FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

RS pedirá para deixar de vacinar contra aftosa, mas aval depende de melhorias

O Estado pedirá ao Ministério da Agricultura a retirada da vacina contra a febre aftosa. Mas a decisão será reavaliada em agosto, quando termina o prazo para que sejam feitos os ajustes apontados no relatório da auditoria realizada no Rio Grande do Sul. 

Ontem, técnicos da Secretaria da Agricultura e da superintendência regional do ministério apresentaram em detalhes as 18 condicionantes (veja na nota abaixo os principais pontos). E esclareceram dúvidas de representantes de sindicatos e de entidades do setor. 

Depois da avaliação técnica, Federação da Agricultura do RS (Farsul) e Federação Brasileira das Associações de Criadores de Animais de Raça (Febrac) realizaram assembleias para definir posição. Na hora da votação, no entanto, mudaram a pergunta. No lugar de é "contra ou a favor da retirada", o questionamento foi "apoia ou não o Estado para dar continuidade ao processo de evolução do status sanitário". Diante da nova abordagem, houve quem mudasse de posição. 

Em ambas entidades, a resposta foi favorável para que o governo siga adiante e tenha tempo de fazer as modificações necessárias. Na Farsul, foram 53 votos pelo apoio e 11 contra. Na Febrac, placar de 18 a 5. 

"Não significa uma aposta cega, existem condições. São alguns requisitos que deverão ser cumpridos até agosto. Aí teremos a batida final de martelo", pontua Gedeão Pereira, presidente da Farsul. 

Posição alinhada à da Febrac, que considera a sinalização um "voto de confiança". "Vai ajudar o governo a obter os meios necessários para atender às recomendações", acrescenta o presidente Leonardo Lamachia.

Ainda que a posição das entidades seja voltar a avaliar o tema mais adiante, o secretário Covatti Filho entende como positivo o apoio para seguir com o processo. "Toda obrigação agora fica com o Estado. A decisão foi tomada, mas será revista em agosto se não cumprirmos exigências", reconhece o titular. 

A antecipação da primeira etapa da vacinação para março teve papel fundamental. Fez o Estado ganhar tempo. A solicitação ao ministério para deixar de vacinar precisa ser feita em maio. O ônus de dar as garantias exigidas para o aval final é do Piratini.

As informações são do Zero Hora.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.