ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Perspectivas para o mercado de grãos

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 08/04/2021

4 MIN DE LEITURA

4
6

Saiba mais sobre o futuro do mercado de grãos e seu impacto para os próximos dias. 

O milho – Praça Campinas/SP – aparece com alta em março. Até o momento a valorização é de 10% em relação a fevereiro, sendo cotado em R$94,1/Sc. A alta nos preços do milho se dá pela dúvida gerada quanto a oferta de milho no segundo semestre que, por sua vez, está relacionada ao atraso no plantio da safrinha e, consequentemente, de como será o desempenho dessa.

Já o Farelo de soja aparece em queda no mês de março, com -6% em relação a fevereiro, sendo cotada a R$ 2723/ton atualmente. A desvalorização do farelo, e de todo o complexo soja, é, em boa parte, pelo resultado do aumento da oferta do produto com o andamento da colheita no país.

No cenário futuro de preços dos grãos, temos que:

A soja – prêmio Paranaguá – aparece em queda a partir de abril, com leve alta em junho/julho. O foco atual é nos preços a partir de agosto, que até então, devem ser menores – devido à queda do dólar e da cotação do produto no mercado internacional (Bolsa de Chicago – CBOT) na última semana.

Isto atrai o olhar dos compradores, que aproveitam a brecha de mercado para garantir os estoques do produto no próximo semestre.

A soja fechou o início do ano – janeiro e fevereiro – com valores 48,9% maiores do que o mesmo período em 2020. A expectativa de março é de aumento de 42,2% em relação a março de 2020 e, no somatório do ano de 2021, o valor deve ser 15,4% maior do que 2020.

O milho – cotação ESALQ/BMF – apresenta expectativa de alta nos próximos meses, podendo atingir 93 R$/Sc em abril e maio. Por enquanto, no segundo semestre a expectativa também é de queda/estabilidade, mas ainda em patamares maiores do que em 2020.

Janeiro e fevereiro de 2021 fecharam com 27,1% a mais do que em 2020. Em março, os valores estão 22,9% maiores do que no mês em 2020. Já para o ano todo, espera-se um aumento também, de 27,3% em relação ao ano anterior.

Para a ração, janeiro e fevereiro tiveram aumento de 36,3% no preço. Já março apresenta alta de 30,9% em relação a mar/20 e a projeção de 2021 vs. 2020 é de +21,7% no preço da ração.

 

A colheita da safra de grãos no Brasil segue ocorrendo, mesmo que atrasada em relação a anos anteriores. Até o meio de março, foram colhidos 45,7% da área de soja no Brasil, vs. 58,9% da colheita de 2020, para a mesma época.

Ainda assim, a reposição dos estoques de soja alivia o mercado, garantindo oferta do produto – que antes estava escassa.

Para o milho, a colheita decorre um pouco melhor, com 55% já colhido, vs. 52,9% de 2020 na região centro sul do país.

Apesar disso, o atraso da colheita de soja preocupa o plantio da safrinha, que está com 86,2% da área plantada vs. 90,3% do mesmo período em 2020. Tal atraso poderá influenciar o desempenho da safrinha, preocupando o mercado sobre a oferta de milho mais adiante, o que acaba impactando nos preços do produto.

Para o mercado de suínos e aves, temos:

As exportações de carne de frango tiveram aumento de 20% em fevereiro em relação a janeiro e com -1% em relação a fevereiro de 2020.

Já para suínos, também houve aumento das exportações em fevereiro, de 28,4% em relação a janeiro e 19,4% em relação ao mês em 2020.

O aumento das exportações desses produtos demonstra a reação do mercado, que impacta no mercado de rações – uma vez que a produção destes detém boa parte da ração consumida.

Com tudo isto visto anteriormente, o cenário de grãos aparece:

Com a preocupação da performance da safrinha de milho, os preços do grão continuam a subir neste mês. Diferente disso, a soja aparece com queda de preços em março, devido ao aumento da oferta, que alivia o mercado.

Do lado da demanda, temos:

  • O milho com baixa procura, devido aos preços historicamente altos, aliado ao produtor estar segurando o produto.
  • A soja, sendo reposta aos poucos no mercado, acelera a demanda. Além disso, a queda nos preços futuros também atrai uma demanda de contratos para garantir estoque do produto mais para frente.
  • E o mercado de suínos e aves se reaquecendo, conforme o mercado de grãos também muda.

Para a cadeia leiteira, temos:

O produtor conseguiu certo alívio nos preços da soja, podendo investir na compra do produto.

Por outro lado, os preços do milho não cooperam, travando a compra deste pelo produtor.

Com a recente virada do leite spot espera-se um aumento no preço pago ao produtor, o que pode interferir na rentabilidade da produção leiteira, medida pelo índice RMCR.

Portanto, com o mercado aquecido e possíveis mudanças para o produtor de leite, siga acompanhando o mercado de grãos e suas possíveis mudanças futuras.

4

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

JOAO BATISTA DOS SANTOS

BELO HORIZONTE - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 12/04/2021

Parabéns, precisamos sempre de apoio para aumento da produção e redução dos custos de profissionais especializados.
CLEBER DOS REIS FRANCO

VARGEM ALEGRE - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 12/04/2021

Sou um pequeno produtor;e também planto quiabo e jiló e estou no meu primeiro mandato de vereador.
VANDERLEI DOS SANTOS SOARES

EM 09/04/2021

Sou agropecuarista produtor de leite
MARLUCIO PIRES

EDEALINA - GOIÁS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 08/04/2021

A recente virada que não aconteceu, já que tudo que subiu no meio do mês de março, caiu no fim do mês, mesma proporção
MilkPoint AgriPoint