ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Leite Compen$ado: LBR diz que cumpriu com as exigências do MAPA

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 14/03/2014

3 MIN DE LEITURA

9
0
O Ministério Público do Rio Grande do Sul afirmou nesta sexta-feira (14) que 300 mil litros de leite adulterados foram enviados para as cidades de Guaratinguetá, em São Paulo, e Lobato, no Paraná e colocados à venda (veja notícia do MP e nota do Sindilat sobre a questão).

O produto foi distribuído para a fábrica das marcas Parmalat, em SP, e Líder, no PR. Durante a operação realizada em oito municípios do RS, o proprietário de um posto de resfriamento em Condor, a cerca de 380 km de Porto Alegre, foi preso.

Os lotes do produto não foram divulgados, mas os consumidores podem observar as datas de fabricação das duas marcas: 13 e 14 de fevereiro, para leite longa vida. Segundo o MP, o produto foi para o mercado. Já a LBR, responsável pelas marcas Parmalat e Líder, garante que o produto foi recolhido (veja nota abaixo).

A quarta fase da Operação Leite Compensado foi deflagrada nesta sexta em oito municípios do Rio Grande do Sul. Segundo o MP, o suspeito encaminhava o produto adulterado para os dois municípios.

Em fevereiro, as empresas Campezina e LBR foram notificadas pelo Ministério Público, Ministério da Agricultura, após análises em laboratórios. A Campezina atendeu ao pedido e não comercializou os produtos. Segundo o MP, a LBR, que responde pelas marcas Parmalat e Líder, enviou o leite adulterado para o mercado.

“Deparamos com a conivência e a participação de indústrias gaúchas. Já havia sido identificada a adulteração e mesmo assim foram comercializados”, explicou o promotor de Justiça Mauro Rockenbach, em entrevista à Rádio Gaúcha nesta manhã.

Veja a íntegra da nota da LBR Lácteos


"A LBR Lácteos Brasil SA tomou conhecimento em 25 de fevereiro de 2014 da possível contaminação na matéria-prima de um fornecedor, que fora recolhida pelo Ministério da Agricultura em 10 de fevereiro de 2014 nas dependências deste fornecedor. Assim que tomou conhecimento da possível contaminação na matéria-prima, utilizada na fabricação de seus produtos, decidiu como medida preventiva, mesmo sem ter identificado anormalidades nos sucessivos testes realizados, recolher os lotes de leite UHT do mercado.

Esta matéria-prima foi recebida na unidade de Tapejara (RS) e depois de ser aprovada em todos os testes de qualidade previstos na legislação, foi enviada para processamento nas unidades de Lobato (PR) e Guaratinguetá (SP), que são abastecidas rotineiramente por leite originado no Rio Grande do Sul. Nestas unidades, foi novamente submetida aos testes exigidos pela legislação sem a detecção de qualquer anormalidade e foi utilizada na fabricação de leite UHT, nas 24 horas após o seu recebimento. Todos os produtos expedidos passaram novamente pelos mesmos testes, conforme o procedimento interno da empresa de dupla checagem para a garantia total dos produtos.

Tendo recebido no dia 28 de fevereiro a ordem recolhimento cautelar do leite UHT fabricado em Lobato (PR), a LBR decidiu como medida preventiva, mesmo sem ter identificado anormalidades nos sucessivos testes realizados, recolher do mercado os lotes deste leite UHT, que também foi enviado para a análise oficial do Ministério da Agricultura. E ainda, preventivamente, enviou amostras do mesmo lote ao Laboratório Credenciado do MAPA para análises externas, que atestaram a qualidade do produto, validando todos os testes internos. Estes lotes estavam distribuídos em cidades do estado do Paraná. A coleta das amostras pelo MAPA ocorreu apenas no dia 13 de março.

No caso da fábrica de Guaratinguetá (SP), o Ministério da Agricultura, por solicitação da empresa, recolheu amostras do leite UHT produzido e procedeu a realização de análises em laboratório oficial, análises estas que resultaram negativas para a presença da substância Formaldeído, estando portanto o lote de produtos apto para o consumo, conforme laudo em poder da empresa. Apesar disso, ao receber a ordem de recolhimento cautelar do Ministério da Agricultura no dia 11 de março de 2014, também procedemos ao imediato recolhimento dos produtos encontrados no mercado.

A empresa considera assim, que cumpriu com todos os procedimentos exigidos pela legislação e observou as cautelas aplicáveis ao caso. A LBR reforça seu compromisso com a qualidade e o respeito com os consumidores. A empresa realiza permanente controle no recebimento de matéria-prima e em todo o processo produtivo, seguindo os mais altos padrões de qualidade, de forma a garantir a integridade dos produtos que disponibiliza aos consumidores de suas marcas".

Fonte: G1, adaptada pela Equipe MilkPoint
 

9

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

JOÃO MARCOS GUIMARÃES

CARRANCAS - MINAS GERAIS

EM 18/03/2014

O tipo de fiscalização exercido pelo MAPA é falho e favorece o infrator. É preciso uma revisão nos métodos e a adoção de sanções mais rigorosas.

Há mais de 43 anos acompanho e também trabalhei em indústria de laticínios; pelo que sei a fraude começou forte entre 1978 e 1980. Nunca fiquei sabendo que uma indústria foi fechada por fraudar. As principais fraudadoras foram a falência em pouco tempo e algumas delas desapareceram para sempre. As fraudadores de hoje serão as falidas de amanhã, podem observar.

Então concluo: não vale a pena fraudar um produto tão nobre.
NORINAR

CAMPO NOVO - RIO GRANDE DO SUL

EM 18/03/2014

TENQ VER OS DOIS LADOS DA MOEDA PORQ DOIS ANALICE DO LEITE NÃO ACUSOU NADA Q A LBR FEZ EAI SEU MARCELO E OS DEMAI Q CURTIRAM NÃO SERA OUTRAS GRANDES EMPRESAS E O MAP QUERENDO DERRUBAR A LBR NÃO SEI SE VCES SABEN MAS E AMAIOR EMPRESA DE LEITE UHT DO BRASIL TODO MUNDO TA DE OLHO
LAIS

AMPARO - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 17/03/2014

Primeiro gostria de parabenizar o Ministério Público pela fiscalização e em seguida gostaria  de saber do mesmo Poder Público o porque estão casando as pequenas empresas e a caso recente do Latícionio Rei do Sul na cidade de Condor - RG.

E porque não acontece nada com os grandes laticínios, sendo que estou comparando os testes realizados com o mesmo leite, o pequeno foi para a cadeia e com a grande empresa o que vai acontecer? Será que estão com medo? Ou e uma formação de cartel com as grandes empresas.?
FERNANDO MELGAÇO

GOIÂNIA - GOIÁS - MÍDIA ESPECIALIZADA/IMPRENSA

EM 17/03/2014

Estou de pleno acordo com  os comentaristas anteriores, em especial o  Marcello.

Não se pode permitir de forma alguma que essas fraudes de leite continuem acontecendo.

Será que todos os fraudadores que fraudaram anteriormente estão em liberdade.

Leite é um produto muito nobre para ser fraudado.

Faz-se necessário maior rigor nas fiscalizações, para evitar que esses absurdos continuem acontecendo.

Atenciosamente,

Fernando Melgaço.
BERNARDO GARCIA DE ARAUJO JORGE

APUCARANA - PARANÁ - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 17/03/2014

Já passou da hora de termos uma legislação própria para

esse tipo de crime.

A recorrência destas fraudes falam por si.

É lamentável a falta de postura do M.A.para com a cassação da licença

das empresas envolvidas na fralde.
MARCELLO DE MOURA CAMPOS FILHO

CAMPINAS - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 17/03/2014

Leite Compensado



Segundo as informações, em fevereiro de 2014, o MP do Rio Grande do Sul recebeu documentação do MAPA infirmando que 12 amostras de leite cru colhidas no posto de resfriamento do Laticínios O Rei do Sul, localizado em Condor na região Noroeste do Estado apresentavam a presença de formol, e que esse leite foi distribuído para as empresas Campezina e LBR, que foram notificadas que esse leite não deveria ser comercializado por ser  impróprio para consumo.



A Campezina atendeu à notificação e não comercializou o produto, mas a LBR enviou esse leite para suas unidades em Lobato no Paraná e Guaratinguetá em São Paulo, onde foram nos dias 13 e 14 de fevereiro, processados e embalados e estavam sendo comercializados com as marcas Lider e Parmalat de propriedade da LBR.

A LBR deu uma série de explicações para a ocorrência: que realiza permanente o controle da matéria prima; que esse leite recebido do Laticínios o Rei do Sul foi submetido a testes antes de ser enviado para Lobato e Guaratinguetá, onde antes de serem processados foram novamente submetidos a testes e em todos eles o leite estava de conformidade com a legislação.



A fraude seria a repetição do que vinha  ocorrendo no Rio Grande do Sul, ou seja, aumento de 10% no volume de leite por adição de água com adicionamento de ureia para driblar analises mais simples e formol, considerada substância cancerígena.



O Sindilat/RS, baseado nas informações divulgadas pelo MP estadual lamenta a ocorrência de adulteração do leite e deseja que o caso sob investigação seja esclarecido o mais rápido possível pelas autoridades.



Ora, resposta a três perguntas se fazem necessárias:



1)     Por que, face ao mesmo comportamento da fiscalização do MAPA e ação do MP do RS as empresas Campesina e LBR tiveram comportamentos tão diferentes, sendo que, diferentemente da LBR  a primeira não processou e comercializou  esse leite;



2)     Por que os testes da fiscalização do MAPA acusaram a fraude e os dois testes que aLBR diz ter feito não. Será tão difícil detectar o acréscimo de 10% de água e o acréscimo de ureia e formol para disfarçar a fraude?;



3)     O uso de formol, uma substância cancerígena não caracteriza essa fraude como crime hediondo além do crime econômico?.



Nesse mesmo mês, a Leite São Paulo, em função da repetição e  riscos para a saúde humana das fraudes no leite, apresentou na reunião da Câmara Setorial do MAPA a proposta no sentido de uma ação para tornar a fraude no leite crime hediondo. Essa proposta só teve a favor a Leite São Paulo, votando contra todos os demais participantes da reunião, sedo que foram colocadas algumas justificativas por parte de alguns membros. A Leite São Paulo solicitou que o resultado da votação e as explicações relativas ao posicionamento contrário fossem registrados em ata, para que possam ser analisadas as razões apresentadas contra um tratamento legal mais rigoroso com relação à fraude no leite.



Marcello de Moura Campos Filho
EGON GRINGS

SÃO JOÃO DO OESTE - SANTA CATARINA - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 16/03/2014

É simplesmente vergonhoso que estas marcas ainda podem circular normalmente nos mercados. Está na hora de o governo e mapa organizar a fiscalização, ter em todas as laticínios, seja posto de resfriamento ou indústria, fiscais sérios e honestos.

Pergunto o produtor é obrigado em se enquadrar conforme as exigências IN 62, acho certo. Na minha opinião deveria ter maior fiscalização em cima dos transportadores no primeiro e segundo percurso.


ELISEU NARDINO

MARIPÁ - PARANÁ

EM 16/03/2014

E por isso que conseguem fazer as loucuras que estão fazendo, prometem até ,0,20 a mais que a concorrência paga ao produtor, e depois fazem promoção do leite no supermercado, e só fazendo isso mesmo fabricando leite sem ter vaca
ANDRÉ LUIZ TEIXEIRA

LORENA - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 15/03/2014

Além de pagar pouco pro produtor ainda adulteram o nosso produto ...
MilkPoint AgriPoint