Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Silagem: Quatorze perguntas, quatorze respostas

Por Rafael Camargo do Amaral e Thiago Fernandes Bernardes
postado em 16/05/2008

32 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

1. Qual é o tamanho de partícula ideal do corte para a ensilagem?

O tamanho ideal do corte deve ser de 1 a 2 cm para qualquer forrageira a ser ensilada. É necessário um tamanho menor do corte para forragens mais secas, quando comparadas com forragens mais úmidas.

2. O que é melhor, um ou dois silos grandes ou três ou quatro silos pequenos?

É preferível silos pequenos. Silos menores podem ser abastecidos em menor tempo e a silagem removida mais rapidamente, devido à menor superfície exposta durante a fase de retirada.

3. Aonde o silo deve estar localizado?

O ideal é que o silo esteja perto da área onde a ração é misturada. Isto minimiza o tempo de retirada, pesagem e mistura da silagem com os outros ingredientes da ração.

4. Qual é o tamanho apropriado para um silo trincheira ou de superfície?

A quantidade de forragem a ser ensilada e a projeção de silagem a ser consumida diariamente determinam o tamanho adequado para os silos. A altura, largura e comprimento devem ser pequenos o bastante para permitir uma rápida progressão da massa de silagem durante a fase de retirada da mesma.

5. Como devemos encher o silo trincheira? Em camadas ou de traz para frente?

Silos trincheira devem ser abastecidos de traz par frente e nunca em camadas.

6. Qual o tempo ideal para encher o silo?

A maioria dos silos são abastecidos muito lentamente, e isto normalmente é o resultado da capacidade do silo ser muito grande. Um período de 2 a 3 dias é considerado ideal.

7. Se o enchimento do silo for prolongado, a silagem deve ser coberta?

A maioria dos produtores de silagem não veda temporariamente, nem cobre a frente da forragem ensilada quando o enchimento é prorrogado. Se há previsão de chuva e o corte vai ser interrompido por alguns dias, é aconselhável uma cobertura temporária.

8. Quanto tempo após o enchimento o silo pode ser aberto para uso?

A fase de fermentação deve ser completada antes do silo ser aberto e usado. Normalmente isto leva de 2 a 3 semanas.

9. Qual o melhor método de vedação de um silo trincheira ou de superfície?

Silos horizontais devem ser vedados com uma cobertura plástica, a qual deve ser fixada com pneus, terra, areia ou algum outro material pesado. Essa cobertura deve ultrapassar pelo menos um metro a lateral do silo e um peso adicional deve ser colocado ao longo de toda a parede para minimizar a entrada de ar e água.

10. Quais são as perdas em uma boa silagem?

As perdas em uma boa silagem variam de 5 a 10%, ao passo que silagens de má qualidade apresentam perdas de 25 a 50%. A perda é definida como o montante de matéria seca (MS) que é colocado no silo, menos o montante de MS da silagem útil removida para fornecer aos animais.

11. Quais problemas estão associados ao efluente da silagem?

Efluentes de silagem têm alto poder de poluição, e assim são perigosos para o meio ambiente, particularmente se ele for despejado em cursos d'água.

12. Qual é o pH ideal de uma silagem?

A maioria das silagens de milho e sorgo tem pH entre 3,8 a 4,2 e silagens emurchecidas apresentam pH entre 4,2 a 4,6. Em geral, forragens com baixa MS terá pH maior do que aquelas com alta MS, e forragens que tem alta capacidade tamponante (alfafa) terão mais altos valores de pH (4,6 a 5,0).

13. Como eu devo manejar a "face" de retirada da silagem?

A face da silagem deve ser mantida como uma superfície lisa, perpendicular ao solo e as paredes do silo. A taxa de retirada da massa de silagem deve ser suficiente para prevenir silagem exposta ao aquecimento, sendo removida diariamente acima de 25 cm.

14. Quanto tempo demora para a silagem aquecer?

O tempo necessário para a silagem aquecer durante a fase de retirada é totalmente imprevisível. O tipo de forragem, seu conteúdo de MS, tamanho do corte, tempo de enchimento, grau de compactação e condições após a abertura, influenciam na deterioração e aquecimento da massa ensilada.

Avalie esse conteúdo: (4 estrelas)

Comentários

Paulo R. F. Mühlbach

Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Consultoria/extensão
postado em 16/05/2008

Nunca é demais enfatizar esta questão das perdas na produção de silagens, já que são elas (muitas perdas evitáveis e algumas inevitáveis) que determinarão a economicidade ou não deste processo de conservação de forrageiras.

À título de complementação:

Em relação à questão 10 o produtor deveria estar "antenado" já com a redução de perdas na própria colheita na lavoura e no transporte do material ao silo. Uma vez "desensilado" o material a ser fornecido aos animais, poderão ocorrer perdas no cocho, dependendo do manejo alimentar. Geralmente quando as sobras ali deixadas são misturadas à silagem recém removida, tende a haver maior rejeição e perdas.

Quanto ao aquecimento da massa ensilada (questão 14): muitas vezes a superfície de corte se aqueceu pela oxidação de nutrientes mais solúveis (que farão falta posteriormente na fermentação no rúmen) e novamente se "esfriou" numa verificação mais superficial. Entretanto, penetrando-se na massa com a mão no sentido perpendicular à superfície de corte, até uns 30 cm de profundidade, nota-se um intenso calor ali presente. Muitas vezes isto passa desapercebido ao produtor.

Alceu Ricardo de Toledo

Sobradinho - Distrito Federal - Indústria de insumos para a produção
postado em 20/05/2008

Muito oportuno o alerta dado a respeito de Silagem:quatorze perguntas - quatorze respostas. A maioria das fazendas iniciam a confecção da silagem sem ao menos "amolar" as facas da ensiladeira, quanto mais fazer a regulagem das mesmas para um corte bem pequeno do material que será ensilado.

Iniciam o enchimento dos silos e é comum demorar-se uma semana e até mais para o fechamento de cada um deles (abertos durante todo este tempo, com ou sem chuvas). Gostei muito da maneira como os autores enfocaram o assunto e numa linguagem de fácil entendimento.

Acho que os autores deveriam continuar com esta metodologia sobre outros assuntos, como por exemplo "produção de feno"; pois, já há muitos criadores preocupados em produzir alimentos visando o período seco do ano e que na maioria dos casos estão muito desinformados a respeito dos assuntos(até mesmo alguns criadores de gado ELITE).

Há um ponto interessante e muito importante nesse contexto da produção de silagem que acho oportuno alertar. Parece elementar, mas... tem causado muito prejuizo a quem é muito afoito e muito entendido! É com relação ao plantio do milho ou sorgo. Não adianta eu fazer um bom preparo do solo, usar uma boa semente, conseguir um bom stand na lavoura se não acertar no dia de plantio.

Acertar o dia de plantio é força de expressão é claro! É que tem criadores-produtores que, por estarem com tudo pronto; nas primeiras chuvas já jogam a semente no chão.

Quero deixar um alerta(pode parecer elementar a alguns, mas não o é para muitos) a setes senhores (não é garantia de sucesso, mas é um grande aumento na probabilidade de acerto), instalem, se ainda não têm, um medidor de chuvas(pluviômetro) em suas propriedades, façam criteriosamente as leituras e só plantem após a ocorrência de 120 a 150 mm de chuvas, tendo assim já, uma razoável reserva de àgua no solo.

Poderemos até perder um plantio, mas será muitas vezes mais difícil do que plantando nas primeiras chuvas.

José Bráulio de Oliveira Gomes

Cunha - São Paulo - Médico Veterinário/Consultoria/extensão/Professor
postado em 27/05/2008

Parabéns pelo artigo. Incluiria uma pergunta que sempre sou questionado: qual a relação entre metros cúbicos de silo com peso de silagem; e se isso varia em função da matéria prima.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2014 AgriPoint Consultoria Ltda. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade