FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

MilkPoint Experts: mercado internacional de lácteos deve sofrer com coronavírus

INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 24/04/2020

3 MIN DE LEITURA

0
3

“O mundo não esperava que a Covid-19 fosse uma pandemia. Todos assistiram à situação se desenvolver na China pensando que seria um problema restrito. Mas quando as circunstâncias se agravaram na Itália, no Carnaval, o mundo percebeu que era um problema de todos”.

Foi assim que Andrés Padilla, analista do Rabobank, iniciou sua palestra no MilkPoint Experts, na quinta-feira (16). Padilla falou do impacto do coronavírus no setor lácteo mundial.

Segundo o Rabobank, três ondas de impacto da Covid-19 foram observadas no mundo:

  • Queda no consumo, com fechamento de escolas, varejos e food service;
  • Problemas de logística, pois as plantas de processamento, os tanques nas fazendas e os portos não estavam preparados;
  • Impactos na demanda, devido a mudanças nos hábitos, recessão global e diminuição no consumo

Nos EUA e na União Europeia muitos produtores já descartam leite. É importante salientar que o leite fresco, pasteurizado responde pela mair parcela de consumo de leite fluido, enquanto no Brasil o leite UHT é o mais representativo e, como tem maior vida de prateleira, permite maior tempo de estocagem. Os exportadores enfrentam problemas com frete, pois os navios vão carregados e voltam vazios, o que aumenta o custo. Muitas empresas sólidas estão na “corda bamba” por falta de liquidez e, para evitar essa situação, os EUA, por exemplo, estão injetando 3 trilhões de dólares no mercado.

A verdade é que se espera uma recessão global muito forte, como nunca vista. O número de desempregados vem só aumentando, sobretudo nos EUA, o que leva à perda de poder de compra e, consequentemente, impactos na demanda, visto que os lácteos estão fortemente atrelados à renda da população. As recentes quedas nos valores do petróleo também são um agravante, visto que a curva de preços deste tem uma grande correlação com a de lácteos.

Somado a isso, o hemisfério norte está entrando (no pior momento) no período de maior produção, com o início da primavera. Essa grande oferta encontrará grandes desafios com comércio, logística e fretes, dificultando o escoamento do leite. Uma solução proposta na Europa é que o governo comece a comprar e armazenar produtos.

Os EUA, por sua vez, vinham em ritmo de crescimento na produção, com o rebanho aumentando nos últimos meses. Neste país, pelo menos, há um bom programa de gerenciamento de riscos e cerca de 40 a 50% da produção tem algum mecanismo de proteção de preços. Mas, ainda assim, estão sujeitos a quedas nos valores projetados devido à retração do comércio mundial, pois parte relevante da produção é exportada. (Leia: Qual o impacto do coronavírus nas exportações dos EUA?)

Espera-se que essa grande oferta disponível nos maiores exportadores mundiais (EUA e Europa) impactem os preços globais de lácteos por muito tempo. De fato isso já começou a ser observado no último leilão GDT, que apresentou a segunda maior queda do ano. Apesar da crise, o dólar deve se manter forte, enquanto as outras moedas se desvalorizam, tornando as importações menos atrativas. Projeta-se, na China, uma retração de 18% nas importações, o que impacta diretamente o mercado global, visto que esta é a maior importadora de lácteos.

Uma alternativa para escoamento dessa oferta adicional é realocar os produtos em programas de compra locais. Nos EUA, o governo está comprando lácteos para distribuir para pessoas mais necessitadas e muito provavelmente essa demanda aumentará, em função do número de desempregados. (Leia: EUA: que soluções a indústria de laticínios está propondo para contornar a crise?)

Os mais otimistas esperam que a economia mundial se recupere em “V”, ou seja, uma queda brusca, mas com um retorno rápido, como aconteceu em outras crises, porém, este é um cenário em que todos os países foram atingidos. Por outro lado, os governos, de forma geral, estão sendo mais ágeis em tomar medidas de emergência, estimulando o mercado. O mais provável é uma recuperação em “U”, no qual haverá um tempo de “vacas magras”, mas a economia retornará.

Após quatro meses desde a crise, a economia da China está rodando em 90%. Como este é um país que tem uma economia extremamente centralizada e controlada, espera-se que em outros a recuperação seja mais lenta.

O "MilkPoint Experts: Panorama atual do mercado de lácteos frente ao coronavírus" foi um oferecimento da Boehringer Ingelheim, com apoio da Abraleite, Rabobank e Nielsen e teve a participação de 957 pessoas. Assista ao evento completo aqui.

Leia outros textos com conteúdo do evento: 

MilkPoint Experts: as pessoas continuam comendo, mas como o coronavírus impactou os hábitos?

MilkPoint Experts: quais as previsões para o mercado lácteo brasileiro diante do coronavírus?

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint