FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Vendas de máquinas agrícolas deverão crescer 3% em 2020, prevê Anfavea

As vendas de máquinas agrícolas no mercado doméstico deverão crescer 2,9% em 2020 e somar 45 mil unidades, projetou hoje a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea). No ano passado, foram 43,7 mil unidades, 8,4% menos que em 2018. A previsão inicial da entidade para 2019 é que as vendas alcançassem 53 mil unidades.

Para a produção nacional de máquinas agrícolas, a Anfavea prevê crescimento de 5,4% em 2020, para 56 mil unidades. No ano passado foram 53,1 mil unidades produzidas, queda de 19,1% ante o ano anterior. A previsão inicial da Anfavea para a produção em 2019 era 60 mil unidades.

Já as exportações deverão crescer 1% este ano, para 13 mil unidades. Em 2019, foram 12,9 mil unidades, aumento de 1,5% na comparação com o ano anterior e em linha com a estimativa inicial (13 mil).

Cenário pessimista

O crescimento de 2,9% nas vendas de máquinas agrícolas e rodoviárias em 2020 projetado pela Anfavea será puxado pela demanda para obras de infraestrutura, e não pelo campo. Foi o que afirmou o vice-presidente da entidade, Alfredo Miguel Neto.

“Eu gostaria de ter uma perspectiva extremamente otimista para o ano. Mas estamos começando 2020 prevendo estabilidade para a venda de máquinas agrícolas. O crescimento virá das máquinas para o setor rodoviário, com os investimentos em infraestrutura", afirmou ele.

Em 2019, as vendas das duas categorias somaram 43,7 mil unidades — 39,4 mil de máquinas agrícolas e 4,3 mil máquinas rodoviárias (tratores de roda e retroescavadeiras). Para 2020, as vendas das duas categorias devem alcançar 45 mil unidades, sendo 40 mil unidades de máquinas agrícolas e 5,3 mil de rodoviárias.

“Se o Ministério da Agricultura anunciar crédito até o fim do Plano Safra 2019/20 [em 30 de junho] ou comunicar que não haverá recursos adicionais e os bancos privados oferecerem taxas atrativas — ou houver recursos para todo o ciclo 2020/21 —, poderemos refazer a estimativa”.

Segundo ele, mesmo com o remanejamento de quase R$ 1,5 bilhão para linhas de crédito como o Programa Nacional de Apoio ao Médio Produtor (Pronamp) e o Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), ainda será necessário que o governo destine pelo menos outros R$ 2 bilhões para que não faltem recursos para o segmento até a virada do novo Plano Safra, em 1º de julho.

Em dezembro do ano passado, as indústrias de máquinas reivindicaram R$ 3 bilhões adicionais para o Moderfrota, principal linha de crédito para a compra de tratores e colheitadeiras do país. No total, o governo reservou R$ 9,7 bilhões para a linha na atual temporada.

“Esse dinheiro remanejado deverá acabar na primeira semana de março”, estimou Miguel Neto. “Esperamos que haja efetivamente um planejamento que cubra o ano integral. Há décadas que temos recursos menores que o necessário”, afirmou.

As informações são do Valor Econômico.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.