ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Neozelandesa Fonterra quer ampliar presença no mercado brasileiro

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 22/09/2004

1 MIN DE LEITURA

0
0
A Fonterra, uma das maiores cooperativas processadoras de leite do mundo, quer ampliar sua presença na América do Sul por meio da formação de joint ventures, a exemplo da parceria já fechada com a Nestlé no Brasil. De acordo com o diretor da empresa para as Américas, Greg Gent, a região preencherá, em breve, o papel ocupado hoje pela Europa no mercado exportador. "E o Brasil será um dos grandes atores neste novo cenário", disse. Mas, para isso, ressaltou que o país terá que melhorar sua infra-estrutura rural, ainda considerada deficiente.

Gent foi ontem à Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) para discutir o impacto da liberalização do comércio na cadeia de lácteos. Para ele, o formato de joint venture é o mais acertado para a expansão da cooperativa, que tem sede na Nova Zelândia e presença em 94 países. O negócio envolve 12 mil produtores e um volume de 13 bilhões de litros de leite por ano, sendo 95% direcionados à exportação.

"Precisamos de parceiros que conheçam o mercado local e esses, por sua vez, precisam da gente para entrar no mercado internacional. Todos ganham", acrescentou. Hoje, por meio da Dairy Partners América (DPA), que nasceu da parceria com a Nestlé, a Fonterra já consome entre 8% e 10% da produção leiteira nacional.

A cooperativa, responsável por 6% a 8% do Produto Interno Bruto da Nova Zelândia, também quer o Brasil ao seu lado na briga contra os subsídios agrícolas na Organização Mundial do Comércio (OMC). "O Brasil e a Nova Zelândia são aliados. Queremos as mesmas coisas", disse ontem o conselheiro de política comercial da cooperativa, Mike Moore.

Ex-secretário geral da OMC e ex-primeiro ministro do país, Moore ressaltou que não acredita na conclusão da Rodada de Doha até o fim de 2005. "É possível que isso aconteça, mas não é provável". Para ele, essa é a primeira vez que a agricultura está no centro das discussões. "As negociações não terminarão sem resultados nesta área", acrescentou.

Moore disse que é, por princípio, um "multilateralista", o que não quer dizer que não aprove acordos bilaterais, como o que está sendo negociado entre o Mercosul e a União Européia. "O Brasil é vasto e tem capacidade para fazer as duas coisas".

Fonte: Gazeta Mercantil (por Gisele Teixeira), adaptado por Equipe MilkPoint

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint