ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Programas de redução de gases ganham força

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 21/06/2021

2 MIN DE LEITURA

0
0

O Plano Safra 2021/22 será “mais verde”. A ministra Tereza Cristina vai apresentar medidas para fortalecer os programas de redução da emissão de gases de efeito estufa (ABC), de inovação tecnológica (Inovagro), de armazenagem (PCA) e de incentivos à irrigação (Moderinfra).

As linhas vão passar a financiar também a produção de bioinsumos, energia renovável e a adoção de práticas conservacionistas de uso, manejo e proteção dos recursos naturais.

Entre as novidades está o financiamento para fabricação de bioinsumos ‘on farm’, para uso na propriedade em que são produzidos. As práticas de conservação dos recursos naturais financiáveis serão ampliadas, abrangendo também correção da acidez e da fertilidade do solo.

Outro foco será o apoio à implantação de sistemas de tratamento de dejetos e resíduos oriundos da produção vegetal para compostagem e geração de energia verde.

O governo também deverá ampliar para até R$ 20 milhões o limite de financiamento para projetos de geração de energia a partir do biogás e para produção de biometano. Haverá incentivo ainda para conectividade e agricultura de precisão. O orçamento do ABC (agricultura de baixo carbono) poderá subir de R$ 2,5 bilhões para mais de R$ 4 bilhões.

A intenção de Tereza Cristina é tornar o Plano Safra um sinônimo de sustentabilidade e fazer frente às constantes críticas internacionais ao Brasil na área ambiental. Para isso, o Ministério da Agricultura fez um estudo que mostra que o apoio a práticas sustentáveis vai muito além do Programa ABC, com impacto direto para o aumento da produtividade e o efeito poupa-terra.

Segundo a Pasta, nas safras 2017/18, 2018/19 e 2019/20, foram liberados quase R$ 187 bilhões a empreendimentos “ambientalmente sustentáveis” - custeio e investimentos tiveram R$ 111,8 bilhões e R$ 75,5 bilhões, respectivamente. No ciclo passado, foram R$ 68,4 bilhões, bem acima dos R$ 2 bilhões acessados pelo Programa ABC.

O ministério considerou três grupos de financiamentos no cálculo: os de apoio à agricultura de baixa emissão de carbono (ABC e subprogramas do Pronaf), os de práticas sustentáveis (Moderinfra, subprograma de recuperação de solos do Moderagro, Moderfrota, Inovagro, PCA, Prorenova, Pronaf Seminário e Funcafé) e as contratações “ambientalmente sustentáveis”, com empréstimos que não integraram os programas anteriores, mas tiveram finalidade parecida.

“Estima-se que pelo menos 60% dos empréstimos para investimentos sejam direcionados a práticas que promovem a melhorias ambientais”, diz a Pasta. O governo ainda trabalha na criação da Cédula de Produto Rural (CPR) Verde, para preservar florestas.

As informações são do Valor Econômico, adaptadas pela equipe MilkPoint. 

baner interleite

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint