ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Produtores gaúchos discutem hoje preço do leite

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 25/10/2004

MENOS DE 1 MIN DE LEITURA

1
0
A Comissão Estadual do Leite da Federação dos Trabalhadores Rurais na Agricultura no Rio Grande do Sul (Fetag) reúne-se hoje, com o Sindicato das Indústrias de Laticínios (Sindilat) e dirigentes da empresa Elegê para discutir as diversas formar de pagamento de leite ao produtor e as perspectivas futuras para o segmento.

Segundo o diretor-secretário da Fetag, Elton Weber, existem grandes disparidades nos preços de uma empresa para outra. Desde o início deste mês, o preço por litro pago às cooperativas, caiu R$ 0,05.

A situação é um pouco melhor para agricultores que fornecem para cooperativas com estrutura própria de beneficiamento, como a Santa Clara, do município de Carlos Barbosa.

Segundo o presidente Rogério Sauthier, o preço baixou R$ 0,02 nos últimos 30 dias, com média de R$ 0,54. O dirigente explica que a diversificação de produtos permite administrar com mais liberdade as oscilações de mercado.

O Núcleo Gestor de Tecnologia para a Pecuária Leiteira estuda políticas públicas, tendo como meta ações nas áreas de sanidade e genética.

Fonte: Clic RBS/Agrol e Correio do Povo/RS, adaptado por Equipe MilkPoint

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

RESOMARCIO TOLEDO SEIBEL

ESPUMOSO - RIO GRANDE DO SUL - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 26/10/2004

Recentemente só se houve falar em aumento nas exportações e superavit em relação ao leite brasileiro, o que não se reflete para o produtor primário.

A rotina é sempre a mesma, ninguem consegue traçar um plano de ação para que haja estabilidade na cadeia leiteira nacional .

Os produtores querem apenas uma segurança para tecnificarem a produção, aliás é o que acontece no Brasil. Querem que seja produzido um leite de primeiro mundo mas com um incetivo de país subdesenvolvido.
MilkPoint AgriPoint