FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

EUA: recessão do COVID-19 provavelmente fará com que os preços do leite tenham queda de 15 a 25%

Produtores e analistas esperavam que os preços do leite sofressem nas mãos do COVID-19. No entanto, o que começou como uma estimativa de impacto de preços de 6% tornou-se rapidamente uma perspectiva muito mais sombria. Os mercados diminuem quase todos os dias, à medida que o impacto do vírus continua sendo sentido na economia e na cadeia de suprimentos. Os supermercados lutam para manter o leite na prateleira. As pessoas comem mais em casa do que nos restaurantes. As empresas de logística enfrentam desafios especiais. A escassez de contêineres provavelmente prejudicará as exportações. E estados inteiros fecharam as escolas por várias semanas, o que sem dúvida afetará o consumo de leite nas escolas. No geral, os analistas concordam que os preços do leite podem cair 20%, o que nos colocaria na faixa dos preços de 2008.

"É meio surreal. É estranho ver esses mercados implodir com dados tão limitados”, disse Tom Bailey, economista sênior de laticínios do RaboAgriFinance. "Estamos mudando nossas projeções para o que pode efetivamente ser descrito como uma recessão".

Embora internamente, evidências anedóticas apontem para um boom de curto prazo nas vendas no varejo, não é provável que seja suficiente para compensar outros desafios. Bailey diz que está ouvindo alguns varejistas reportarem um crescimento de 50 a 100% na última semana, parte desse crescimento, incluindo queijo e leite clássicos. "Ainda não temos os dados exatos, por isso ainda são principalmente anedóticos e boatos neste estágio", diz ele.

Esse tipo de crescimento é grande, mas é grande o suficiente para compensar outros fatores, como o serviço de restaurante?

“Mesa aberta, por exemplo, eles mostram reservas de 20 a 50%. Portanto, esse é um ponto de dados externo que podemos observar”, diz ele. "E agora eles obviamente estão fechando bares e restaurantes e limitando as vendas a serem contratadas nesta fase."

De acordo com o Black Box Intelligence, as vendas de restaurantes em Seattle caíram cerca de 20% durante a primeira semana inteira de maior conscientização sobre o vírus que se espalhava. Os restaurantes sofisticados e de serviço completo parecem estar sendo atingidos com mais força do que o serviço rápido de servir e levar, diz Nate Donnay, analista sênior de laticínios do INTL FCStone; as vendas "para viagem" aumentaram 10,5%.

"É provável que vejamos as vendas diretas, imediatas e de entrega de alimentos  terem um aumento positivo, enquanto as vendas em restaurantes/sit-down sofrem um grande impacto", diz ele. “Provavelmente tudo isso gera um resultado líquido negativo para as vendas de serviços de alimentação, mas o impacto não será distribuído igualmente entre os tipos de restaurantes e categorias de alimentos. A pizza entregue parece muito bem posicionada e isso pode ajudar a diminuir o impacto no mercado de queijos.”

Donnay diz que um declínio de 20% nas vendas de restaurantes em todo o país por três meses provavelmente equivale ao desaparecimento total equivalente em leite, diminuindo 1-2% no ano. "Isso provavelmente reduziria os preços dos laticínios em cerca de 15% do que teriam sido de outra forma", diz ele, acrescentando que, com todas as paralisações estaduais e fechamento de restaurantes, assumir uma queda de 20% nos preços "pode não ser suficiente".

A demanda por restaurantes não é o único fator em jogo. Além disso, o consumo de leite nas escolas cairá drasticamente com as amplas faixas de fechamento de escolas, deixando muitas crianças sem leite. O consumo de leite nas escolas é responsável por aproximadamente 7% do consumo nacional. No entanto, alguns distritos escolares maiores, como Nova York, procuram fornecer às crianças alimentos que, caso contrário, não teriam. "E, muitas vezes, esses programas serão abertos para qualquer aluno, de forma que você possa ver muitas pessoas ainda usando esses canais, mas eu suspeito que as pessoas que puderem ficarão em casa", acrescenta.

Contêineres de exportação limitados, preços do petróleo e outros fatores macroeconômicos podem significar problemas para os mercados de exportação, diz Bailey. “No Oriente Médio e o norte da África certamente serão menores, mas isso não acontece diretamente conosco. Isso afetará a Oceania e os exportadores europeus, que terão produtos no sudeste da Ásia, onde dissemos que a análise de lucro, especialmente a imagem asiática, pode ser fraca devido a problemas econômicos na China. Se a demanda for fraca, as exportações serão fracas. No próximo mês ou dois, os preços dos laticínios devem manter-se, mas os produtores devem esperar uma 'pressão significativa' à medida que a poeira baixar e uma recessão se estabelecer no próximo ano", comentou.

"Nos próximos dois a três meses, com os preços do petróleo onde estão, e outros fatores macroeconômicos sendo considerados, como a perda potencial de empregos acessíveis, importadores com moedas mais fracas e assim por diante, o impacto nos preços dos laticínios é inevitável". Bailey diz que espera que os preços caiam de 15 a 25%. "Então, eu diria que o risco de queda é de 25%, isso nos coloca no território de 2008, aproximadamente, pelos preços dos laticínios."

Existe um lado positivo?

É cedo para dizer, mas, segundo Bailey, ainda há uma chance de superação rápida, com uma recuperação do mercado antes do final do ano. Provavelmente haverá uma profunda curva de preços e de mercado em V, em vez de uma recessão profunda e prolongada.

"Vai depender de como a curva desse vírus vai se comportar, antes que as pessoas comecem a viajar e comer fora novamente, mas haverá muito ceticismo", ele admite. "Contudo, quando as coisas começam a mudar, há uma boa chance de que os sistemas de proteção para a economia e o apoio do governo nos ajudem a nos recuperar mais rapidamente."

Neste momento, os analistas do Rabobank esperam que os preços continuem flutuando no curto prazo antes que os impactos de uma recessão sejam sentidos no segundo semestre de 2020. "Poderia ser um mergulho mais íngreme, mais nítido e uma recuperação mais rápida, como um V", diz ele. "É isso que todos esperamos, mas tudo depende de como o próximo mês vai se desenrolar e de como o vírus se espalha".

As informações são do Dairy Herd Management, traduzidas pela Equipe MilkPoint.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.