ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Curva de lactação de vacas leiteiras: entendendo o conceito

POR GUILHERME FERNANDO MATTOS LEÃO

PRODUÇÃO DE LEITE

EM 23/11/2021

4 MIN DE LEITURA

4
7

Que a nutrição de vacas leiteiras é uma ciência complexa, isto é um fato. Muita desta complexidade é derivada de uma cascata de fatores que impactam a nutrição e são particulares de cada propriedade leiteira, ou seja, cada propriedade é entendida como um “universo a parte” e deve ser tratada como tal pelo técnico nutricionista. A partir deste primeiro princípio, entendemos que não existem receitas de bolo, ou soluções milagrosas. Cada caso é um caso.

No entanto, quando começamos a entender os fatores que realmente impactam na nutrição, didaticamente classifico em três grandes pilares para facilitar o entendimento: Animais e alimentação; manejo alimentar e pessoas e formulação. 

Cada pilar possui suas subdivisões e suas particularidades e iremos falar sobre cada um destes nos próximos textos aqui no Milkpoint. Todavia, inicialmente iremos abordar um assunto central dentro do primeiro pilar (Animais e Alimentação). Trataremos de um ponto bastante importante, especificamente ligado a fisiologia dos animais: a curva de lactação.

A curva de lactação é uma ferra­menta consagrada, que gera informa­ções bastante pertinentes ao manejo. No entanto, que in­formações são estas? Como elas vão refletir no manejo a ser adotado pela fazenda?
 

O que é a curva de lactação?

Curvas de lactação são, por definição, representações da variação da produção de leite diária do animal, em função da duração da lactação, gerando uma divisão da lactação em estágios. O formato desta curva depende de três fatores principais: pico, persistência e o momento da secagem, que define a duração da lactação (Figura 1).

curva de lactação

O pico de lactação (Ponto 1) é entendido como a maior produção de leite registrada pelo animal. Fisiolo­gicamente, ocorre entre 45 a 60 dias após o parto. Sabidamente, é o período que os animais têm grande resposta a questão nutricional e estratégias para se maximizar o pico de produção são importantes, pois isto irá gerar um efeito residual durante toda a lactação. Em outras palavras, se investirmos para aumentar um litro no pico poderemos colher entre 200 a 250 litros durante a lactação.

A persistência de lactação (Ponto 2) seria o quanto a vaca “consegue manter” a produção máxima atingida durante toda a lactação. Para ilustrar tal fato, se gerarmos um comparativo entre vacas multíparas (mais de um parto) e primíparas (vacas de primeiro parto), pode-se inferir que as multíparas apresentam maior pico e são menos persistentes que primíparas.

As primíparas têm menor pico de produção e sua curva de lactação acaba sendo mais plana, ou seja, a produção possui menores variações, sendo mais persistente. Isto pode ser explicado, fisiologicamente, pelo fato deste animal ainda estar em crescimento e a demanda nutricional ainda ser diferente daquela de uma vaca adulta. Vacas que não são especializadas, ou seja, não possuem melhoramento genético para produção de leite, o pico, a persistência e também a duração da lactação são menores.   

Importante sempre destacar que temos uma curva diferente para o consumo dos animais. O consumo de matéria seca (CMS) tem uma característica de ter o seu pico posterior ao pico de produção de leite, o que no início de lactação acaba por impactar em um balanço energético negativo, ou seja, o animal tem uma demanda alta de nutrientes e o suprimento através do CMS é limitado. Com isso, a demanda é superior ao que podemos suprir para o animal e como consequência, o animal perde condição corporal.

Temos que traçar estratégias nutricionais para que os animais realmente percam menos condição corporal, pois isso irá impactar positivamente tanto em produção, mas também em saúde e reprodução.

A secagem (Ponto 3) seria, em média, aos 305 dias (10 meses), segui­da de um período seco, normalmente de 60 dias antes do parto previsto. Em alguns casos, dependendo da categoria, da produção e do manejo da fazenda, podemos reduzir o período seco, mas isto é prosa para outro texto.

Se tivermos problemas reprodutivos (de qualquer etiologia, inclusive por falha nutricional) no rebanho, a duração da curva de lactação se alonga e temos que secar vacas que estão com dias em leite (DEL) com valores muito superiores aos 305 dias. Com isto, importante destacar, que a produção de leite e a resposta à nutrição diminuem a cada dia e não adianta querer puxar média de leite em vaca velha de DEL.

Sendo assim, temos que traçar estratégias nutricionais que sejam focadas em otimizar custo nestas dietas.

Percebam que a cada ponto da curva podemos realizar estratégias nutricionais específicas para se utilizar a fisiologia da vaca da melhor forma. Estratégias que visem otimizar o pico de lactação, melhoran­do a qualidade e o balanceamento da dieta ofertada, além de buscar a escolha de animais que geneticamente tenham maior persistência ou a adoção de tecnologias que aumentem a persistência, como é o caso do BST, são estratégias interessantes que podem ser usadas quando se pensa em explorar a produção de leite.

No próximo texto iremos abordar as principais estratégias nutricionais focando nesta curva de lactação. Não percam.
 

Gostou do conteúdo? Deixe seu like e seu comentário, isso nos ajuda a saber que conteúdos são mais interessantes para você.
 

Leia também:

GUILHERME FERNANDO MATTOS LEÃO

Médico Veterinário e Dr. em Zootecnia (UFPR). Contato: (42) 9 9928-5109 dairy.innovationbrazil@gmail.com @dairy_innovation

4

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

JERRI TEIXEIRA ZANUSSO

PELOTAS - RIO GRANDE DO SUL - PESQUISA/ENSINO

EM 23/11/2021

Parabéns Guilherme, bom artigo técnico! Recomendo verificar no 7° e 8° parágrafo: "...pode-se inferir que as multíparas apresentam maior pico e são menos persistentes que primíparas. No parágrafo seguinte lê-se: "As primíparas têm menor pico de produção e sua curva de lactação acaba sendo mais plana, ou seja, a produção possui menores variações, sendo menos persistente. Fica contraditório qual categoria (multípara ou primípara) é menos persistente.
GUILHERME FERNANDO MATTOS LEÃO

CASTRO - PARANÁ - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 24/11/2021

Perfeito meu amigo! Muito obrigado pela consideração. De fato está errado ali.

O correto seria:
"As primíparas têm menor pico de produção e sua curva de lactação acaba sendo mais plana, ou seja, a produção possui menores variações, sendo mais persistente".

Obrigado mais uma vez!
ARISTÓBULO ANTÔNIO DE CARVALHO

SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 23/11/2021

Muito bom esse comentário, gostaria de não perder os próximos até terminar o tema.
Apenas uma consideração, estranhei a queda de produção do DEL 60 ao DEL 120, em se tratando de vacas especializadas, posso esperar isso sempre?
GUILHERME FERNANDO MATTOS LEÃO

CASTRO - PARANÁ - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 24/11/2021

Bom dia meu amigo! Muito obrigado pela mensagem. Na verdade, não necessariamente. Temos vacas que tem capacidade genética e conseguem manter uma persistência maior. Outros fatores como manejo nutricional, uso de bst, entre outros também podem auxiliar em manter uma curva mais persistente.
MilkPoint AgriPoint