FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Ceratoconjuntivite infeciosa

POR LUIZ MERTENS

PRODUÇÃO DE LEITE

EM 22/07/2013

4 MIN DE LEITURA

12
0
*Luiz Mertens é médico veterinário autônomo, especializado em assessoria, assistência, consultoria , clínica, cirurgia e reprodução de ruminantes.

1-Introdução


A ceratoconjuntivite infecciosa, também conhecida por “pynkeye” ou “doença do olho rosado” constitui-se numa doença cosmopolita, sazonal e acomete bovinos, caprinos e ovinos sem distinção de raça, idade e sexo, embora os animais mais jovens e mais velhos sejam mais susceptíveis.

Os animais acometidos desenvolvem imunidade natural que vai diminuindo a partir de dois anos e eles podem se infectar novamente. Pode ser definida como a inflamação da córnea e conjuntiva, ambas as estruturas internas que compõe os olhos.

2- Epidemiologia

A principal característica dessa doença representa o caráter infeccioso dos surtos (causados por bactérias que podem ser transmitidas de animais enfermos para sadios), e podem acometer ovinos, caprinos e bovinos.

Esta enfermidade contagiosa é causada pela Moraxella spp, um diplococo, aeróbico, gram-negativo, e somente aqueles microorganismos hemolíticos que possuem pili são capazes de desenvolver a enfermidade, pois aderem à córnea produzindo necrose epitelial e no estroma, por meio de dermonecrolisinas e hemolisinas associadas com as colagenases inflamatórias. (CHAVES & ACIPRESTE, 1998; CHAVES & ACIPRESTE, 2004; CHAVES, 2004). Outros microorganismos como o Mycoplasma conjunctivae, Chlamydia psittaci ovis, Escherichia coli e Stafilococos aureus podem ser isolados a partir de secreções oculares de animais doentes (CHAVES et al., 2008; AKERSTEDT & HOFSHAGEN, 2004; SMITH & SHERMAN, 1994).

A doença é mais frequente na época chuvosa ou quando há o aumento da população de moscas. A transmissão pode ocorrer por contato direto entre os animais doentes e sadios, por moscas ou outros insetos, fômites e pelas mãos dos tratadores (CHAVES & ACIPRESTE, 1998; CHAVES & ACIPRESTE, 2004; CHAVES, 2004). Fatores predisponentes como poeira, gravetos, forragem seca, vento, luz ultravioleta podem lesar superficialmente o olho dos animais e predispor para o início do processo infeccioso (CHAVES & ACIPRESTE, 1998; CHAVES & ACIPRESTE, 2004; CHAVES, 2004).

3- Sinais Clínicos

A ceratoconjuntivite infecciosa tem sido observada em rebanhos de várias partes do mundo, podendo ocorrer isolada ou concomitantemente a outras doenças oculares (RENDER & CARLTON, 1998). É caracterizada por reação inflamatória aguda da conjuntiva, seguida por hiperemia da esclera, lacrimejamento, fotofobia e secreção ocular (OSUAGWUH & AKPOKODJE, 1979; DAGNALL, 1994a). Outras alterações observadas na maioria dos ovinos afetados incluem conjuntivite folicular, opacidade da córnea com vascularização, ulceração, pannus e irite (RENDER & CARLTON, 1998), além de febre, anorexia, oftalmalgia, oftalmorreia, epífora e úlceras de córnea também descritas.

Figura 1 - Olhos de animais com ceratoconjuntivite. 

4- Diagnóstico


O diagnóstico é feito principalmente no exame físico, e frequentemente observamos lacrimejamento, olhos congestos, falta de apetite, febre, mancha esbranquiçada nos olhos, podendo evoluir para cegueira.

Pode-se ainda utilizar instilando colírio de fluoresceína sobre a córnea. Este colírio irá corar de verde o local onde está a úlcera.

Figura 2 - Olho normal e Olho com úlcera de córnea.
 5- Tratamento e Controle

O tratamento dos casos clínicos deve começar imediatamente após ter sido diagnosticada a fim de impedir que sua evolução leve a lesões irreparáveis da córnea. Deve-se isolar os animais afetados, limpar os olhos com solução fisiológica e pomadas oftálmicas ou colírios a base tetracilcinas, oxitetraciclinas, florfenicol, neomicina, podendo estes estarem associados com azul de metileno, e nitrato de prata, dependendo da gravidade deve-se associar com antibióticos sistêmicos (os mesmos citados acima) devendo sempre estar atento para caso de resistência. É muito importante o uso de luvas ao realizar a limpeza, evitando a contaminação.

Muito cuidado ao utilizar pomadas e sprays com indicação no mercado para ceratoconjuntivite. Observe se as mesmas possuem corticoides, pois estes são benéficos para o tratamento no estágio inicial (1 a 3 dias), desde que os animais não apresentem úlcera de córnea, pois aí ao invés de tratar estaremos só piorando o quadro.

Em caso de apresentar úlcera de córnea recomendo a utilização da pomada Epitezan® 2 vezes ao dia.

A prevenção e controle desta doença têm sido realizados através de práticas de manejo quando se quer diminuir o máximo possível a ação dos vetores (mosca) e quantidade de poeira. A redução dos casos clínicos está associada à medidas preventivas fundamentadas em práticas que visem controlar os elementos que podem funcionar como fômites ou agentes disseminadores e/ou estressantes, e envolvem a limpeza diária das instalações, (atentando-se para retirar os animais do local evitando que a poeira produzida pela raspagem da cama não agrave ainda mais o quadro), desinfecção completa das mesmas a cada 7 dias após limpeza prévia (preferencialmente com lança-chamas ou "vassoura-de-fogo"), redução da exposição a irritantes mecânicos (poeira); manejo do pastejo para manter o relvado em alturas mais adequadas; manejo do rebanho baseado nos princípios de bem-estar e a quarentena de animais recém adquiridos por no mínimo 15 dias.

6- Conclusão

A ceratoconjuntivite é uma doença que exige muita atenção e agilidade na identificação e tratamento, pois se distribui rapidamente no rebanho, causando prejuízos econômicos, além de falta de apetite dos animais, perda de peso, febre e possível perda da visão.

Sabe-se que animais apresentando ceratoconjuntivite infecciosa são barrados em exposições, não podendo participar dos julgamentos


Referências bibliográficas

CHAVES, N. S. T.; ACIPRESTE, C. S. Peste do olho. Cultivar Bovinos, Londrina, p. 30-31, jun. 2004.

CHAVES, N.S.T.; LIMA, A.M.V.; AMARAL, A.V.C Surto de ceratoconjuntivite infecciosa em ovinos causada por Moraxella spp. No Estado de Goiás, Brasil. Ciência Animal Brasileira, v.9, n.1, p.256-261, 2008.

RENDER, J. A.; CARLTON, W. W. Patologia do Olho e do Ouvido. IN: CARLTON, W. W.; McGAVIN, M. D. Patologia veterinária especial de Thomson. Porto
Alegre: Artmed, 1998. p. 590-636.

OSUAGWUH, A. I. A.; AKPOKODJE, J. U. Infectious keratoconjunctivitis in goats and sheep in Nigeria. Veterinary Record v.105, p.125-126, 1979.


12

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

ADRIANO GARCIA

ARAÇATUBA - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 26/06/2019

E para cães?
RAONE MULLER

SANTO ANTÔNIO DA PATRULHA - RIO GRANDE DO SUL

EM 04/09/2017

Estou com uma bezerra de 10 dias ela tem esses sintomas nos olhos qual tratamento devo aplicar?
RONNIE

NITERÓI - RIO DE JANEIRO - OVINOS/CAPRINOS

EM 20/06/2017

Bom dia . Tô com essa doença nas minhas cabras uma já não enxerga ainda tem jeito ? .outras veio comessando em um olho agora nos dois . Estou passando terra cortril (spay ) e não adiantou já estou na segunda lata. Já apliquei ivomec terramicina,pentabiotico, agrovet5000. Já não sei oq fazer onde eu moro e centro de cidade. Tá dificio de achar um veterinário que mecha com esse tipo de bicho .
JOSÉ DE ALMEIDA ROCHA

PÉROLA - PARANÁ - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 17/04/2017

ESTOU COM UM ANIMAL ( OVELHA ) COM A VISTA EMBAÇADA ESBRANQUICADA , ACHGOQUE ELA NAO ESTA ENCHERGANDO... POIS BATE NO MURO QUANANDA...APÓS UM INCHAÇO NAS ORELHAS ... FORA MEDICADA PARA VERME MAS AINDA PERSISTE O SINTOMA NAO ESTA SE ALIMENTANDO.. O Q DEVO FAZER?
PATRICIA RAMOS RIBEIRO BETZEL

CARIACICA - ESPÍRITO SANTO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 27/03/2015

Bom dia!!!!

Tenho uma cadela beagle 04 meses, apresentou e ja medicada, mediante os sintomas de ceratoconjuntivite; gostaria  de me informar pois esta a três dias fazendo o uso de KERAVIT (VETNIL); qual o prazo pra melhora do quadro, e quais cuidados devo ter com relação há futuros problemas...?? Obrigada!!!!!
LUIZ MERTENS

SÃO PAULO - SÃO PAULO

EM 07/08/2013

Olá Diego...recomendo aplicar terramicina 1ml para cada 10kg de peso vivo por via intramuscular e aplicar uma gota diretamente nos olhos utilizando um frasco de colírio usado ou conta gota! Manter a aplicação no olho por mais 3 dias após a cura!

Abraço
DIEGO FRANKEN

SANTA ROSA - RIO GRANDE DO SUL - PRODUÇÃO DE OVINOS DE CORTE

EM 01/08/2013

Boa tarde!



Tive 2 ovinos com cerato conjuntivite a 2 semanas,utilizei terramicinaLA em ambas alem de fazer limpeza dos olhos,  instalaçoes e  separa-las das demais acabando com todos os sintomas em ambas, porem essa semana apareceram os mesmos sintomas o que devo fazer??Aplicar terramicina novamente?? grato aguardo.
LUIZ MERTENS

SÃO PAULO - SÃO PAULO

EM 31/07/2013

Muito Obrigado Sr Luciano!
LUCIANO FERREIRA DOS SANTOS

MIRANTE - BAHIA - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 30/07/2013

  Mais uma vez meus parabéns prezado Luiz Mertens, muito boa matéria...
LUIZ MERTENS

SÃO PAULO - SÃO PAULO

EM 25/07/2013

Obrigado Ailson,fico feliz, é essa nossa missão! Boa sorte na empreitada

Abraço
AILSON JOAO FILHO

FLORESTA - PERNAMBUCO - ESTUDANTE

EM 25/07/2013

Parabéns pela matéria, atendeu as minhas expectativas com técnico e empreendedor na caprinocultura e ovinocultura no inteiro de Pernambuco.
LUIZ MERTENS

SÃO PAULO - SÃO PAULO

EM 23/07/2013

Bom dia Sr Garibaldi



O tratamento se resume em isolamento dos animais afetados, no caso de criação intensiva ou semi intensiva, deixar para alimentar os animais afetados por último, afim de diminuir o risco de contaminação.

Limpeza dos olhos com solução fisiológica, aplicação de colírios que contenham em sua composição os antibióticos citados no texto. Para maior eficiência indico que o Sr procure um veterinário capacitado em sua região, para lhe orientar sobre o tratamento.



Abraço
MilkPoint AgriPoint