudicada, pois os animais encontram-se ofegantes e também realizam a seleção de concentrado em detrimento ao volumoso, diminuindo a porcentagem de fibra;

- Queda do pH ruminal. Comumente o pH ruminal é afetado em função do stress térmico pois a seleção do concentrado em detrimento do volumoso induz, proporcionalmente, maior formação de ácido propiônico e a possível produção de ácido lático, o que pode gerar um quadro de acidose. A falta de fibra no rúmen reduz a ruminação e, conseqüentemente, a formação da saliva, a qual exerce importante papel como tamponante na dieta, agravando a situação do animal. Vacas sob stress térmico consomem mais terra, sal e bicarbonato, indicando problemas digestivos. Ao mesmo tempo, nota-se diarréia com bolhas, indicativa de acidose;

- É possível, após alguns meses, geralmente no inverno, encontramos seqüelas do stress térmico como o aumento nos problemas de casco e casos de laminite provenientes da acidose ruminal.

O gráfico a seguir mostra como o pH ruminal varia erm função da temperatura e do teor de forragem da dieta. Quanto mais quente o período e maior o teor de concentrados, menor o pH ruminal.

Figura


Obs: Frio = 18 ºC, Calor 29 ºC, AC = alto concentrado; AF = alta forragem, F = Frio, C = Calor. Fonte: adaptado de Mishra et. Al, Journal of Animal Science 30:1023.

********


fonte: Hoard’s Dairyman, 10 maio 2000

0

COMENTÁRIOS SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Seu comentário será exibido, assim que aprovado, para todos os usuários que acessarem este material.

Seu comentário não será publicado e apenas os moderadores do portal poderão visualizá-lo.

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.