FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Pioram perspectivas para agroindústrias

As incertezas acerca dos reflexos do coronavírus sobre as economias brasileira e global, cada vez mais negativos, levaram o Centro de Estudos em Agronegócios da Fundação Getulio Vargas (FGV Agro) a revisar para baixo suas estimativas para o crescimento da agroindústria brasileira em 2020.

No novo cenário traçado, o FGV Agro passou a projetar o avanço do segmento em geral no ano em 0,7%, ante crescimento calculado inicialmente em 1,4%. A redução é fruto de ajustes para baixo tanto na área de alimentos e bebidas, de 2,1% para 1,1%, quanto na de produtos não-alimentícios, de 0,8% para 0,4%.

“Por trás dessas revisões, há a expectativa de menor crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), menor confiança do empresário industrial e leve redução das exportações. A contração das expectativas foi aliviada pelo dólar mais caro”, informou o FGV Agro.

Em janeiro, o desempenho foi positivo. O Índice de Produção Agroindustrial Brasileira (PIMAgro) calculado pelo centro da FGV registrou altas em relação a dezembro (3%) e na comparação com janeiro de 2019 (0,5%).

O PIMAgro é baseado em dados da Pesquisa Industrial Mensal (PIM-PF) do IBGE e nas variações do Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-BR), da taxa de câmbio e do Índice de confiança do Empresário da Indústria de Transformação (ICI) da FGV.

Ante dezembro, o salto observado foi puxado pelos produtos não-alimentícios (4,4%), mas também houve crescimento no ramo de produtos alimentícios e bebidas (1,2%), com destaque para a alta de 9,7% da produção de alimentos de origem animal.

Em relação a janeiro de 2019, o resultado foi garantido pelo segmento de produtos alimentícios e bebidas, que registrou expansão de 0,9%. No caso dos produtos alimentícios houve crescimento de 0,8%, graças ao forte avanço da produção de alimentos de origem vegetal (8,4%) - na área de produtos de origem animal a variação foi negativa (2,7%).

Na área que inclui os produtos não-alimentícios houve estabilidade, mas algumas oscilações chamaram a atenção. Enquanto os biocombustíveis cresceram 16,5%, na produção de borracha a retração chegou a 8,6%. Outro ramo que registrou desempenho negativo nessa mesma comparação foi o de insumos (2,2%).

Consultorias consultadas pelo Valor nos últimos dias temem que o cenário piore nos próximos meses, tendo em vista a paradeira das atividades em diversos países. No mercado de açúcar, por exemplo, as estimativas para o consumo global já começaram a ser reduzidas de forma expressiva, e o mesmo poderá acontecer em outras frentes.

Até agora, as previsões oficiais sinalizam para um aumento do Valor Bruto da Produção (VBP) agropecuária nacional em 2020 — 8,2% em relação a 2019, para o recorde de R$ 683,2 bilhões — e, segundo a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), o PIB do agronegócio do país como um todo também crescerá no ano, entre 3% e 4%.

As informações são do Valor Econômico.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.