FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Aprendendo a conhecer os caprinos e ovinos - Parte II - Dentição decídua e permanente

PRODUÇÃO DE LEITE

EM 03/11/2011

4 MIN DE LEITURA

25
2
Por Maria Angela Machado Fernandes, Carina Simionato de Barros, Mylena Taborda Piquera Peres e Melina Luise Camargo Xavier

Os ruminantes possuem os dentes incisivos (da frente) apenas na arcada inferior (mandíbula) e na arcada superior (maxilar) apresentam uma "almofada" chamada de pulvino dentário (Figuras 2 e 5).

Assim como as demais espécies, os pequenos ruminantes apresentam duas dentições: uma decídua (de leite ou temporária) e uma definitiva (permanente). A erupção dos dentes de leite ocorre nos primeiros dias de vida do cabrito/cordeiro e são substituídos gradualmente por dentes definitivos à medida que o animal envelhece.

Os dentes de leite são mais delicados, menores, mais finos e mais claros (Figura 1 A). Já os permanentes são maiores, amarelados e com estrias (Figura 1 B).

Figura 1 - Dentição decídua (de leite) em animal jovem (A) e definitiva em animal adulto (B).



Essa primeira dentição de leite é constituída por 8 dentes incisivos (somente na arcada inferior) e 12 molares, totalizando 20 dentes. Já a dentição permanente (após todas as trocas) é formada por 32 dentes, conforme podemos observar na Tabela 1.

Tabela 1 -Dentição de caprinos e ovinos adultos.



Figura 2 - Ovino adulto com dentição completa.



Por meio da avaliação da arcada dentária e da evolução dos dentes incisivos (troca do decíduo pelo permanente e desgaste) é possível determinar a idade aproximada dos caprinos e ovinos. Porém, essas mudanças e desgastes dos dentes podem variar em função de inúmeros fatores, inclusive alimentação, que podem prejudicar a avaliação, não sendo este um método preciso e apenas uma estimativa.

Essa avaliação é muito importante para rebanhos que não fazem controle zootécnico dos animais. Além disso, sempre que se pretende comprar um animal é muito importante fazer essa avaliação para verificar a real idade do animal.

A determinação da idade dos caprinos e ovinos por meio da avaliação da dentição é um processo relativamente simples. Para isso, primeiro é necessário conter adequadamente o animal, levantar o lábio superior e abaixar o inferir, expondo os dentes incisivos, conforme a Figura 3.

Figura 3-Exposição da dentição incisiva.



Na Figura 4 são apresentados os dentes incisivos (inferiores) que são utilizados para determinação da idade aproximada dos animais. Esses dentes são classificados em: pinças (dentes da frente), primeiros médios, segundos médios e cantos, totalizando quatro pares. Não se esqueça de que os caprinos e ovinos possuem incisivos apenas na arcada inferior (mandíbula)!

Figura 4-Esquema representativo da dentição incisiva inferior dos pequenos ruminantes.



Figura 5 - Pulvino dentário e dentes incisivos utilizados para verificação da idade do animal.



Dentes de leite, definitivos e desgaste x idade do animal

Os cabritos e cordeiros nascem sem dentes e nos primeiros 3-4 dias nascem as pinças e os primeiros médios. Com 10-14 dias de idade nascem os segundos médios e com 25-30 dias de idades os cantos.

Figura 6 -Animal recém-nascido sem dentes (A) e início do aparecimento das pinças com dois dias de idade (B).



Com em torno de 1 ano de idade inicia a primeira troca da dentição de leite pela permanente. O primeiro par de dentes a ser substituído é a pinça (dente da frente), Figura 7.

Figura 7 -Troca completa das duas pinças



Existe pequena variação (meses) entre as épocas de trocas dos dentes incisivos quando comparamos animais de raças ou espécie (caprino ou ovino) diferentes. No entanto, como esta variação é pequena e a determinação da idade pela avaliação da arcada dentária é uma estimativa aproximada, podemos utilizar um esquema geral conforme a Tabela 2.

Tabela 2 - Idade de erupção da dentição permanente e de desgaste em ovinos e caprinos.



Figura 8 - Troca completa das pinças e primeiros médios.



Figura 9 - Troca completa das pinças, primeiros médios e segundos médios.



Figura 10 - Troca completa de todos os dentes incisivos.



A partir dos 4 anos de idade, todas as trocas de dentes de leite pelos permanentes já foram realizadas e o animal é chamado de "boca cheia". Nessa fase a estimativa da idade deve ser feita pela avaliação do desgaste ou arrasamento dos dentes. O desgaste ocorre pelo desaparecimento da parte superior e o surgimento do avale (arrasamento do dente). Porém, animais que recebem alimentos mais grosseiros e com alto teor de fibra podem apresentar maior desgaste dos dentes, o que dificulta a avaliação nessa fase.

Figura 11 - Desgaste (arrasamento) dos dentes incisivos.



Após ocorrer o desgaste de todos os dentes incisivos (utilizados para avaliação da idade), por volta dos 6 a 7 anos, começa o afastamento aparente dos dentes. Este afastamento inicia das pinças para os cantos, apresentando-se em todos os dentes por volta dos 9 anos.

Figura 12 - Afastamento dos dentes em animais com idade avançada (entre 8 e 9 anos).



Animais com idade avançada podem apresentar perdas de dentes. Estas perdas estão diretamente relacionadas com a dieta, o estado nutricional e sanitário do animal.

Figura 13 - Queda de dentes em animal com idade bastante avançada (entre 10-12 anos).



Figura 14 - Animal de 11 anos de idades, sem nenhum dente incisivo.



Fonte: Baalands (2009)

No próximo artigo continuaremos a apresentar outras características dos caprinos e ovinos.

Referências bibliográficas

Aging Sheep and Goats By Their Teeth. Disponível em: http://www.infovets.com/books/smrm/C/C015.htm

BAALANDS (2009) Disponível em: http://www.flickr.com/photos/baalands/3692703548/sizes/m/in/photostream/

FAO A manual for primary animal health care worker. Chapter 3: Cattle, sheep, goats and buffalo, 1994. Disponível em: http://www.fao.org/docrep/t0690e/t0690e05.htm

RIBEIRO, Silvio Doria de Almeida. Caprinocultura: criação racional de caprinos. São Paulo: Nobel, 1997. 318 p.

SANTANA et al. Total erupção dos primeiros dentes incisivos permanentes em fêmeas ovinas da raça Santa Inês. Rev. Bras. Saúde Prod. An., v.4, n.1, p. 35-38, 2003

SANTANA, C. J. et al. Manual de Caprinocultura. Recife, SEBRAE-PE, 2000. 43 p.

25

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

CELLY CLAUDINO

PEDRO VELHO - RIO GRANDE DO NORTE - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 16/04/2020

Ótimo material. ??
JAQUELINE SANTOS

BELO HORIZONTE - MINAS GERAIS - ESTUDANTE

EM 26/02/2019

Ótima matéria !!! ????????????
Bem completa com ótimas fotos !!!
GABRIELA FACHOLI BOMFIM

CAMPO GRANDE - MATO GROSSO DO SUL - ESTUDANTE

EM 17/11/2018

muito bom! Parabéns!
MONALISA LIMA

NITERÓI - RIO DE JANEIRO - VAREJO

EM 08/10/2018

Parabéns pela pesquisa. Texto objetivo e bem ilustrado.
MONALISA LIMA

NITERÓI - RIO DE JANEIRO - VAREJO

EM 08/10/2018

Show! Certinho. Parabéns. Explicacao simples.
MYRELE

MACEIO - ALAGOAS - ESTUDANTE

EM 14/04/2017

incrível, adorei.
EDUARDO MIOZZO

RIO DAS ANTAS - SANTA CATARINA - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 03/11/2016

Muito Bom!
RAFAEL ASSUNÇÃO CARVALHO

SÃO LUÍS - MARANHÃO - ESTUDANTE

EM 05/10/2016

Boa noite, muito boas as dicas e lições a, algum tempo que não usava a cronologia para mensurar idade. E este informativo deu uma boa reavivada na memoria. Fico muito agradecido!
EDILBERTO

PETROLINA - PERNAMBUCO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 22/09/2016

Um texto simples e bem objetivo! Com certeza mim ajudou bastante. vocês estão de parabéns! Muito obrigado!  
ANTONIO CARLOS GOMES

RIO GRANDE - RIO GRANDE DO SUL

EM 30/09/2014

Obrigado. Uma verdadeira aula de campo. De agora em diante posso avaliar a idade média de meus animais.

Antonio Carlos Gomes. RS

Crio ovinos para manter meu sítio com a grama aparada.

JOSÉ ASSENÇÃO DAS NEVES SOBRINHO

TERESINA - PIAUÍ

EM 25/11/2013

       obrigado por essa excelente aula, vamos esoerar os novos números
ROBERTO RAFAEL KUHL

TAIO - SANTA CATARINA - PRODUÇÃO DE OVINOS DE CORTE

EM 14/11/2013

Parabéns pela matéria. Será de grande valia para o aumento do rebanho.

DÉBORA SANTOS

BODOQUENA - MATO GROSSO DO SUL - ESTUDANTE

EM 29/10/2013

Prezada Maria Angela Machado Fernandes e outros



Adorei o material, me ajudou a compreender mais sobre o assunto e ampliar meus conhecimentos.Todos estão de Parabéns.

Grata.
FRANCISCO EDUARDO DE OLIVEIRA

PEDRA BRANCA - CEARÁ - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 13/07/2013

valeu, explicação simples e objetiva.
AILSON JOAO FILHO

FLORESTA - PERNAMBUCO - ESTUDANTE

EM 20/04/2013

Muito bom o material apartir de agora vou adotar na essa tácnica na hora de adquirir novos animais para o meu rebanho.
LUCIANO DOS SANTOS

CANELINHA - SANTA CATARINA - PRODUÇÃO DE CAPRINOS DE CORTE

EM 21/01/2013

muito bom!!!!!

LUCIANO DOS SANTOS

CANELINHA - SANTA CATARINA - PRODUÇÃO DE CAPRINOS DE CORTE

EM 21/01/2013

MUITO BOM MESMO!!!!!
REJANE PEREIRA CASTRO

ARARUAMA - RIO DE JANEIRO - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 15/05/2012

Este artigo vai ser "minha cola" de bolso quando eu for comprar cabras.



Bom mesmo !!!! Parabéns pelo assunto resumido e objetivo.





Abraços.
JOSÉ ELIAS FELIPE DE LIMA

PALMARES - PERNAMBUCO

EM 12/04/2012

Tenho uma prova pra fazer, com certeza vai cair esse assunto, obrigado pela ajuda.
CECÍLIA JOSÉ VERÍSSIMO

NOVA ODESSA - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 17/11/2011

Parabéns por essa matéria tão importante e tão deixada de lado pelos técnicos. Olhar a dentição do animal é dever de todo clínico e não só um cuidado dos produtores na hora da compra de animais.

Quando se trabalha com o assunto verminose, é comum encontrarmos animais com sintomas de verminose e que já não têm dentes na boca, ou estão passando pela fase de muda de dentes, isto é, estão apresentando sintomas de verminose simplesmente porque não estão comendo direito porque estão com algum problema com seus dentes ou na boca.

Também é comum encontrar bicheira dentro de alvéolos dentários, com perda de dentes, porque o animal se coça no local da bicheira e alguns "bichos" podem se alojar junto ao dente, penetrá-lo e causar perda(s) de dente(s).

Portanto, produtores e técnicos: fiquem sempre alertas quanto à dentição dos animais!

Abraço a todos,

Cecília José Veríssimo