ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Qualidade do leite e aumento do lucro

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 15/03/2021

3 MIN DE LEITURA

1
2

O casal Danielle Priscila de Souza Cunha e Geraldo Geovani da Cunha participa do Programa de Assistência Técnica e Gerencial (ATeG) em Bovinocultura de Leite desde julho de 2019.

Desde então, muitas foram as mudanças. “Com a assistência, optamos por ter menos animais, reduzir a produção e ter custo mais baixo. Isso para ter mais qualidade não apenas quanto ao bem-estar dos animais, mas à nossa vida também”, explicou Danielle.

Moradores do Sítio Boa Vista, no município de Chácara, na Zona da Mata, têm no leite a fonte de renda.

Eles contam que, antes do ATeG, não havia qualquer forma de gestão na propriedade. “Por isso, digo que tudo mudou. Hoje, anotamos tudo, antes, nossas anotações se limitavam ao gado, não considerávamos os gastos. Foi assim que conseguimos enxergar o custo elevado do nosso negócio.”

Números

No início, a propriedade produzia, em média, 310 litros por dia, segundo o técnico Ronaldo Fagundes Filho, e para produzir um litro de leite o custo total era de R$ 1,43. O preço médio recebido pelo leite era de R$ 1,35. Assim o lucro da atividade era de menos R$ 0,08 por litro. “Esses oito centavos são negativos porque saem do pró-labore do produtor, o que significa prejuízo”.

O total de vacas era de 21, sendo que 18 estavam em lactação. Assim, a média era de 17,2 litros por vaca ao dia. Hoje, a propriedade diminuiu a produção de leite para 280 litros por dia. Porém, o custo total é de R$ 1,55, e o preço médio é R$ 1,69. Assim, o lucro da atividade é de R$ 0,14 por litro. São 19 vacas, sendo 16 em lactação. A média é de 17,5 litros por vaca a cada dia.

“De toda a receita produzida, 81% eram apenas para o custo operacional efetivo, que inclui o gasto com volumoso, concentrados, medicamentos, energia elétrica e outros insumos necessários para a produção de leite. Atualmente, de toda a receita produzida, 71% são para o custo operacional efetivo”, explicou o técnico.

Estrutura para as vacas

A construção de uma estrutura para o gado foi uma das principais melhorias na propriedade de 2,9 hectares. “Não havia espaço com sombra para as vacas descansaram, nem local coberto para que elas se abrigassem em dias chuvosos. O galpão foi um dos melhores investimentos até hoje. A qualidade de vida delas melhorou muito”. Danielle conta que a estrutura é dividida em camas de areia. “É um free stall mais simples.” O free stall consiste em áreas com camas individualizadas, corredores de acesso e pistas de trato.

A nova acomodação das vacas gerou resultados na qualidade do leite. “Teores de proteína, gordura e contagem bacteriana total apresentavam bons índices. Porém, a contagem células somáticas (CCS) estava sempre acima dos valores exigidos, o que indicava que as vacas estavam sofrendo contaminação bacteriana, ocasionando mastite. Isso devido ao fato de ficarem muito tempo em contato com barro, gerando estresse, mastites crônicas, alto custo com medicamentos e descarte de leite por causa do período de uso de antibiótico.”

Com a construção dessa estrutura, o conforto térmico diminui o estresse dos animais, não há mais contato com o barro, os casos de mastites e o custo com medicamento diminuíram e, consequentemente, houve redução no descarte de leite.

“As vacas com mastite crônica foram descartadas e a CCS está com valor excelente. Essa melhora na qualidade do leite aumentou o poder de negociação da família e ampliou a receita devido à bonificação paga pelo laticínio. Lembrando que, quando falamos em lucro, na metodologia do ATeG, o ‘salário’ da mão de obra familiar já foi pago. O lucro é, portanto, o que realmente sobra para investir na propriedade ou o que vai entrar a mais na conta da família”, explicou o técnico.

Qualificação

Geovani participou de cursos como Vaqueiro, Inseminação e Alimentação. Já Danielle fez os cursos Cria e Recria de Bezerras, Alimentação, Laticínios e Ordenha. “Todos foram muito importantes porque nos auxiliaram em ações como cuidar das bezerras e melhorar a alimentação. Pensamos em crescer muito, aproveitando cada espaço do nosso sítio, mesmo que ele seja pequeno.”

O ATeG é oferecido por meio da parceria entre o Sistema FAEMG/SENAR/INAES e o Sindicato dos Produtores Rurais de Juiz de Fora. “O ATeG é um sucesso. Temos muitos relatos de crescimento de produtores da região, que estavam sem assistência na bovinocultura de leite. Espero que novas turmas sejam abertas a fim de atendermos mais produtores”, disse o presidente do Sindicato dos Produtores Rurais de Juiz de Fora, Domingos Frederico Netto.

As informações são da FAEMG.

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

THIAGO CARRIJO BENEDETTI

FRUTAL - MINAS GERAIS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 16/03/2021

Excelente programa ! Parabéns ao técnico e a vocês que seguem suas recomendações
MilkPoint AgriPoint