ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Ectoparasitoses em pequenos ruminantes

VÁRIOS AUTORES

PRODUÇÃO DE LEITE

EM 18/08/2011

4 MIN DE LEITURA

1
1
Os principais ectoparasitas em caprinos e ovinos são os ácaros causadores da sarna, os piolhos, moscas e os carrapatos. Os ectoparasitas levam a diminuição do apetite e consequentemente ocasionam diminuição dos índices produtivos. Além disto, denigrem a qualidade do couro utilizado na indústria da mesma forma que agressões físicas como arranhões por arame farpado, espinhos ou falha no processo de retirada da pele levam a elevadas perdas econômicas. Desta forma, o devido conhecimento das ectoparasitoses auxilia o produtor na prevenção destes prejuízos.

A miíase é um termo utilizado como sinônimo de parasitose ocasionada por larvas de moscas das mais diferentes espécies, porém neste radar, vamos dar uma atenção especial ao tipo mais comum de miíase em caprinos e ovinos, que é a miíase ocasionada pelas larvas da Cochilyomyia hominivorax. Este tipo de miíase é também chamado de bicheira e larva da lã entre outras designações. A Cochilyomyia hominivorax é conhecida popularmente como mosca varejeira, esta espécie de mosca põe vários ovos no mesmo local, diferentemente da Dermatobia hominis, causadora do berne que possui como característica a postura de apenas um ovo.

Desta forma na miíase há o desenvolvimento de várias larvas se alimentando de forma altamente agressiva de tecidos dos animais, levando a elevadas perdas econômicas, tendo em vista que os animais acometidos possuem inapetência devido à contaminação bacteriana secundária, não sendo raro levá-lo a óbito com o transcorrer do quadro. Animais jovens estão mais susceptíveis ao óbito devido à debilidade geral, além do mais, quando esta contaminação se dá ao nível do umbigo de recém nascidos, pode-se progredir para uma infecção ascendente por bactérias como a Actinomyces pyogenes, Escherichia coli, Staphylococcus sp, Streptococus sp e Enterococcus sp que levam a artrite, gangrena difusa, abscessos paravertebrais, abscessos hepáticos, peritonite e septicemia caso não sejam tratadas a tempo com antibióticos de largo espectro.

O controle ligado à realidade de campo das miíases ocasionadas pela C. Hominivorax consiste de: controle preventivo, onde se faz necessária a administração de drogas com objetivo de evitar a colocação dos ovos. Logicamente quanto menos houver lesões melhor será para o rebanho, de forma que diminuam as perdas econômicas ocasionadas por injúrias no couro entre outras complicações.

Há uma prática comum na pecuária que é a aplicação de ivermectina no momento do nascimento, evitando assim a instalação da miíase ao nível do umbigo do recém nascido; Outro tipo de controle é o controle curativo, este é o que podemos dizer que "fecha a porta depois que o ladrão entra", neste caso se faz necessária a utilização de produtos geralmente a base de organofosforado que matam a larva, havendo a necessidade de retirada destas larvas mortas, assim como o excesso de tecido necrosado. Desta forma a inspeção periódica do rebanho caprino e ovino deve ser realizada com atenção e de forma intensa devido à suscetibilidade destes animais a infecções secundárias a miíase.

Quanto aos piolhos, são os ectoparasitas com maior frequência nos rebanhos brasileiros, sendo um tema já citado em nosso radar com propriedade pelo Dr. André Maciel Crespilho no artigo: Pediculose ou "piolheira" de ovinos e caprinos. A principal estratégia de controle é a manutenção de uma população reduzida de piolhos tanto nas instalações quanto no rebanho, através da utilização de vassoura de fogo nos apriscos e pulverizações com organofosforados ou piretróides, além da administração de antiparasitário do grupo das avermectinas.

A sarna é uma ectoparasitose proveniente de ácaros das mais diferentes espécies. A sarna psoróptica é a mais frequente nos ovinos lanados e é ocasionada pelo Psoroptes ovis, que vive e se reproduz na pele dos animais, alimentando-se do estrato córneo e restos celulares. Os animais parasitados sofrem lesões na pele, que acarretam depleção na qualidade do couro e geram sinais como prurido, inquietação, movimentos de coçar com as patas, mordedura das partes afetadas, emagrecimento progressivo e queda de pelo e lã. O tipo de sarna mais comum em cabras é a causada pelo P. Cuniculi.

No controle destes ectoparasitas deve-se tomar cuidado com os animais já acometidos; desta forma deve-se afastá-los do rebanho e só retornar após a cura total. A utilização de vassoura de fogo nas instalações é de grande valia. O tratamento dos animais acometidos deve ser composto por aplicação de ivermectinas por via parenteral associada a banhos com organofosforados (diazon) e piretróides (deltametrina e cipermetrina) em todos os animais do rebanho.

Já os carrapatos são os ectoparasitas menos comum nos ovinos e quase ausentes nos caprinos, não possuindo tamanha importância como na bovinocultura. Geralmente o carrapato que parasita ovinos é o Boophilus microplus, muito frequente nos bovinos. Estes carrapatos parasitam os ovinos quando há pastagens superinfestadas, condição que ocorre em propriedades de clima úmido e quando há criação junto a bovinos, principalmente quando há algum grau de sangue taurino. Os carrapatos parasitam os ovinos nas regiões do corpo em que a pele é mais fina, ou seja, face interna da coxa, úbere, escroto, pavilhão auricular e ao redor dos batoques. O tratamento e o controle destes ectoparasitas devem seguir o mesmo protocolo das sarnas.

As perdas econômicas das ectoparasitoses na caprinovinocultura são muito relevantes. O couro é o produto que mais sofre injúrias, sendo a maioria de caráter irreparável, prejudicando a comercialização deste produto. As perdas de peso nos animais parasitados podem levar ao aumento do tempo de abate e as complicações originadas a partir das ectoparasitoses podem afetar características produtivas de grande relevância para o setor.

Referências bibliográficas

BRITO, D.R.B.; SANTOS, A.C.G.; GUERRA, R.M.S.N.C. Ectoparasitos em rebanhos de caprinos e ovinos na microrregião do Alto Mearim e Grajaú, Estado do Maranhão. Revista Brasileira de Parasitologia Veterinária, v.14, n.2, p.59-63, 2005.

LEITE, E.R. O Agronegócio das Peles Caprina e Ovina. In:___. Reuniões Técnicas sobre Couros e Pele. 21.ed. Campo Grande: Documento 127 Embrapa Gado de Corte, p.35-50, 2002.

BLOOD, D.C; RADOSTITS, O.M. Clínica Veterinária. 7 ed. Rio de Janeiro - Brasil: Guanabara Koogan, 1991, 1263p.

RIET-CORREA, F; SCHILD, A.L; MÉNDEZ, M.D.C. Doenças de Ruminantes e Equinos. Pelotas - Brasil: Ed. Universitária/UFPel, 1998, 651p.

VILLARROEL, A.B.S.; COSTA, R.G.; OLIVEIRA, S.M.P. Características Físico-Mecânicas do Couro de Ovinos Mestiços Santa Inês e Texel. Revista Brasileira Zootecnia, v.33, n.6, p.2373-2377, 2004.

CARMO EMANUEL ALMEIDA BISCARDE

Formado em 2007 pela UFBa; Residente em Fisiopatologia da Reprodução e Obstetrícia pela FMVZ-UNESP-BTU; Mestre em Medicina Veterinária pela FMVZ-Unesp-BTU; Médico Veterinário da Universidade Federal Do Recôncavo da Bahia - UFRB.

MV DR. LEANDRO RODELLO, PHD

Médico Veterinário (UNOESTE - Presidente Prudente), com Residência em Reprodução Animal (UNESP- Araçatuba) e Mestrado, Doutorado e Pós-Doutorado em Reprodução Animal (UNESP- Botucatu)

VITOR SANTIAGO DE CARVALHO

Médico Veterinário do Hospital Veterinário da UFBA. Mestre em Ciência Animal nos Trópicos

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

PAULO AUGUSTO PETRY

MONTENEGRO - RIO GRANDE DO SUL - ESTUDANTE

EM 07/07/2016

queria saber como diferenciar a sarna da piolheira ovina, uma vez que ambas tem praticamente o mesmo tratamento e a mesma sintomatologia. Alguém pode me ajudar?
MilkPoint AgriPoint