FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Pequenos produtores de leite terão mais dificuldade com reforma tributária

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 09/09/2020

1 MIN DE LEITURA

1
0

O Censo Agropecuário de 2017 do IBGE mostrou que o Brasil tinha, então, 1,1 milhão de produtores de leite em quase todos os municípios. Mais de 70% produziam menos de 50 litros por dia e 98% tinham produção de até 500 litros por dia. São pequenos produtores que não resistiriam ao aumento no custo de produção com o IBS de 25% da PEC 45, de acordo com a Viva Lácteos.

“São empresas que faturam anualmente menos de R$ 250 mil, com receita bruta mensal de R$ 20 mil. É o micro do micro, e que talvez não suporte um aumento tão grande da carga tributária”, observa Marcelo Martins, diretor-executivo da entidade “Temos população vulnerável nas duas pontas. O consumidor de baixa renda, que é 75% do país, e um segmento basicamente constituído por produtores familiares. Há de se ter preocupação com o impacto social da medida”, afirma ele.

A Viva Lácteos simulou a tributação total de uma empresa que capta 1 milhão de litros de leite por dia e fabrica 12 produtos, como leite UHT, leite em pó, iogurte, requeijão, queijos, manteiga, leite condensado e creme de leite, ponderados de acordo com o consumo no país.

Hoje, o imposto devido por um laticínio nesses moldes para uma operação entre São Paulo e Minas Gerais é de R$ 14,5 milhões. Com o IBS de 25%, serão R$ 76,8 milhões ao ano. “Hoje tenho alíquota 0% para a maioria desses alimentos e a alíquota de equilíbrio é menor que 5%”.

Martins afirma que a cadeia se estruturou e o Brasil deixou de ser um grande importador de leite, com o crescimento da produção interna de 4% ao ano nos últimos 20 anos. Mas o impacto da tributação pode reverter o cenário se houver queda no consumo.

O economista Renato Conchon, da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), avalia que será muito difícil para o produtor repassar todo o custo adicional para a frente. “A renda da população caiu muito na pandemia. O custo vai voltar, pela redução do consumo ou queda de rentabilidade”. A realidade é a mesma em cadeias sensíveis, como hortaliças e frutas. Quem não sair da atividade deve reduzir o volume produzido ou investir menos no pacote tecnológico, o que afeta a qualidade e quantidade finais.

As informações são do Valor Econômico.

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

WAGNER SOUZA

SANTO ANTÔNIO DE PÁDUA - RIO DE JANEIRO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 14/09/2020

Com certeza a carga tributária irá tirar muitos produtores da atividade.
MilkPoint AgriPoint