FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Fundamentos para a produção de cordeiros

PRODUÇÃO DE LEITE

EM 30/03/2011

4 MIN DE LEITURA

0
0
Fundamentos de base produtiva

O processo de intensificação dos sistemas de produção não está relacionado apenas ao aumento de produtividade, mas também, ao encurtamento do ciclo produtivo, com liberação antecipada do produto para o mercado trazendo dinamismo ao giro de capital da empresa.

Com isso, nos modernos sistemas de produção de carne ovina, buscam-se animais cruzados, com alto potencial genético para ganho de peso e um sistema de terminação eficiente, para obtenção de maior quantidade de carne com qualidade, no menor espaço de tempo e a custos competitivos.

O desempenho reprodutivo do rebanho materno, a taxa de crescimento de seus cordeiros e o nível nutricional disponível para ambos estão entre os principais componentes responsáveis pelo sucesso na produção de ovinos. No entanto, somente o aumento do número de cordeiros nascidos não é suficiente para o incremento da ovinocultura de corte. O nascimento de animais com maior velocidade de ganho de peso, mais eficientes na utilização dos alimentos e com qualidade de carcaça superior se faz necessário, podendo ser conseguido, utilizando-se cruzamentos e manejo nutricional adequado das ovelhas em suas diversas fases fisiológicas (crescimento, gestação e lactação).

Nos mamíferos, o crescimento pré e pós-natal, principalmente até a desmama, é resultado da ação do seu próprio genótipo e da influência do ambiente materno. Assim, o valor da característica observada representa o valor fenotípico do próprio indivíduo, o qual se compõe de um componente direto (o indivíduo) e de um componente indireto (a mãe).

Por esse motivo, para a produção de cordeiros destinados ao abate, recomenda-se a utilização de ovelhas de menor peso e adaptadas ao ambiente local, com evidentes características leiteiras e acentuada eficiência reprodutiva, proporcionando, respectivamente, maior número de animais em uma mesma área, desmama de cordeiros com pesos significativos e, maior número de partos e de cordeiros por ano.

O rebanho de ovinos das raças de corte, criadas no Brasil, ainda é muito pequeno, fazendo com que os animais dessas raças atinjam preços mais elevados no momento da sua aquisição, além dos maiores requerimentos nutricionais e sanitários, tornando-se antieconômico, na maioria dos casos, a utilização de rebanhos maternos das raças de corte para produção de carne ovina. Por outro lado, recomenda-se a utilização de reprodutores dessas raças em cruzamentos, com o objetivo de melhorar algumas características produtivas dos cordeiros destinados ao abate.

Sendo assim, para ovinos destinados à produção de carne algumas características desejáveis precisam ser consideradas, destacando-se: o desempenho reprodutivo da ovelha, a velocidade de crescimento do cordeiro e, a conformação e rendimento da carcaça.

Para se obter a concretização dessas características três caminhos podem ser adotados:

1. Seleção dessas características dentro de um grupo genético disponível, buscando-se ovelhas com maior fertilidade, natalidade e produção de leite e cujos cordeiros tenham eficiência no uso do alimento disponível e apresentem boa conformação e rendimento de carcaça;

2. Utilização de grupos genéticos com essas características já fixadas, ou a formação de um novo grupo genético, incorporando ao seu patrimônio genético estas características;

3. Utilização de cruzamentos terminais.

Os dois primeiros caminhos exigem programação a longo prazo fundamentada em um forte programa de melhoramento genético, e como praticamente não se tem promovido no Brasil a seleção de ovinos pelo desempenho produtivo, uma boa ferramenta a ser utilizada são os cruzamentos que, sendo conduzidos tecnicamente e de forma organizada, podem produzir efeitos benéficos a curto prazo. Vale ressaltar que o uso de cruzamentos não dispensa a seleção genética, de forma que, os dois primeiros caminhos, acima citados, devem ser seguidos conjuntamente.

O cruzamento pode propiciar maior velocidade de crescimento, melhor conformação e melhor qualidade da carcaça e da carne, sendo os genes da raça paterna os principais responsáveis pela superioridade dos cordeiros cruzados. Assim, o conhecimento do desempenho da progênie das raças paternas pode orientar a produção comercial de carne ovina.

Como nenhuma raça é superior em todas as características que são importantes para a produção de carne, informações sobre as diferenças genéticas entre raças, para características economicamente importantes, são fundamentais para a escolha de quais grupos genéticos incluir em um programa de cruzamento, com o objetivo de aproveitar melhor as diferenças genéticas entre as raças ovinas no Brasil.

Este trecho faz parte do material do curso online Produção intensiva de cordeiros: do nascimento ao abate, que terá início no dia 07 de abril e abordará os seguintes temas: mercado e cadeia produtiva da carne ovina, raças, cruzamentos e adequação aos sistemas de produção, manejo pré-natal de cordeiros, manejo pós-natal de cordeiros, terminação de cordeiros e características de carcaça.

O instrutor desse curso é Daniel de Araújo Souza, médico veterinário pela Universidade Federal da Bahia e consultor em sistemas de produção de carne ovina. Possui especializações em Administração Rural (UFLA) e em Manejo de Pastagem (FAZU). Atualmente é aluno de mestrado em Zootecnia (UFC), com área de concentração em Produção Animal. Possui sólida experiência prático-acadêmica nas áreas de reprodução, saúde e produção animal. Desde 2003 atua na consultoria em eventos agropecuários das Fábricas de Fertilizantes Nitrogenados da Petrobrás. É também colaborador da seção Dicas de Sucesso e Conjuntura de Mercado do FarmPoint.


Conheça a programação completa desse curso!

Faça sua inscrição agora mesmo!

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint