ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Criação de caprinos e ovinos ganha espaço em Minas Gerais

PRODUÇÃO

EM 14/11/2017

1
0
O consumo de carne de cabra e de ovelha, assim como a produção de leite e derivados, tem crescido no Brasil. Neste mercado em ascensão, Minas Gerais ocupa a 10ª posição do ranking de criação de caprinos, com rebanho de 81,3 mil animais. Com grande capacidade de adaptação a climas variados, as espécies atraíram a atenção de criadores e de pesquisadores. Desde 2005, a Embrapa mantém parceria com instituições e criadores de caprinos de leite para melhorar geneticamente animais. 

criação de caprinos e ovinos em Minas Gerais
Grande capacidade de adaptação e rentabilidade são alguns dos atrativos da criação de caprinos e ovinos para a produção de leite ou carne em várias regiões brasileiras, segundo investidores (foto: Leandro Couri/EM/D.A Press)

Esse programa, chamado Capragene, vem ganhando adeptos na Região Sudeste, de acordo com o presidente da Associação dos Criadores de Caprinos e Ovinos de Minas Gerais (Accomig), Rivaldo Nunes. O número de associados da entidade cresceu 30% nos últimos dois anos, assim como a busca por assistência técnica e capacitação, indicativo de que mais derivados do leite de cabra estariam sendo produzidos em Minas e fornecidos aos supermercados.

As raças mais criadas são Saanen, Alpina e Anglonubiana e as principais regiões produtoras do estado de caprinos de leite são a Grande BH, Campos das Vertentes e Zona da Mata. São 19 rebanhos espalhados pelos estados do Sudeste, reunindo aproximadamente 20 mil animais. De acordo com Rivaldo Nunes, a criação de caprinos e ovinos para corte e de dupla aptidão (carne e leite) está mais concentrada no Norte e Nordeste de Minas, enquanto a Zona da Mata e Região Metropolitana de Belo Horizonte respondem por maior quantidade de produção leiteira.

Os cordeiros abatidos em Minas são vendidos para mercados do Rio de Janeiro, São Paulo e Espírito Santos. A escassez de indústria de processamento da carne em Minas, problema que deverá ser sanado com a inauguração de uma unidade deverá entrar em atividade a partir de janeiro de 2018, ainda é o maior gargalo encontrado pelos produtores e criadores.

criação de caprinos e ovinos em Minas Gerais
Os empresários Maria Pia Mattos de Paiva e Frederico Guimarães contrataram especialistas de vários segmentos para montar sistema de confinamento (foto: Leandro Couri/EM/D.A Press). 

A empresária Maria Pia Sousa Lima Mattos de Paiva, da Piallet Queijos Finos de Cabra, da Fazenda Santa Rita, em Florestal, trabalha com o sistema de confinamento. Ela ressalta que, independentemente do módulo adotado pelo criador, é importante garantir o bem-estar dos trabalhadores na fazenda e dos animais, o que considera ideal para que o processo seja economicamente viável.

Para inciar seu negócio, ela contratou arquiteto, engenheiros eletricista e civil e veterinário com experiência em sistemas de bovino confinado. “Planejamos os galpões de forma que os animais fiquem no chão, com forragem e recebam a luz da manhã e da tarde, o que ajuda a secar as camas e o processo de aeração".

A Fazenda Santa Rita tem galpões separados para lactação e ordenha, reprodução, crescimento, bodário e de estoque e laticínios. São 200 cabras e seis reprodutores. O gerente da fazenda, Luís Aparecido de Oliveira, conta que cada cabra produz, em média, entre 3 e 5 litros de leite por dia. Para um quilo de queijo são necessários sete litros. Na Santa Rita são produzidos 100 quilos de queijo semanais, vendidos para BH, Rio de Janeiro e Distrito Federal.

Inovação nas fazendas 

Cada animal consome, por dia, em torno de 1,6 quilo de ração concentrada – milho, soja, polpa cítrica, caroço de algodão e sais minerais e vitaminas – e de silagem de milho e feno. Por essas e outras razões, o investimento nesse segmento é alto. Portanto, o interessado em investir no ramo deve estudar muito as condições do terreno, as possibilidades de assistência técnica próxima que possam atender ao produtor, a demanda do consumidor e sempre inovar e buscar um diferencial, recomenda Edson da Costa Cardoso, da Capril Rancho das Vertentes, em Barbacena. A empresa produz queijos premiados em feiras internacionais e nacionais, promove oficinas para interessados em usar os produtos e cria parte dos animais para charcutaria (defumados e salames).

A recomendação dos empresários a quem tiver interesse no segmento é procurar a Accomig/Caprileite, que avaliará a viabilidade do negócio e prestará assistência técnica. A entidade trabalha em parceria com instituições ligadas ao setor agropecuário, como a Emater, o Instituto Mineiro de Agricultura (IMA), universidades, Empraba, Epamig e o Instituto Cândido Torres. “Trabalhamos de forma integrada no sentido de viabilizar toda a cadeia produtiva de caprinos e ovinos”, explica o presidente da Accomig, Rivaldo Nunes.

Capragene

O programa da Embrapa oferece estimativas dos valores genéticos dos animais e orienta no processo de seleção e melhoramento genético dos rebanhos. O sistema de gerenciamento pode ser acessado pela internet, por meio de um software em rede que permite o registro, o armazenamento e o gerenciamento das informações geradas em rebanhos de caprinos e ovinos.

Outra vantagem, segundo a empresa, é a disponibilização de informações sobre os reprodutores testados no Brasil, garantindo, portanto, maior segurança na aquisição de sêmen ou reprodutor e redução dos riscos sanitários e dos custos de importação de animais. O Capragene libera ainda informações de reprodutores e matrizes superiores por meio de Sumário de Avaliação Genética. Com essas ferramentas, os criadores têm conseguido aumentar o valor agregado dos animais.

As informações são do Estado de Minas. 
 

1

COMENTÁRIOS SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Seu comentário será exibido, assim que aprovado, para todos os usuários que acessarem este material.

Seu comentário não será publicado e apenas os moderadores do portal poderão visualizá-lo.

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

HELTON HIPOLITO DE MORAES

SÃO PAULO - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 15/11/2017

Apenas uma dica: O instituto do leite em Juiz de Fora Minas Gerais, parece que chama-se Candido Tostes.