FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Alfafa e o seu potencial para expandir a pecuária na América Latina

POR DUARTE VILELA

PRODUÇÃO DE LEITE

EM 22/03/2018

9 MIN DE LEITURA

17
9

*Por Duarte Vilela, Engenheiro Agrônomo e pesquisador da Embrapa Gado de Leite

Os avanços nos sistemas agroalimentar e agroindustrial que agregam valor aos produtos sejam estes das cadeias produtivas de origem animal ou vegetal, demandarão cada vez mais inovações tecnológicas e gerenciais, que causem impactos sensíveis sobre os processos de comercialização e de relacionamento com os consumidores finais. Grande parte da agregação de valor a estes produtos, no futuro, virá de inovações derivadas dessas possibilidades, exigindo maior densidade nutricional e diversidade de aplicação.

Para que o mundo possa prover alimento em quantidade e qualidade é necessário investir em pesquisa, numa abordagem transdisciplinar, em sistemas cada vez mais complexos e com forte ênfase em tecnologias convergentes para garantir a oferta crescente de alimentos, preservando os recursos naturais e agregando valor ao produto. A migração de sistemas de produção com poucas atividades para aqueles mais complexos, será uma realidade nas próximas décadas, contribuindo com os processos cada vez mais dinâmicos que acompanharão a agroindústria que se descortina para o futuro.

Este cenário coloca a América Latina em evidência, pois tem experimentado modelo de desenvolvimento de sucesso, estruturado há décadas. Contudo, frente às dificuldades de competição das agroindústrias latino-americanas no contexto da globalização, este modelo apresenta fragilidade e os avanços que se teve no passado, dão lugar a novos paradigmas para viabilizar a revolução agro-sócio-ambiental nas próximas décadas. O avanço social das últimas décadas aponta para a necessidade de atenção ao crescimento e sofisticação na demanda por bens e serviços no futuro. Algumas agroindústrias precisam se reinventar a medida que cresce a pressão da sociedade por eficiência no uso dos recursos naturais, emergindo  um novo padrão de produção focado na entrega de produtos com controle de qualidade, rastreados e de maior diversificação.

Segundo a ONU a população mundial em 2050 chegará a 9,8 bilhões de habitantes e o Brasil estará com 238 milhões, o que exigirá produzir 70% a mais de alimentos. Já o número de habitantes da América Latina e Caribe crescerá 25%, passando de 635 milhões atuais para 793 milhões em 2061, segundo a Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe. A crescente demanda mundial por proteína de origem animal é evidente e estima-se, até 2025, aumento de 3% ao ano por carne e leite.

A América Latina e o Caribe possuem cerca de um terço dos recursos mundiais de água doce e mais de um quarto da terra cultivável do mundo. A produção agrícola na América Latina possui enorme variação, indo da subsistência ao agronegócio sofisticado. Hoje, cerca de 50% da produção de alimentos da Região vêm de seus 14 milhões de pequenos agricultores. Enquanto para muitos, isso significa a importância da pequena produção, para empreendedores representa um mercado – terras – a conquistar.

Estudos chamam a atenção para os limites dos recursos de produção e os progressos tecnológicos, sugerindo que os próximos 50 anos serão de grandes dificuldades para a expansão da produção agrícola mundial. O cenário global é pouco otimista e exigirá novas estratégias e avanços científicos.

A busca por competitividade e modernização tecnológica em torno de um produto ou serviço, ampliando a capacidade de o país participar da corrida comercial no mercado cada vez mais globalizado, será uma constante.

A capacidade de geração de conhecimentos aplicados ao campo aumentou com a pesquisa e teve grande impacto na maneira de produzir, que passou de processos extrativistas e de subsistência para produção em escala, colocando a América Latina como exportadora. Estima-se que o agronegócio na região deva crescer cerca de 40% na próxima década, mas não será suficiente, e enfrentará sérias ameaças, como a dependência crescente de insumos importados, urbanização acelerada, concentração da atividade, barreiras sanitárias e câmbio.

Potencial existe. O Brasil é o maior produtor mundial de carne e o quarto maior produtor de leite de vaca. Possui 215 milhões de bovinos em 172 milhões de hectares de pastagens, apesar de 45% da área de maior concentração de atividade pecuária no país esteja com baixa produtividade, tendo como meta recuperar 15 milhões de hectares de pastagens degradadas até o ano 2020. A agricultura representa próximo de 23% das exportações da América Latina e 5% do produto doméstico bruto da região, segundo o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). Em termos mundiais, a América Latina representa 16% das exportações mundiais de produtos agrícolas e de alimentos.

Para que a América Latina e o Brasil, em particular, continuem sendo protagonistas de crescimento sustentável a taxas superiores à registrada em todo o mundo, atuando de modo eficiente e com grande retorno econômico e social, deve-se dar ênfase a recursos que visem agregar valores aos produtos. Culturas multifacetadas, com grande potencial de uso como a alfafa, podem representar uma excelente opção para a região no futuro. Pode compor diferentes sistemas de produção ou processos industriais e comerciais, até se transformar em diferentes produtos, indo da pecuária à indústria farmacêutica e cosmética, passando pela alimentação humana, com características inigualáveis para recuperar solos degradados, fixar nitrogênio e se adaptar a diferentes condições edafoclimáticas. Todo este potencial pode fazer com que ela contribua com o desenvolvimento de muitas regiões Latino-americanas.

produção de leite em pasto de alfafa
Vaca pastejando na alfafa. Fonte: Embrapa

Oriunda da Ásia, principalmente das terras áridas do Irã e Afeganistão, a alfafa (Medicago sativa) encontrou hábitat adequado nas terras férteis da Europa e dos Estados Unidos, países de clima temperado que investiram pesadamente em pesquisa nesta cultura. Na América Latina destaca-se na Argentina, Chile, Uruguai e, mais recentemente, no Sul do Brasil, podendo ser hoje cultivada na maior parte do território nacional.

No Brasil, a área com alfafa ainda é tímida, próximo a 40 mil ha, mas destaca-se pelo valor comercial para abastecer haras e, mais recentemente, sistemas intensivos de produção animal. É uma das forrageiras de maior potencial para a intensificação da produção de leite por apresentar elevada produtividade, baixa estacionalidade de produção, excelente qualidade da forragem e boa aceitabilidade, sendo, por isso, indicada para animais de alto valor genético, segundo o pesquisador da Embrapa, Duarte Vilela.

Para inserir a alfafa nos sistemas de produção a pasto, seja para carne ou leite, deve-se levar em consideração o custo de produção e nos trópicos este é inversamente proporcional à participação do pasto na dieta dos animais. Nos países onde o preço do leite ao produtor é baixo, como no Brasil, a inserção da alfafa nos sistemas reduz o custo de produção como consequência da menor necessidade de alimentos concentrado para suplementação proteica da dieta, que são normalmente os que mais oneram o custo, segundo pesquisadores da Embrapa Pecuária Sudeste.

A Argentina, principal país produtor de alfafa da América Latina, possuía em 2015 cerca de quatro milhões de hectares destinados à produção de carne e de leite em sistemas de pastejo direto ou feno de alfafa. O país conta com uma rede de avaliação de cultivares comerciais que geram informações sobre a adaptabilidade e estabilidade destas cultivares em diferentes ambientes.

Em muitos países o seu cultivo tem como destino principal a pecuária, sendo recomendada para formular ração para pets e participar na dieta de bovinos, equinos e caprinos, como volumoso e/ou complemento de concentrados proteicos. Muito comum seu comércio na forma desidratada, com a vantagem de ser transportada para locais distantes da área de produção, podendo ser utilizada na forma processada, em pellets, ou in natura, como feno.

Na Argentina houve avanços significativos no desenvolvimento de tecnologias para aumentar a produção de feno de alfafa em escala comercial (rolos e megafardos). Contudo, se levar em consideração a demanda crescente do produto e as transformações no mercado mundial, há potencial para melhorar a qualidade e garantir a estabilidade da produção. Neste cenário, o processo de fenação da alfafa tem evoluído consideravelmente de acordo com as possibilidades de exportação e pelas mudanças que vêm ocorrendo na produção de leite e de carne, tendo em vista que o sistema pastoril (ainda importante, mas muito dinâmico) tem cedido espaço a sistemas de produção em confinamento, onde há maior demanda por forragens conservadas (feno de alfafa e silagem de milho ou sorgo).

Em toda a América Latina é recomendável produzir maior quantidade de feno da alfafa de alta qualidade, não somente para consumo interno, como também para a exportação nos âmbitos regional e mundial. O mercado mundial de feno de alfafa em 2016, principalmente, megafardos recompactados, chegou a 8,5 milhões de toneladas, com expectativa de crescimento. A demanda de países árabes (Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos, principalmente) e asiáticos (China, Japão e Coreia), será crescente pela necessidade de produzir alimentos, assim como pelas restrições à disponibilidade de terras e água. Por outro lado, os habituais fornecedores de feno de alfafa (Estados Unidos, Austrália, Espanha e, em menor escala, Itália) estão praticamente no limite de suas possibilidades de exportação. Neste contexto, países latino-americanos poderão se posicionar como produtores de feno desde que, além de aumentarem a produção, se preocuparem com qualidade. Para isso, é importante desenvolver novas máquinas de fenação, além de melhoria no processamento e no armazenamento de feno.

Na indústria cosmética, seu estrato tem sido utilizado na composição de cremes para rejuvenescimento facial e tratamento capilar. Na indústria farmacêutica, é um poderoso medicamento no combate a distúrbios estomacais. Na culinária moderna, é um excelente alimento funcional e seus benefícios à saúde são muitos. Na pecuária intensiva moderna, como visto, se destaca pelos atributos nutricionais incomparáveis que a confere índices elevados de produtividade de carne e de leite.

Nesse cenário promissor e de grande potencial de utilização, a América Latina pode sair na frente para apoiar a expansão dos sistemas agroalimentar e agroindustrial, tomando a alfafa como base de uma plataforma para direcionar futuras pesquisas em rede, gerando conhecimento para promover inovações e desenvolvimento tecnológico sustentável na região.

Um organograma conceitual do que se idealiza de uma Plataforma, estruturada em Rede virtual com temas prioritários para pesquisa, desenvolvimento e inovação, poderá nortear futuras pesquisas com alfafa na América Latina, seja na pecuária moderna ou na agroindústria transformadora, capitaneadas pela Embrapa no Brasil e pelo INTA na Argentina.

Nesse contexto o livro “Exploração racional da alfafa: do cultivo à sua utilização”, reunirá 21 capítulos relevantes para o desenvolvimento sustentável da alfafa na América Latina, focados em resultados atuais de pesquisa, trazendo as inovações tecnológicas que poderão ser apropriadas pelo setor produtivo primário e industrial, destacando-se pela clareza e objetividade.

Nos primeiros capítulos são abordados os aspéctos agronômicos da cultura de alfafa, na sequência os tópicos que caracterizam o seu perfil multiuso, se aprofundando nas várias maneiras de utilizar a alfafa nos sistemas pecuários e agroindustriais, assim como na culinária moderna. Ao fim, um mergulho profundo no futuro da cultura, elencando e priorizando linhas de pesquisa, ousando em propor a criação de uma Rede de Pesquisa e Inovação com Alfafa para a América Latina.

Atuarão, como editores, Duarte Vilela e Reinaldo de Paula Ferreira, pesquisadores da Embrapa, Daniel Horacio Basigalup, pesquisador do INTA-Argentina, Fabrício Juntolli, auditor do MAPA e Dilermando Miranda da Fonseca, professor da UFV. O Dr. Eliseu Roberto de Andrade Alves fará a apresentação da Obra.  Será editado na forma impressa e no formato E-book, em português e espanhol. Os recursos para viabilizar a impressão e tradução, estão pleiteados junto ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), tendo em vista a sua publicação pela Universidade Federal de Viçosa.

O lançamento será durante o "Segundo Congreso Mundial de Alfalfa"  - GLOBAL INTERACTION FOR ALFALFA INNOVATION -  Organizado pelo INTA, em Cordoba, Argentina - 11 a 14 de novembro de 2018.

17

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MUHAMAD RABBI AL NAJJAR

SÃO PAULO - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 10/12/2018

alguem sabe como faço pra comprar essa alfafa pro meu gado ?
DUARTE VILELA

JUIZ DE FORA - MINAS GERAIS - PESQUISA/ENSINO

EM 22/01/2019

Caro Sr. Muhamad, o comércio de feno de alfafa é bem difundido em alguns estados e principalmente no sul do país, com empresas que o comercializam. Se procurar pela internet poderá localizar com certa facilidade. O site https://www.mfrural.com.br/busca.aspx?palavras=feno+alfafa é um exemplo que trás várias opções de compra.
EM RESPOSTA A DUARTE VILELA
MUHAMAD RABBI AL NAJJAR

SÃO PAULO - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 22/01/2019

voce pode me passar seu contato ? estou precisando urgente comprar esse produto
EM RESPOSTA A MUHAMAD RABBI AL NAJJAR
DUARTE VILELA

JUIZ DE FORA - MINAS GERAIS - PESQUISA/ENSINO

EM 22/01/2019

Sr. Muhamed, será um prazer passar meu contato, mas deixo claro que não sou comerciante de feno de alfafa. Telefone: 32 3311 7516
EM RESPOSTA A MUHAMAD RABBI AL NAJJAR
GIULIANO OLIVEIRA

PORTO ALEGRE - RIO GRANDE DO SUL - INDÚSTRIA DE INSUMOS PARA LATICÍNIOS

EM 12/03/2019

Sr. Muhamed podemos conversar? Trabalho com alfafa de alta qualidade no estado do RS.
Giuliano - 051 999451330
REINALDO

SÃO CARLOS - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 29/03/2018

Prezado Márcio,

A Dra. Rafaela Priscila Antônio que conduz o ensaio de alfafa na Embrapa Semiárido. No momento ela está de licença maternidade mas em breve deve retornar ao trabalho.

Abraço.

Reinaldo
REINALDO

SÃO CARLOS - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 27/03/2018

Prezados colegas,

Para o leitor que busca um conhecimento mais amplo de alfafa disponibilizamos a palestra abaixo:

http://proxy.cppse.embrapa.br/pub/reinaldo/Cultivo%20e%20utiliza%c3%a7%c3%a3o%20da%20alfafa.ppt

Nesta palestra apresentamos o potencial de alfafa para alimentação de gado de leite, equinos, caprinos, na alimentação humana e na indústria de cosméticos.

É uma palestra resumida oriunda dos capítulos dos colegas que nos ajudaram na elaboração do livro mencionado pelo Vilela que será lançado no Congresso Mundial de Alfafa "Exploração racional da alfafa: do cultivo à sua utilização".

Portanto, o leitor da Revista MilkPoint, em absoluta primeira mão, está tendo acesso ao resumo desta Obra!!
REINALDO

SÃO CARLOS - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 27/03/2018

Prezados colegas,

Disponibilizamos para todos palestra sobre alfafa, basta clicar no link abaixo:
http://proxy.cppse.embrapa.br/pub/reinaldo/Manejo%20da%20alfafa%20para%20bovinos%20de%20leite.ppt

Com esta palestra creio que muitas dúvidas dos leitores sobre alfafa serão elucidadas.
FIRMO SOUSA

QUEBEC - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 27/03/2018

Ótima matéria, muito interessante.
Parabéns ao autor.
REINALDO

SÃO CARLOS - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 26/03/2018

A Embrapa Semiárido, em Petrolina-PE, conduz um ensaio de acessos promissores de alfafa. A alta luminosidade e a baixa incidência de doenças favorece a produção de matéria seca. É possível fazer 13 cortes/ano e alcançar produção de matéria seca próxima a 20 ton. MS/ano. É essencial na região irrigar e realizar os tratos culturais adequados (calagem, adubação e aplicação de herbicidas).
VINICIUS LUIZ DIEL

SÃO CARLOS - SANTA CATARINA - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 23/03/2018

Parabéns pelo ótimo trabalho, realmente
Precisamos começar agora a pensar no futuro, na produção de alimento de altíssima qualidade para produzirmos carne leite, sendo eficiente o máximo possível. ??
DUARTE VILELA

JUIZ DE FORA - MINAS GERAIS - PESQUISA/ENSINO

EM 23/03/2018

OBRIGADO VINICIUS. REALMENTE O POTENCIAL DA ALFAFA PARA SISTEMAS INTENSIVOS DE PRODUÇÃO DE LEITE É ALTÍSSIMO. PENA QUE AINDA POUCO EXPLORADO EM NOSSO PAÍS. HÁ QUASE 30 ANOS AVALIAMOS SEU POTENCIAL A PASTO COMPARATIVAMENTE A UM SISTEMA CONFINADO, TIPO FREE STALL COM VACAS HOLANDESAS POI. O RESULTADO FINANCEIRO FOI SURPREENDENTEMENTE FAVORÁVEL AO SISTEMA EM PASTEJO DIRETO EM ALFAFA, APESAR DE A PRODUÇÃO INDIVIDUAL DE LEITE TER SIDO MENOR.
EM RESPOSTA A DUARTE VILELA
MÁRCIO OLIVEIRA

NATAL - RIO GRANDE DO NORTE - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 23/03/2018

Professor Vilela, parabéns pelo trabalho, precisamos expandir nossas alternativas.
Já existe alguma experiência de cultivo no nordeste? Qual a sua visão em termos de adaptação da alfafa ao clima do nordeste em sistema irrigado?
EM RESPOSTA A MÁRCIO OLIVEIRA
DUARTE VILELA

JUIZ DE FORA - MINAS GERAIS - PESQUISA/ENSINO

EM 23/03/2018

CARO AMIGO MÁRCIO, PELO QUE SEI A EXPERIÊNCIA COM ALFAFA NO SEMIÁRIDO SE RESUME A PEQUENAS ÁREAS EXPERIMENTAIS, DESCONHEÇO SE EXISTE GRANDES ÁREAS COM PASTAGENS. CONTUDO, PELAS CARACTERÍSTICAS DE SOLO, TOPOGRAFIA E CLIMA, SE IRRIGAR A EXPECTATIVA É MUITO POSITIVA. OUTRA OPORTUNIDADE, QUE ACREDITO SER POSITIVA, É A PRODUÇÃO DE SEMENTES COMERCIAIS. COMO SABEMOS, O BRASIL IMPORTA PRATICAMENTE TODA A SEMENTE DE OUTROS PAÍSES, PRINCIPALMENTE ARGENTINA. PELAS CARACTERÍSTICAS EDAFOCLIMÁTICAS DO NORDESTE A POSSIBILIDADE DE ÊXITO É MUITO GRANDE. A EMBRAPA PLANEJA INICIAR UM PROJETO NESTE SENTIDO MUITO EM BREVE.
EM RESPOSTA A DUARTE VILELA
REINALDO

SÃO CARLOS - SÃO PAULO - PESQUISA/ENSINO

EM 26/03/2018

Prezado Márcio,

A Embrapa Semiárido, em Petrolina-PE, está conduzindo ensaios de genótipos promissores de alfafa para a região. A produção de matéria seca obtida tem sido excelente, basta irrigar e utilizar os tratos culturais adequados. A vantagem comparativa do nordeste é a menor incidência de doenças e a alta luminosidade, favorecendo a produção de matéria seca.
Como mencionado pelo Vilela, acreditamos também no potencial do semiárido para produção de sementes de alfafa.
EM RESPOSTA A DUARTE VILELA
MÁRCIO OLIVEIRA

NATAL - RIO GRANDE DO NORTE - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 28/03/2018

Muito obrigado pelas informações!
EM RESPOSTA A REINALDO
MÁRCIO OLIVEIRA

NATAL - RIO GRANDE DO NORTE - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 28/03/2018

Reinaldo, obrigado pela informação! Sabe informar quem está a frente das pesquisas em Petrolina?
MilkPoint AgriPoint