FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Brasil Leiteiro de Sul a Norte - Santa Catarina

POR ANTÔNIO CARLOS DE SOUZA LIMA JR.

ESPAÇO ABERTO

EM 30/06/2014

15
0
Não vivi em Santa Catarina mas cortei muitas vezes o estado em viagens entre o Rio Grande do Sul e o Paraná. Também visitei a região, produtores, indústrias e fornecedores para negociar leite, ministrar treinamentos, visitar produtores de leite assistidos tecnicamente e tratar da melhoria da qualidade.

A maioria dos produtores de leite catarinenses emigrou do Rio Grande do Sul. Esta relação é tão forte que praticamente todos torcem para algum time gaúcho, especialmente Grêmio ou Internacional. Por isso a cultura alemã e italiana também é muito presente na região, especialmente no Oeste, onde se concentram mais de dois terços da produção de leite do estado (74%).

O volume de leite na mesoregião Oeste catarinense é excepcional. Em 2012 ela atingiu 6,2% do leite produzido no Brasil, inferior apenas às mesoregiões Noroeste do Rio Grande do Sul e Triângulo Mineiro / Alto Paranaíba em Minas Gerais. Podemos inferir que se trata da mais elevada densidade de produção de leite no Brasil, expressa em litros por km2 ou litros por km rodado na coleta.

O mapa abaixo, mostra a distribuição do leite no estado.

Fonte: IBGE, adaptado por Clímaco, R.

A dedicação da família ao trabalho é muito grande. A mulher trabalha duramente na lida diária do leite: ela faz ordenha, alimenta as vacas, limpa o curral e trata dos bezerros.

As propriedades são pequenas. Da produção de leite em Santa Catarina, 12% se dá em propriedades com área até 10 ha; 33% em estabelecimentos com área de 10 a 20 ha; 40% em estabelecimentos com área de 20 a 50 ha e 15% em propriedades maior de 50 ha, segundo dados do Censo Agropecuário do IBGE de 2006.

A vocação leiteira do estado é muita evidente. A estrutura fundiária com propriedades tipicamente familiares associada a uma topografia acidentada menos apropriada à produção de grãos favorece muito a exploração da atividade.

Em 2012 a produção de leite foi de 2,7 bilhões de litros, segundo dados a Pesquisa Pecuária Municipal do IBGE, o que garantiu a Santa Catarina a quinta posição no ranking dos estados. No período 2008-2012, o aumento médio da produção brasileira de leite foi de 17%, enquanto o crescimento da produção catarinense foi de 28%, o segundo mais alto do país, atrás apenas do Paraná, que cresceu 40% nesse período.

A produção é bastante sazonal. Ela é mais baixa entre março e junho. Nesta época o pasto de verão fica escasso e se inicia o plantio das forrageiras de inverno. A partir da segunda quinzena de junho as vacas já entram nos pastos de aveia. O azevém sucede a aveia e permite uma extensão da safra até setembro/outubro. A curva de produção apresenta um antagonismo à da região Sudeste do Brasil. Isto confere uma vantagem competitiva a Santa Catarina, viabilizando a exportação de leite do estado. O gráfico abaixo elaborado com base na média mensal de leite recebido pelas indústrias de 2007 a 2012, apurado pela Pesquisa Trimestral de Leite do IBGE, dá uma boa ideia como a produção se comporta ao longo do ano.

Gráfico 1. Volume médio mensal recebido pelas indústrias de S. Catarina - 2007 a 2012 (x1.000litros)

Fonte: IBGE – Pesquisa trimestral

A raça predominante é a holandesa, mas a presença da raça Jersey nos rebanhos de Santa Catarina é muito relevante. É por esta razão que os sólidos do leite no estado são muito elevados quando comparados com outras regiões do país.

A produtividade da vaca catarinense é a mais elevada do país, ao lado do Rio Grande do Sul. Ela passa de 2.500 litros, quase o dobro da produtividade média brasileira de 1340 litros por vaca ano.

A prática da Inseminação artificial é comum na grande maioria dos rebanhos.

Os animais se alimentam de pasto no verão com forrageiras tropicais e com forrageiras temperadas, especialmente aveia e azevém, no inverno. Nos períodos de pouco pasto a suplementação convencional é a silagem de milho. O concentrado suplementa as forragens. Um melhor manejo da alimentação, com arraçoamento técnico dos rebanhos, pode implicar em ganhos econômicos importantes para os produtores, com a redução nos custos de produção.

O estado é livre de febre aftosa sem vacinação. A brucelose também está bem controlada. Um controle muito rigoroso é realizado pelo estado em suas fronteiras através das barreiras sanitárias. Trata-se de um belo exemplo para o país.

A qualidade microbiológica do leite deixa a desejar. A Contagem Bacteriana Total (CBT) é elevada. Isto se explica em função do modelo de resfriamento que ainda precisa ser melhorado. Ainda se utiliza equipamentos pouco eficazes na refrigeração do leite nas fazendas, como os resfriadores de imersão em água gelada. Os processos de limpeza e higienização dos equipamentos, em geral, precisam ser melhorados quanto à qualidade e temperatura da água, produtos químicos e os próprios métodos. A Contagem de Células Somáticas (CCS) precisa ser trabalhada. As ordenhadeiras, presentes em praticamente todos os rebanhos, às vezes muito simples, sem manutenção preventiva e corretiva, e, muitas vezes, insuficientemente higienizadas, predispõem à incidência de mastites subclínicas.

Um problema bastante frequente no Sul do Brasil como um todo, no período do outono, é a ocorrência do leite instável não ácido (LINA), associado à presença de cloretos e alcalinidade. Isso acontece, principalmente, quando a forrageira de verão fica escassa e os produtores estão preparando para o plantio das forrageiras de inverno.

O produtor de Santa Catarina responde bem aos programas de assistência técnica e extensão rural. Ela é realizada pelos órgãos públicos e pelas cooperativas e indústrias privadas. O programa “Balde Cheio” da Embrapa Pecuária Sudeste é uma boa semente plantada no estado e que se consolida com sucesso entre os pequenos produtores.

Para aumentar a produção no Estado, a Secretaria de Agricultura lançou em 2013 o programa “Um Milhão de Litros de Leite”, envolvendo produtores de 32 municípios do Sul do Estado. O programa tem como objetivo melhorar a pastagem e dobrar a produção atual de 500 mil litros por dia para 1 milhão na região no período de cinco anos.

Programas de capacitação dos produtores como o Leite Legal do SENAR e SEBRAE já têm sido realizados, mas precisam ser implementados ainda com mais vigor.

A cultura estabelecida de uma forte relação do produtor com o transportador de leite na região, também comum nos demais estados do Sul do país, deixa a indústria refém do produtor. O transportador recebe por litro de leite transportado e raramente por km rodado. A virada de uma rota inteira de um estabelecimento industrial acontece muitas vezes. Esta realidade também prejudica a obtenção de leite de boa qualidade pelas indústrias.

Uma exceção no estado de Santa Catarina é a inexistência de reboques (Julietas) no transporte do leite. Diferentemente dos demais estados do país e até do mundo desenvolvido do leite, em Santa Catarina, não é permitido sua utilização. Esta forma de otimização do frete permitindo aumentar o volume de leite transportado por km rodado, através da utilização do reboque (Romeu e Julieta), proporciona ganhos logísticos importantes e, consequentemente, dá mais competitividade a cadeia do leite.

Grande parte da produção de leite de Santa Catarina é industrializada no próprio estado e comercializada internamente e em outros estados, principalmente na forma de leite UHT e queijos. A produção de leite em pó ainda é modesta, realizada apenas por uma Cooperativa e uma indústria privada. A venda de leite spot é pequena. Ela é praticada para os estados do PR, SP e até MG.

Podemos tirar boas lições para o país do setor leiteiro catarinense. A primeira é que para se produzir leite não é preciso grandes áreas. Fazendo aqui uma analogia radical comparando Santa Catarina ao Pará verificamos que Santa Catarina é 13 vezes menor que o Pará em área e produz 5 vezes mais leite.

Outra boa lição é que podemos e devemos evoluir no controle sanitário do rebanho brasileiro. É possível erradicar as principais zoonoses do nosso rebanho nos tornando assim muito mais competitivos na produção de carne e leite, mundialmente.

Nosso dever de casa em Santa Catarina é implementar melhorias no manejo da ordenha e no resfriamento do leite, com ganhos de qualidade.

O desenvolvimento do produtor representa uma grande oportunidade para assegurar a sustentabilidade das famílias rurais no campo.
 

ARTIGO EXCLUSIVO | Este artigo é de uso exclusivo do MilkPoint, não sendo permitida sua cópia e/ou réplica sem prévia autorização do portal e do(s) autor(es) do artigo.

ANTÔNIO CARLOS DE SOUZA LIMA JR.

A SL Consultoria em Agronegócios é uma empresa criada em agosto de 2014, com sede em Goiânia, tendo a expertise em negócios relacionados com a Cadeia do Leite como seu pilar central. Ela foi projetada pelo seu sócio proprietário, que atuou por 23 ano

15

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

ADIL VAZ

LAGES - SANTA CATARINA - PESQUISA/ENSINO

EM 07/07/2014

Muito bom artigo, conciso e ao mesmo tempo bem informativo. Realmente Santa catarina tem uma posição invejável dentro da indústria leiteira nacional. Mas, como todos os outros, precisa melhorar a qualidade de seus produtos. Há um longo trabalho nesse sentido, do qual participo, mas ainda há a necessidade de conscientização por parte de alguns segmentos da indústria, pois a maioria delas já evoluiu bem. Temos a sorte de ter produtores esclarecidos e cooperativas atuastes, o que facilita o trabalho da extensão rural.
ANTÔNIO CARLOS DE SOUZA LIMA JR.

GOIÂNIA - GOIÁS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 05/07/2014

Prezado Leonardo Perin,



Obrigado pelos comentários.

Você tem razão quanto as empresas informais que não fazem absolutamente nada para melhorar a qualidade. As empresas com SIE e SIM também precisam ter as mesmas exigências legais das empresas com SIF. Todo produtor tem que produzir e entregar leite com CBT e CCS baixos, níveis de sólidos adequados no leite e livre de contaminantes.

Abraço,
ESIO RAMOS DE OLIVEIRA

SANTA HELENA DE GOIÁS - GOIÁS - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 04/07/2014

Excelente Artigo Antônio, nos dá uma visão geral da atividade leiteira do nosso imenso Brasil, nos proporcionando uma boa visão das diferentes realidades existentes na cadeia produtiva do leite, aguardamos os próximos,  parabéns !



Um Grande Abraço



Ésio Ramos
RODOLFO CLÍMACO

BOM JESUS - SANTA CATARINA - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 03/07/2014

Parabéns Antônio, ótimo artigo!



Realmente a vocação leiteira do estado é muito forte, a produtividade vem crescendo a passos largos. Vale lembrar que no grande oeste, pelo fato da topografia ser acidentada, leva o produtor a optar pelo leite e pela cultura do fumo. Certamente a produção de leite ganhará mais espaço.



O estado é muito promissor, geralmente com um baixo custo de produção.



A melhoria na qualidade realmente é necessária, juntamente com a logística.



Grande abraço, sucesso!



Aguardamos os próximos!
LEONARDO PERIN

CUNHA PORÃ - SANTA CATARINA - INDÚSTRIA DE INSUMOS PARA LATICÍNIOS

EM 03/07/2014

Trabalho com uma empresa no ramo de Qualidade de leite, no Oeste de Santa Catarina. Aqui também encontramos um pouco de tudo, produtores emprenhados e preocupados com produtividade e qualidade, mas também há pessoas que vão levando com a barriga, que provavelmente vão sair do mercado no futuro, por não se enquadrarem nas exigências de qualidade. Aqui batemos muito encima da IN 62, tentando adotar manejos afim de melhor os índices de CBT e CCS. Já tive oportunidade de visitar outros estados, e na minha visão, o estado é o mais adiantado na luta para produzir um leite de melhor qualidade. Trabalho esse graças a instituições governamentais e empresas sérias. O que estraga são as pequenas empresas que nao fazem e nem cumprem as exigências de qualidade de leite, o que não estimula o produtor a obter uma melhora.
ANTÔNIO CARLOS DE SOUZA LIMA JR.

GOIÂNIA - GOIÁS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 03/07/2014

É isso mesmo Piratan. Tem muitas fortalezas mas precisamos trabalhar os pontos fracos identificados.

Obrigado pelo comentário.

Abraço,
ANTÔNIO CARLOS DE SOUZA LIMA JR.

GOIÂNIA - GOIÁS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 03/07/2014

Obrigado Lucas.

Você tem razão quanto ao gargalo para o setor na região relacionado com a sucessão das propriedades o que é muito parecido ao RS (Vide o primeiro artigo d serie sobre o RS).É preciso rentabilizar melhor a produção para estimular os poucos descendentes das famílias a continuarem no processo produtivo.

Abraço,
PIRATAN ARAUJO FILHO

ÁGUA DOCE - SANTA CATARINA - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 01/07/2014

Mostrou a realidade catarinense, ainda vamos melhorar...
LUCAS ARATO

SÃO MIGUEL DO OESTE - SANTA CATARINA - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 01/07/2014

Ótimo artigo é muito bom ter mencionado o Oeste de SC, pois o potencial leiteiro e formidável. Ressalto o gargalo da sucessão familiar nestas propriedades estar comprometida.
NATHÁLIA WEBER

SANTA MARIA - RIO GRANDE DO SUL - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 01/07/2014

Parabéns! Excelente artigo meu amigo Antônio Carlos!



Aguardo os próximos!



Abraço
CLAYTON ROQUE COUTINHO

POÇOS DE CALDAS - MINAS GERAIS - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 01/07/2014

Antonio Carlos, Parabéns... tive oportunidade de morar e trabalhar nos 2 estados citados por você até agora, e lendo as matérias pude me sentir visitando essas fazendas. Veja que a diferença que estes estados apresentam das demais regiões produtoras de leite no pais, é o que os tornam tão eficientes nesse crescimento...
FABIO GOMES DE SOUZA

BARBACENA - MINAS GERAIS - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 30/06/2014

Parabéns pelo artigo Antonio Carlos, na LBR o SVQ foi muito bem idealizado e coordenado, falhou somente na pratica, mas mesmo assim melhorou muito a qualidade de leite no sudeste e zona da mata de MG.
JOÁS BARBOSA BUENO

UMUARAMA - PARANÁ - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 30/06/2014

Parabéns Antônio Carlos.



Estamos no aguardo dos próximos artigos.



Abraço.
MAICON PALOSCHI NEVES ANTONIO

MARINGÁ - PARANÁ - ESTUDANTE

EM 30/06/2014

Bom dia, sou Maicon Paloschi sou de Descanso - SC e minha familia trabalha com pecuária leiteira a mais de 45 anos.

Por diversas vezes a cadeia produtiva do leite passou por épocas de "vacas magras e de vacas gordas". E muito bom participar do avanço da tecnologia em produções tanto de leite como de carne.

A boa assistência técnica e alimentação de boa qualidade proporcionado pelas condições de clima e solo e também pela atitude de trabalhar com pastagens como uma cultura, usando de manejos como controle de pragas, daninhas e uma adubação realizada com base em análise de solo.

Ser participante desses avanços apenas corrobora para que seja empregado no resto do nosso país boas práticas de assistência, contribuindo para aumento de produtividade e qualidade do leite.

Estão de parabéns pela iniciativa e pela boa explanação da matéria.
MARCELO DE REZENDE

LONDRINA - PARANÁ - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 30/06/2014

Parabéns, Antônio Carlos! Excelente análise!



Parabéns também pelo esforço no sentido de viabilizar a assistência técnica aos produtores de leite nas diversas regiões do país. Em nome da Cooperideal, agradeço seu apoio e espero que possamos trabalhar juntos em outros projetos.



Um grande abraço.