FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

FAO: índice de preços de alimentos voltou a subir em janeiro; lácteos em alta

O índice de preços dos alimentos da FAO, braço das Nações Unidas para agricultura e alimentação, subiu pelo quarto mês consecutivo em janeiro e atingiu 182,5 pontos, 1,3 ponto (0,7%) mais que em dezembro. Na comparação com janeiro de 2019, a alta foi de 11,3%.

De acordo com a FAO, os maiores aumentos foram registrados nos segmentos de óleos vegetais e de açúcar, mas cereais e laticínios também ficaram mais caros no mundo. Essas elevações mais que compensaram a queda nos preços das proteínas.

O subíndice de óleos vegetais atingiu a maior média em três anos - 176,3 pontos, 11,6 pontos mais que em dezembro. “Os valores internacionais de óleo de palma aumentaram pelo sexto mês consecutivo, sustentados pelas perspectivas de redução da oferta global em meio à forte demanda do setor de biodiesel”, diz a FAO em relatório. Os preços dos óleos de soja e girassol também subiram.

O indicador de açúcar subiu 10,4 pontos, para 200,7 pontos, o quarto aumento consecutivo. Conforme a agência, a elevação de janeiro foi impulsionada pela expectativa de retrações nas produções da Índia e do Brasil.

Também em alta, o indicador de cereais atingiu 169,2 pontos, 4,8 pontos mais que em dezembro e maior patamar desde maio de 2018. No relatório, a FAO diz que os preços do trigo subiram muito devido ao ritmo acelerado de compras de vários países em meio a embarques mais lentos na França, que enfrentou uma greve nos portos. Os valores do milho também registraram ganhos refletindo o comércio internacional robusto e o aperto sazonal de oferta no Hemisfério Sul.

Sobre os lácteos, o subíndice ficou em 200,6 pontos, com elevação de 1,8 ponto em relação a dezembro. “As cotações de manteiga, queijo e leite em pó desnatado (SMP) aumentaram, refletindo a forte demanda de importação, combinada com a baixa oferta na Europa e na Oceania.”

Por fim, o indicador das proteínas animais foi o único a cair no mês, marcando uma pausa depois de 11 meses consecutivos de elevação. A média ficou em 182,5 pontos, 7,5 menos que no mês passado. “As cotações de todas as categorias de carnes caíram em janeiro, pressionadas por compras reduzidas, principalmente da China e do Extremo Oriente, após grandes importações no fim de 2019”, diz o texto da FAO.

As informações são do Valor Econômico.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.