FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

2005: o consumo cresceu "na marra"

POR MARCELO PEREIRA DE CARVALHO

PANORAMA DE MERCADO

EM 30/03/2006

4 MIN DE LEITURA

0
0

Um dos pontos mais comentados em relação ao setor lácteo é que o consumo está estagnado, ao se analisar os valores per capita, isto é, quanto, teoricamente, cada habitante consome em litros ou quilos de leite-equivalente por ano.

Após a mudança de patamar verificada em 1995, à época do Plano Real, quando o consumo per capita saltou de 110,8 kg por pessoa/ano para 126,3 kg por pessoa/ano, não tivemos mais o que comemorar em relação a este índice. Durante dez longos anos, o consumo oscilou entre 124 e 132 kg por pessoa por ano. Acima da média mundial, de 80 kg, é verdade, mas muito abaixo das expectativas e da conclusão que se chega após analisarmos as recomendações do Guia Alimentar Oficial, que indiretamente sugere ao redor de 200 kg/habitante/ano.

Essa realidade, no entanto, foi balançada ao se analisar os números de 2005. O cálculo do consumo per capita, considerando a soma da produção interna e das importações, subtraída das exportações, mostra que houve uma elevação significativa após anos de marasmo. A tabela 1 mostra que houve, no último ano, um aumento de 5,7% no consumo per capita. Pelos cálculos, atingimos, pela primeira vez na história, a marca dos 138 kg/pessoa. É um aumento considerável, que, curiosamente, passou meio despercebido.

À exceção da população, temos uma grande incógnita e uma fonte de possível divergência ao se efetuar estes cálculos. A fonte de divergência, que pode incorrer em pequenas variações nos números, são os fatores de conversão entre lácteos importados e exportados em leite-equivalente. No entanto, como essas possíveis variações não afetam a tendência, vamos desconsiderá-las.

A grande incógnita é a produção. Até a data de elaboração deste artigo, não tínhamos ainda os dados oficiais relativos à captação de leite inspecionado em 2005. Faltava o último trimestre. Se usarmos a média de aumento dos últimos quatro anos entre o terceiro e quarto trimestres para estimar o valor produzido no último trimestre, concluiremos que a produção formal passou dos 16,3 bilhões de litros (nota pós-publicação: os dados acabarem de ser divulgados, mostrando que o valor foi pouca coisa inferior a essa estimativa - 16,2 bilhões de litros).

Resta ainda a dúvida a respeito da informalidade. Considerando os bons preços do primeiro semestre, é possível supor que houve alguma migração para a formalidade. Assim, supondo que 65% da produção foi comercializada pelos canais oficiais, contra 62% no ano passado, teremos uma produção total de 25,15 bilhões em 2005. É um número e tanto, representando um crescimento de 7,2% em relação a 2004. É mais de um Uruguai em produção, crescendo em um ano.

Mesmo com essas ressalvas, e considerando que o ano não terminou com as indústrias abarrotadas de lácteos, é sensato concluirmos que houve, de fato, elevação no consumo per capita, conforme já apontado pela CNA, OCB/CBCL, Leite Brasil e Embrapa Gado de Leite, que chegaram em números praticamente iguais. Nos cabe, então, comentar a respeito dos motivos que levaram a esse aumento no consumo, quebrando uma estagnação que já durava uma década.

Sempre que se fala em aumento no consumo de lácteos, a questão da renda é abordada, mesmo porque há vários trabalhos mostrando que proteínas animais apresentam considerável elasticidade-renda, especialmente nas faixas de renda mais baixas. O próprio aumento do poder aquisitivo à época do Plano Real mostrou isso. Porém, não foi o que ocorreu em 2005. O PIB per capita cresceu apenas 0,8%, conforme comentado por Paulo do Carmo Martins no artigo de Conjuntura. Esse "aumento" obviamente não pode ter sido responsável pela elevação do consumo per capita em 5,7%.

Tampouco é provável que o maior consumo tenha sido resultado de inovações em produto, logística e propaganda por parte das empresas do setor. Ainda que haja boas iniciativas nesse sentido, não houve nada que pudesse resultar em incrementos dessa magnitude.

O próprio Paulo Martins dá a resposta:

"Se o consumidor gastava R$ 1.000,00 para manter sua família em dezembro de 2004, ele passou a gastar R$1.051,00 em dezembro de 2005, para consumir os mesmos bens e serviços e nas mesmas quantidades. Se o consumidor gastava R$ 1.000,00 somente com alimentação, um ano depois passou a gastar R$ 1.020,00 para consumir os mesmos bens e nas mesmas quantidades. Contudo, se os gastos com leite e derivados foi de R$ 1.000,00 em dezembro de 2004, em dezembro de 2005 esse consumidor gastou R$ 970,00 para consumir os mesmos bens e nas mesmas quantidades".

Ou seja, houve redução nos preços relativos do leite e dos derivados, que provavelmente resultaram em elevação do consumo. Em outras palavras, o aumento do consumo em 2005 ocorreu "na marra", pela pior via para o setor, isto é, através da redução de preços, sem que este processo tenha sido resultado de ganhos de eficiência, como ocorreu com frango há 15 ou 20 anos atrás. O resultado, todos sabem: indústrias reclamando, produtores reclamando.

Para 2006 a produção deve crescer (embora menos: as estimativas são de 3 a 5%), mesmo porque o leite apresenta resultados ainda melhores do que outras atividades agrícolas e se beneficia dos baixos preços das commodities agrícolas; o câmbio, como se sabe, não tem trabalhado a nosso favor. Por outro lado, espera-se um crescimento maior do PIB e que a elevação do salário mínimo melhore momentaneamente a renda. É possível, dessa forma, que em 2006 tenhamos novo aumento do consumo per capita, porém desta vez não motivado pelas reduções de preços. Apesar disso, deve-se lembrar que nada indica se tratar de um novo patamar no consumo per capita, mas sim de uma resposta conjuntural.

Esse cenário para 2006 não deve desviar o foco das questões principais. Para o setor ter um crescimento sustentável, precisa trabalhar as questões que estão ao seu alcance: desenvolvimento de novos produtos, reduções de custos ao longo da cadeia, marketing institucional permanente e abertura de novos mercados para exportação.

Tabela 1: Producão, Importações, Exportações e Consumo Per Capita de Leite nos últimos anos
 


Dados básicos: IBGE, MAPA, MDIC

Elaboração: MilkPoint
 

MARCELO PEREIRA DE CARVALHO

Engenheiro Agrônomo (ESALQ/USP), Mestre em Ciência Animal (ESALQ/USP), MBA Executivo Internacional (FIA/USP), diretor executivo da AgriPoint e coordenador do MilkPoint.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint