FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Milho derrete nos EUA: Como afeta Brasil?

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 30/04/2020

1 MIN DE LEITURA

0
0
A demanda mundial por milho continua em deterioração, de acordo com a Consultoria ARC Mercosul. Nos Estados Unidos, não só os problemas com a falta de consumo do cereal para a produção de etanol, mas também a preocupação é crescente diante do contraído uso do grão para ração animal.
 
A ARC Mercosul calcula que os abates de suínos em solo estadunidense já sofreram uma redução diária de 33-35%, e 25-28% para os abates bovinos: “Em meio a quarentena obrigatória dos abatedouros e processadores de carne, pecuaristas norte-americanos estão enfrentando problemas de excesso de ofertas com animais não vendidos. Já é uma realidade a eutanásia de aves e porcos em algumas regiões dos Estados Unidos por falta de opção de abate”.
 
“O excedente de oferta de milho norte-americano impedirá qualquer tentativa de alta dos preços internacionais, refletindo eventualmente no mercado brasileiro. Além do mais, a ARC teme que nas próximas semanas, com a intensificação do COVID-19 no Brasil, a indústria no país poderá enfrentar uma nova rodada de quarentena obrigatória, desacelerando temporariamente a demanda para esmagamento de grãos”, dizem os analistas da Consultoria. 
 
Mesmo com quebras eventuais da produção safrinha no Centro e Sul do país, projetam os especialistas, o mercado brasileiro de milho passará por um “cenário pessimista nestes próximos meses por uma demanda agressivamente degradada”.
 
Brasil
 
A pesquisa do Cepea registrou nova alta de 0,21% nos preços médios do milho na principal praça de referência do país, mantendo-os cerca de 12,5 reais/saca abaixo da máxima em que esteve no início do mês agora a R$ 47,52, contra R$ 47,42/saca do dia útil anterior. “Em abril os preços já recuaram cerca de 20,15%. Na B3 as cotações recuaram 0,04% para 47,94, contra R$ 47,96 do dia anterior, mas no mês a queda ainda é forte, de 20,25%”, aponta a T&F Consultoria Agroeconômica.
 

As informações são do Agrolink.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint