ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Sem Itambé, suprimento de leite pode ser desafio para a mexicana Lala

"Os primeiros dias da Lala no Brasil tornam-se cada vez mais desafiadores". Esse é o título de relatório divulgado ontem pelo banco Credit Suisse, com análise sobre os efeitos da venda da Itambé Alimentos para a francesa Lactalis para a mexicana Lala.

Na terça-feira, a Lactalis anunciou a aquisição de 100% das ações da Itambé, da Cooperativa Central dos Produtores Rurais de Minas Gerais (CCPR), que havia acabado de retomar o controle da Itambé. A operação - estimada em R$ 1,9 bilhão, segundo fontes - envolveu também acordo de fornecimento de leite de longo prazo da CCPR para a Itambé. Segundo os analistas do Credit, a venda da Itambé para a francesa Lactalis é negativa para empresa mexicana, que adquiriu a Vigor em agosto passado.

Eles destacam, no relatório, que a compra da Itambé fará da Lactalis a maior player no mercado de lácteos do Brasil, com 14,5% de market share, seguida por Nestlé (13,3%) e Danone (8,1%). Antes do negócio, a Lactalis era a segunda em market share, com 8%, considerando dados de 2016. O relatório também cita que, juntas, Lactalis e Itambé serão líderes na captação de leite no campo, com cerca de 2,7 bilhões de litros por ano, superando a Nestlé, que foi a primeira do ranking em 2016, com 1,690 bilhão de litros.

Com a aquisição da Itambé, observam os analistas, a Lactalis vai expandir sua rede de fornecedores de leite exatamente nas áreas em que a Vigor opera, principalmente no Sudeste. A questão, indagam, é se isso tornará o abastecimento de leite um desafio para a Lala, uma vez que a melhora de produtividade dos associados da CCPR e a garantia de fornecimento de leite seriam uma vantagem competitiva para a Lactalis. Afora isso, a Vigor não detém ativos próprios de produção de leite e compra de produtores independentes.

Os analistas do Credit estimam ainda que a Lala terá menos oportunidades para explorar sinergias no nível de produção, considerando que não tem suprimento próprio de leite. Outro desafio, afirmam, será começar a expansão geográfica no Brasil, pois sozinha a Vigor tem escala nacional limitada (apenas 3,3% de market share).

A transação entre CCPR e Lactalis é uma reviravolta numa operação deflagrada após a venda da Vigor para a Lala, em agosto. O negócio também incluía a Itambé, joint venture entre Vigor e CCPR. A cooperativa tinha direito de preferência para recomprar a participação da sócia em caso de venda da Vigor e o fez. No novo cenário, as ações da Lala na bolsa mexicana caíram 1,55% ontem, para 27,93 pesos. 

As informações são do jornal Valor Econômico.

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

ENG. AGR. JEFERSON LUIS BELÉIA FARIAS

PORTO ALEGRE - TOCANTINS

EM 07/12/2017

A cadeia leiteira brasileira, ainda, possui um mercado de leite in natura bastante pulverizado em termos de compradores e vendedores. De um lado, os compradores, que, por uma questão de mercado, "não sabem", hoje, o que fazer com o leite, ao mesmo tempo que estão vendo a oferta aumentar a cada dia com a chegada da safra no CO e SE. De outro lado, os vendedores (produtores) com a produção reprimida em função dos baixos preços, fato que somado à, também, reprimida reserva genética do gado e das forrageiras (potencial de aumento da produção), formam uma reserva de rápida resposta. Esta situação da oferta e da demanda, ao meu ver, faz com que o suprimento de leite não deva ser motiva para "tirar o sono" da Vigor, até porque, ela possui uma captação estruturada em regiões com potenciais de crescimento (sul e NO de SP, sul de MG e sul do RJ), onde a concorrência é similar às demais bacias importantes do Brasil, com agentes bem posicionados e outros nem tanto.

Quanto a ampliar a operação, eu digo que, hoje, "todos" os laticínios do Brasil estão à venda, ou seja, o mercado vai continuar oferecendo oportunidades em bacias tão interessantes quanto àquelas que ela atua.

Outro fato que corrobora com a afirmação de que suprimento de leite não deverá ser problema, mesmo com a atual ociosidade industrial, é o fato de que o produtor brasileiro, em sua grande maioria, em tese, atua em um mercado spot, ou seja, é independente, seja ele, cooperado ou não, e, portanto, está sempre aberto a acolher um bom projeto, com uma boa execução, a fim de construir suas parcerias. O mercado dita o ritmo e não vejo, no curto prazo, a possibilidades de grandes demandas, o que dará tempo a cadeia para se preparar. "Até que o sol não brilhe, acendamos uma vela na escuridão - Confúcio".